Quarta-feira, 12 de Outubro de 2011

Qualquer adepto seria capaz de citar de memória um eventual top 3 do futebol holandês. Há Cruyff, há van Basten, há Gullit...mas, faz este pódio (ou qualquer outro) algum sentido quando não há espaço para aquele que foi, provavelmente, o jogador tecnicamente mais dotado da história recente do futebol europeu? Para Dennis Bergkamp o futebol era, sobretudo, uma questão de arte...

Não era ballet mas tinha traços desse movimento de pés súbtil e perfeccionista. Mas também não era propriamente futebol.

Certamente que a definição do jogo de Bergkamp estaria sempre a meio caminho de qualquer coisa. Na sua Holanda natal a vide mede-se em ângulos exactos, em regras rigidamente definidas pelo tempo, pela história e pelo espaço. Os holandeses aprendem desde cedo o que custa manter um país ganho ao mar, o que vale cada centimetro de erva. Um país sem montes, um país sem curvas que contornar, onde todos seguem em frente, onde todos podem olhar para lá do horizonte. Mas onde nem todos são capazes de ver tudo o que o horizonte é capaz de esconder.

Sem necessidade de correr, os holandeses aprenderam o valor de fazer as coisas andando. Bergkamp mais do que nenhum outro. Se Cruyff ficou célebre pelas suas arrancadas, se van Basten se posicionava com pequenos passos enquanto Gullit corria de um lado ao outro, o jovem Dennis sempre trabalhou a uma velocidade diferente de todos os outros. Nem demasiado rápido, nem excessivamente lento. E sempre entendeu o valor de uma linha recta.

Como um quadro de Piet Mondrian, esse revolucionário que os holandeses entendem melhor do que se imagina, o jogo de Bergkamp moldou-se sempre na simplificação do complexo. No poder do fácil. Cada gesto técnico era executado com a frieza e limpeza de um cirúrgião, de um verdadeiro profissional. Bergkamp não era um matador, o desfrute dele não fazia sentido num jogo pautado pelo conflito. A sua experiência falhada em Itália, ao serviço do Internazionale, espelhou bem o seu desencontro com um mundo onde a arte, a estética, eram relegados sempre para um apagado segundo plano. Tecnicamente, Bergkamp continuava a ser melhor do que todos. Mas os outros 21 jogadores, pura e simplesmente, estavam a jogar outro jogo. E só, como quase sempre se sentiu, o prazer perdia-se.

 

A sua fama de filósofo moderno dos relvados embate com a crença actual de que um jogador de futebol pode ser tudo menos um artista culto.

Bergkamp pode sentar-se num qualquer café de Amesterdam e debater sobre o mais erudito dos temas sem que deixe transparecer que foi na verdade um futebolista de elite. Entre todos os seus treinadores só Arsene Wenger o entendeu, só ele soube falar o mesmo idioma.

Nem Cruyff, o seu primeiro técnico, dono de um vocabulário e uma mente própria, nem Hiddink, o seleccionador que não o soube aproveitar da melhor forma ao serviço da Orange, souberam decifrar o seu eterno enigma. O do homem que não voava por pavor a morrer numa queda violenta mas que era capaz de adentrar-se na selva de pernas dos defesas napolitanos num derby quente no San Paolo.

Quando chegou a Inglaterra, em 1995, a Premier League ainda não era no que se tornou e salvo Eric Cantona e David Ginola, dois franceses desterrados, os estrangeiros continuavam a ser olhados com desconfiança. Com ele o "boring Arsenal" transformou-se numa ópera clássica de requinte especial. O seu jogo de pés, a sua visão e, sobretudo, a parceria que estableceu com o cosmopolita Ian Wright, mudaram a face do jogo nas ilhas britânicas e transformou radicalmente o rosto de um clube adormecido.

Ao serviço do Arsenal o genial holandês executou as suas maiores obras de arte. Para Bergkamp um golo não era mais do que uma tela nua, preenchida com o seu apurado pincel e depois exposto com orgulho diante dos olhares atónitos do mundo. Essa falta de espirito killer provocou-lhe demasiadas criticas mas, por outro lado, reforçou ainda mais a sensação de grandeza cada vez que Dennis se transformava em Bergkamp.

Perder a conta aos golos, passes, desmacarcações ou sublimes remates de Bergkamp tornou-se num hobby tão respeitável como o de passar horas sentados no Louvre a contemplar, em adoração, as obras mais ousadas de da Vinci. A forma como abria e fechava o campo com um só gesto, autoritário como um general, diletante como um pintor da rive gauche parisina, tornaram-no num jogador especial. Wenger posicinou-o atrás do ponta-de-lança, primeiro Wright e depois Henry, dois jogadores que falavam o mesmo idioma intelectual e refinado que o holandês. Emulou assim a Cantona, que então se retirava, num gesto táctico que significou a morte definitiva (mas não imediata) do histórico 4-4-2 britânico. Esse posicionamento, que não repetiu numa Holanda repleta de outros artesões com egos muito maiores que o seu, permitiu ao Arsenal voltar a saber o que era ser campeão e durante meia década tornou-se igualmente no santo e senha dos amantes do futebol champagne, que os gunners herdavam do Milan de Sacchi com uma tremenda e insuspeita naturalidade.

 

Como muitos dos grandes génios, o seu reconhecimento passou ao lado dos grandes momentos. Com a sua Holanda falhou um Mundial que lhe parecia destinado, especialmente depois de, com três movimentos astairianos, desmembrar a jugular da nação argentina. Com os "gunners" faltou-lhe a consagração europeia que tinha servido à santa trindade holandesa que citamos ao inicio para confirmar o seu papel como estrela absoluta do jogo. Num desporto baseado em números, os de Bergkamp parecem efectivamente menos impressionantes que os dos seus compatriotas. Mas como a arte, essa revolta interna de um homem contra o mundo, ainda não se pode medir, é possível que haja sempre alguém corajoso o suficiente para proclamar Bergkamp como a tulipa mais resplandecente que o horizonte pode contemplar...



Miguel Lourenço Pereira às 14:23 | link do post | comentar

10 comentários:
De manuel antonio a 12 de Outubro de 2011 às 18:16
excelente artigo, a fazer as memórias ficarem vivas e darem me a oportunidade de rever mentalmente tanta coisa bonita que este senhor fez! :)


De Miguel Lourenço Pereira a 12 de Outubro de 2011 às 19:25
Manel,

Obrigado, poucos jogadores podem proporcionar tantas horas de genuíno prazer ;-)

abraço


De R_Matos a 13 de Outubro de 2011 às 11:24
Olá novamente,

Terei de comentar outra vez aqui no blog dado que, por incrível que pareça e após termos trocado ideias semelhantes em relação à nossa seleção nacional, eis que o artigo seguinte é sobre aquele que para mim, foi o ídolo de infância!

Desde novo que admirei Bergkamp e o coloquei à frente de todos os outros (só Batistuta lhe "mordia os calcanhares"), toda a classe, paixão, técnica, inteligência... um regalo à vista e uma maravilha para os amantes do futebol no seu expoente máximo.

Recordo como se fosse hoje, o golo à Argentina no Mundial de 1998 em França, pura classe e requinte, poucos o conseguiriam fazer!

Mais uma vez, obrigado pelas excelentes palavras aqui expostas!


De Miguel Lourenço Pereira a 13 de Outubro de 2011 às 12:10
R. Matos,

Eu é que agradeço tanto as visitas como os alagadores comentários.

O Bergkamp pode não ter sido tão completo como Cruyff e Gullit ou tão eficaz como van Basten, mas como artista foi talvez o holandês (e europeu) mais espantoso da história do futebol, uma especie de jogo diferente de todos os outros, como os heróis perdidos de uma era onde não havia amarras tácticas, onde se jogava o jogo pelo jogo e em que a magia fazia parte de cada movimento do seu corpo.

Sem dúvida, ao lado de Michael Laudrup e Eric Cantona, o jogador menos valorizado dos últimos 20 anos (colocaria a Xavi e Pirlo neste lista mas felizmente, nos últimos anos, já se começa a olhar para ambos de outra forma).

Um abraço


De Pedro a 13 de Outubro de 2011 às 18:50
Enchia as medidas! Um prazer. Recordo aqui outra brincadeira que este artista da bola fez recentemente, agora como adjunto no Ajax.
http://www.youtube.com/watch?v=Q-AxeLvHcOo

Divirtam-se ;)


De Miguel Lourenço Pereira a 14 de Outubro de 2011 às 07:36
Pedro,

Muito poucos eram capazes destas maravilhas ;-)

um abraço


De hugomocc a 15 de Outubro de 2011 às 12:18
Um dos melhores que tive o prazer de ver jogar (apenas pela TV, infelizmente).

É dele (até hoje) um dos meus golos favoritos de sempre (Newcastle v. Arsenal 2 Março 2002) - http://youtu.be/IicmCu47pMo


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Outubro de 2011 às 16:46
Hugo,

Esse golo define perfeitamente Bergkamp, lembro-me de onde o vi e do impacto que me causou durante largos minutos em que me abstraí do mundo. Felizmente foi um de muitos lances similares do génio de Amsterdam.

um abraço


De Tsubasa a 15 de Outubro de 2011 às 16:15
Dos melhores blogs de Potugal. Continuem o excelente trabalho que quem ama o futebol agradece.


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Outubro de 2011 às 16:47
Tsubasa,

Só por esse nick histórico já vale a pena ler qualquer comentário que seja. Se ainda para mais é para elogiar o trabalho do EJ, duplamente agradecido.

seja sempre bem vindo e algum dia traga o Wakabasaki consigo!

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO