Quinta-feira, 18 de Agosto de 2011

A fome insaciável de Leo Messi ajudou a desequilibrar o mais equilibrado dos duelos até agora vividos entre o Barcelona de Guardiola e o Real Madrid de Mourinho. Os merengues foram melhor a equipa no conjunto dos 180 minutos mas viram o individualismo do argentino resolver o que o colectivo blaugrana nunca esteve perto de conseguir. No final repetiram-se as cenas da época passada e voltou a ver-se, de parte a parte, que nada mudou com o Verão.

A grande diferença entre Ronaldinho e Messi é a fome. A fome de vitórias.

O brasileiro foi sem dúvida o melhor jogador da última década, tanto a nível das habilidades individuais como no entendimento do jogo colectivo, muitos furos por cima de qualquer outro. Mas desde o principio da carreira que lhe faltou a fome de vencer a todo o custo. Por isso hoje o genial número 10 deslumbra no Flamengo enquanto que Messi, que dele tanto aprendeu, decide jogos de máxima tensão como os de ontem com um sorriso nos lábios. A metamorfose táctica do argentino mudou o modelo de jogo do Barcelona mas só foi possível porque Messi pertence a um tipo de jogadores que não olha a meios para obter fins, e para ele o fim último é a vitória, sempre. Nunca existe uma bola perdida, nunca um lance dividido termina até a bola estar longe, nunca a baliza encolhe no momento errado e, sobretudo, nunca a cor da camisola adversário lhe muda o estado de espírito. Em Madrid foi um golo, em Barcelona dois (e lá vai o recorde de Raúl em Supertaças ao ar) e ainda uma assistência maravilhosa para Andrés Iniesta que o define, igualmente, como um jogador profundamente colectivo.

Depois dos seus falhanços sucessivos com a Argentina não cabe a menor dúvida de que Messi é, como foi Pelé no Santos, o exemplo perfeito do jogador enquadrado num sistema colectivo que o potencia e por ele é potenciado ao máximo. Messi cresceu com a filosofia blaugrana e entende-a como ninguém e por isso saca dela o máximo rendimento no seu estilo de jogo. Por outro lado o clube encontrou forma de o entender também como nunca a nenhum outro jogador (nem Cruyff, nem Romário, nem Rivaldo, nem Ronaldinho lograram o mesmo efeito) e aproveita-se do argentino para ir onde nunca ninguém foi. Messi sem o Barcelona não seria o mesmo Messi, nem de longe nem de perto, e o Camp Nou sabe que quando o argentino perder a chama ou partir haverá um vazio de poder impossível de remediar. O seu génio individual decidiu um jogo de máximo equilíbrio colectivo onde primou, sobretudo, o desastrado jogo ofensivo do Real Madrid que teve várias oportunidades para lograr um triunfo histórico. Do primeiro ao último segundo os merengues foram melhores mas José Mourinho terá de rever os seus processos ofensivos porque é preocupante que uma equipa crie tantas oportunidades para marcar tão poucos golos. Os de ontem, de Ronaldo e Benzema, nasceram de lances confusos na área, nunca um bom indicativo. Mais um golo e o Real Madrid teria vencido, merecidamente, o troféu. Mas a eficácia blaugrana, a eficácia de uma equipa que sabe guardar a bola e que só remate quando tem a certeza de que pode realmente marcar, foi determinante e porque o futebol são golos, o torneio ficou em Can Barça.

 

Se Messi foi genial e decisivo, o jogo colectivo do Barça deixou muito a desejar.

Guardiola queixa-se - no que começa a tornar-se uma recorrente na prosápia de um treinador que ontem somou mais um recorde - de que teve pouco tempo para preparar-se (menos cinco dias que o rival) e que não esperava vencer. É habitual nele o discurso defensivo mas mesmo com menos uma semana de preparação esperava-se muito mais da sua equipa. Depois de alinhar uma equipa alternativa no Bernabeu o técnico de Santpedor preferiu a formação de gala, a que venceu a Champions League em Maio deste ano. Mas a palidez colectiva foi uma constante especialmente face a um Real Madrid a jogar em pressão alta de forma constante durante os 90 minutos. Nem Xavi soube pautar o ritmo, nem Villa e Pedro souberam aproveitar o desajuste da linha de fora de jogo (má exibição de Coentrão no seu primeiro jogo a lateral), e acabou por ser a defesa (Alves, Mascherano e Abidal) a que melhor se mostrou sobre o terreno de jogo.

A pressão asfixiante dos merengues surgiu logo no primeiro toque de bola e ao minuto 2 o Real Madrid já tinha tido duas oportunidades de golo. Foi a tónica. O desperdício ofensivo de uma equipa que contou com um Di Maria eternamente egoísta, um Ozil inexistente, um Benzema demasiado ocupado a adornar o seu jogo e, sobretudo, um Cristiano Ronaldo decepcionante. Se a Messi a cor da camisola do rival não incomoda (principalmente a branca do Real), a Cristiano parece suceder o contrário. É verdade que marcou o seu primeiro golo no Camp Nou mas o seu jogo foi miserável, com sucessivas perdas de bola na linha lateral, escasso jogo colectivo e, sobretudo, uma profunda incapacidade de livrar-se, ora de Alves, ora de Mascherano, que souberam sempre neutralizar o perigo que podia significar o português. No único lance que logrou escapar à marcação contrária, CR7 teve o momento individual do jogo mas Valdés - imenso - soube parar a custo um remate envenenado que podia ter alterado o curso do jogo. Ronaldo foi o espelho da inoperância ofensiva merengue mas o colectivo madridista funcionou bem melhor que o contrário com Xabi Alonso e Sérgio Ramos numa forma impressionante, situação que melhorou com a troca de Khedira por Marcelo, com Coentrão a subir no terreno de jogo como foi ensaiado durante a pré-temporada. O golo de Benzema, empatando a poucos minutos do fim, devolvia justiça ao resultado e deixava antever um prolongamento onde o físico do Madrid ameaça impor-se ao do contrário. Até que surgiu Messi para impedir o sofrimento do Camp Nou. Como sempre!

 

No final do jogo reviveram-se os momentos de tensão dos jogos da época passada. Depois da correcção do jogo de Madrid ficou claro que ambos os clubes mantêm-se nas suas trincheiras. A entrada brutal de Marcelo a Cesc Fabregas - inadmissível mas profundamente exagerada pelo banco de suplentes do Barcelona, que se encontrava junto ao lance, e que precipitou uma invasão de campo do staff da equipa da casa, como tem vindo a ser recorrente - levou a um burburinho que acabou com Villa a agredir Ozil (ambos foram expulsos), Pinto a agredir Higuain, Mourinho a enfiar o dedo no olho de Tito Villanova, adjunto de Guardiola, que lhe responde com um soco nas costas, Marcelo e Messi a encararem-se cara a cara e muita, muita confusão. Foi mais uma vez o espelho da falta de serenidade que os confrontos Barça-Madrid têm tido nos últimos anos. Se já durante o jogo tinha ficado claro que os jogadores do Madrid voltariam a jogar no limite, ficou também evidente que os atletas blaugranas continuam a sua campanha particular de exagero teatral a cada lance contrário. Duas posições tão distantes que, inevitavelmente, acabam como acabam. O Madrid continua com a sua besta negra por cima e o Barcelona vê o rival cada vez mais próximo. O ano que só agora arranca promete ser, uma vez mais, electrizante.



Miguel Lourenço Pereira às 08:22 | link do post | comentar

10 comentários:
De filomeno a 18 de Agosto de 2011 às 09:43
Y THIAGO ALCÁNTARA.......¿En el banquillo de los suplentes?


De Miguel Lourenço Pereira a 18 de Agosto de 2011 às 11:31
Filomeno,

Ainda não tem as "licções" bem aprendidas para este tipo de jogo...


De Pedro a 18 de Agosto de 2011 às 10:17
Bom dia Miguel,

O Em Jogo está novamente em destaque nos Blogs do SAPO, em http://blogs.sapo.pt

Boa continuação!

Pedro


De Miguel Lourenço Pereira a 18 de Agosto de 2011 às 11:30
Olá Pedro,

Como sempre, obrigado ;-)

um grande abraço


De Sara a 18 de Agosto de 2011 às 12:52
Parabéns pelo destaque!


De Miguel Lourenço Pereira a 18 de Agosto de 2011 às 13:50
:-)

Obrigado!


De PTM a 18 de Agosto de 2011 às 23:28
Olá Miguel, volto para comentar um dos meus temas preferidos, o que significa Real Vs Barça

Começo com uma pergunta, pareceu-me a mim que não foi o real que deu um salto qualitativo mas sim o Barcelona que não pareceu conseguir desenvolver o seu estilo de jogo. Achas sinceramente que houve uma evolução positiva do Real (já naqueles 4 clássicos da época passada o Real me pareceu melhor) só, ou por outro lado o Barcelona também se apresentou mais fraco?

Em relação ao jogo aquilo que notei mais em relação à época passada foi a utilização de pepe a central mas com muita liberdade para destruir mais à frente. Quer me parecer que o principal problema defensivo quando se defronta o Barcelona é a "falta de trabalho" dos centrais, uma vez que não têm ninguém no seu raio de acção, mais principalmente quando são centrais mais posicionais. A saída do pepe da linha central permitia a espaços ter mais um jogador no meio campo sem comprometer a defesa.

subscrevo totalmente a ideia de que coentrão foi uma das desilusões, simplesmente não me pareceu para jogar a este nível (coisa que facilmente, para um jogador da sua intensidade, vai conseguir mais à frente). Este é mesmo um dos problemas do Real a disposição defensiva, não raras foram as vezes que se pode observar que um dos laterais coloca em jogo o ataque Blaugrana.

duas notas finais:

Mascherano sempre foi um dos meus jogadores de eleição e sempre disse que isso era um dos factores para "não gostar" do jogo do Barcelona. Nas minhas equipas têm de haver sempre espaço para um jogador que sobressai pela garra e pela intensidade que coloca no jogo. Mascha no meio campo no barça não rende porque simplesmente as características que fazem dele um jogador acima da média, a capacidade de trabalho, a dobra dos laterais, o encurtar espaços, não é necessário pois o barcelona raramente se desequilibra. Vejo com bastante agrado que essas características são mais utilizadas enquanto central e que central. para aqueles que para ser central é preciso 2 metros e ser viril fica a prova contrária.

outra para a badalada, basta dar uma vista de olhos na blogosfera, guerra entre Ronaldo e Messi.
Estes dois jogos, que para muitos serviram para confirmar Messi como o melhor do mundo e talvez de sempre, para mim serviram para tirar todas as duvidas que ele, fora do cacoon chamado barcelona nunca irá atingir este nível. nunca, e agora acho que posso falar em termos absolutos, houve uma equipa em que cada papel foi feito à medida para cada jogador, e tirando Villa e talvez Dani Alves é engraçado ver que fora da cantera simplesmente não é a mesma coisa.



De Miguel Lourenço Pereira a 19 de Agosto de 2011 às 09:04
PTM,

Bem vindo de volta uma vez mais e parabéns pelo comentário, estamos de acordo em tudo. Indo por pontos:

1º - É evidente que o Barcelona está pior (Guardiola queixa-se de aspectos fisicos mas não vi um Barça cansado, vi um Barça sem soluções) mas isso também é porque o Madrid soube explorar nestes dois jogos, melhor do que nunca, as debilidades dos blaugrana. Bola roubada cedo, pressão nos elementos principais, defesa alta, Pique e Mascherano com dificuldades em sair a jogar, tudo isso foi causado pela forma de jogar do RM que se notou mais preparado e confiante do que na época passada. Os merengues estão melhores porque abandonaram em parte a verticalidade do contra-ataque para assumir uma postura mais dominante e isso nota-se, sobretudo, na posse de bola. No entanto ficam aspectos a trabalhar, nomeadamente a eficácia ofensiva e a coordenação defensiva.

2 - Jogar contra uma equipa que funciona num principio de 4-6-0, em que os avançados e médios se misturam com naturalidade é sempre complicado para os defesas. O Madrid esteve mal na defesa nos dois jogos, concedeu cinco golos em doze oportunidades do Barça e não soube travar Messi. O corredor esquerdo foi um passador, principalmente com Coentrão, constantemente a perder o duelo com Pedro, e Carvalho ainda não tem ritmo para esta intensidade (gostava de ter visto Varane). Pepe é fundamental para Mourinho por isso mesmo, pressiona alto, rouba bolas com o seu estilo duro e sobe a linha até bem perto de Xabi e Khedira, transformando o 4-2-3-1 num 3-3-3-1 e soltando Alonso para a distribuição. No mundo há poucos jogadores tão capazes de cumprir esta missão mas depois comete erros defensivos inadmissíveis e continua a jogar no limite, o que, tendo em conta o seu historial, não é o mais inteligente que possa fazer.

3 - Mascherano funciona bem de central porque encarna o papel de Puyol, fundamental para libertar Pique e Alves. É o central mais duro, capaz de entrar nos lances divididos sem medo, e o seu reposicionamento (mais do que o de Busquets, que Pep também já tentou) faz todo o sentido especialmente sabendo que o capitão continua com os seus problemas fisicos por resolver. É um grande jogador e ontem não deu qualquer hipótese a Benzema e Ronaldo.

4 - Messi é, hoje em dia, o melhor do Mundo e creio que não há discussão. Mais do que pelo talento natural, pela capacidade de decidir, de marcar a diferença, coisa que mais ninguém consegue fazer com tanta assiduidade e naturalidade. Não tenho duvidas que noutro clube faria coisas brilhantes mas nunca seria este Messi. Este jogador é perfeito para a estrutura Barcelona e fora dela perde um pouco o seu impacto porque o seu jogo assenta na compreensão absoluta da filosofia blaugrana. Messi não é Maradona, capaz de pegar numa equipa mediocre e transformá-la em bicampeã da melhor liga do mundo, ou Cruyff que trouxe para Barcelona os automatismos que funcionavam em Amsterdam. Se nunca sair do Barcelona deixará a mesma imagem que deixou Pelé ou Eusébio, um jogador perfeitamente identificado com uma escola. Não lhe retira mérito individual, está claro, mas eu pessoalmente prefiro a jogadores que se saibam mover em distintas realidades com o mesmo aproveitamento.

um abraço



De Stylez a 24 de Agosto de 2011 às 11:15
A imagem que Messi deixará é a de melhor da história, jogador com mais Champions e mais bolas de ouro de sempre quer queiram quer não!
Maradona pegou numa equipa medíocre? Careca, Alemão, Carnevale, Zola e Ferrara eram medíocres?
Para um estudioso do futebol devia ter vergonha de dizer tal coisa!

Já agora o que fez Maradona no Barça? Quantas Champions ganhou? Ou só os Mundiais é que são importantes? É que se ele era assim tão bom e levava as equipas todas às costas devia ter jogado pelo menos uma final da Champions não?


De Miguel Lourenço Pereira a 24 de Agosto de 2011 às 12:52
Stylez,

A sensação que um jogador deixa, seja Messi ou Ronaldo, será diferente de pessoas para pessoa da mesma forma que hoje uns pensam de maneira muito diferente sobre Maradona, Pelé, Cruyff ou Di Stefano, jogadores que ainda estão uns furos acima do argentino.

Maradona em Barcelona desiludiu muitos, entre lesões e um claro problema de gestão à volta do clube blaugrana que por essa época era uma verdadeira catástrofe desportiva, um pouco como o Atlético de hoje. No Napoli, uma equipa que nunca tinha lutado por um titulo, foi formando uma equipa de nivel, que foi chegando a pouco e pouco (Zola, por exemplo, era júnior em 1989) e que quebrou uma corrente hegemónica. Eu a Messi vejo-o como o jogador perfeito para a estrutura Barça, nunca houve um esforço de contra-corrente como com Cruyff em 74, por exemplo.

Quanto a medir o valor de jogadores só pelos titulos parece-me excessivamente redutor, senão Paulo Sousa teria sido melhor que Figo, Seedorf maior do que Ronaldo e Messi maior do que Ronaldinho, o que não é, desde já, o caso. É um elemento importante mas um de muitos.

Messi seguramente será considerado um dos melhores jogadores de sempre, mas também o foram van Basten, Ronaldo, Zidane, Ronaldinho, Platini ou Beckenbauer, e nenhum deles teve atrás de si a campanha de marketing criada recentemente que parece querer impor, muito democraticamente, à viva força, a superioridade do Messias sobre qualquer outro jogador, vivo ou morto.

Para isso não há pachorra!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO