Sábado, 16 de Julho de 2011

Nas sondagens e listados oficiais sobre os grandes treinadores da história ele nunca aparece. Não surpreende. O desconhecimento na era da globalização é maior do que possa imaginar e o nome de Maslov continua a ser um mistério para muitos. O homem que definiu o futebol contemporâneo morreu sem nunca ter passado pelo passeio da fama, mas 50 anos depois o seu legado é cada vez mais evidente. Talvez nunca tenha havido um treinador tão influente na história do jogo...

A última vez dói sempre mais. A de Viktor Maslov como treinador do Dynamo Kiev deve ter doido mais ainda.

Narra Jonathan Wilson no seu essencial Inverting the Pyramid, que o técnico moscovito foi despedido no hotel de concentração do Dynamo Kiev aquando de uma viagem a Moscovo para defrontar o Spartak local. No final do jogo a equipa saiu do estádio num autocarro rumo ao aeroporto. Ninguém falava. A meio caminho o autocarro parou diante de uma estação de metro. Maslov foi convidado a sair. Baixou pesarosamente as escadas e acenou aos seus jogadores. Chorou. Nunca o tinham visto chorar.

A cena é real e significou um ponto final na carreira do mais influente treinador do futebol moderno ao serviço do clube que serviu de balão de ensaio para os seus esquemas futebolísticos. Maslov ainda viria a vencer uma Taça da URSS com o Torpedo de Moscovo, dois anos depois,  e um campeonato com os underdogs arménios Ararat Yerevan, mas a saúde débil já o minava por dentro. Em 1976 morreu na mais absoluta mediocridade e ninguém se lembrou dele durante anos até que alguns estudiosos começaram a analisar o jogo de trás para a frente e descobriram que este treinador a quem os jogadores chamavam carinhosamente de "Avôzinho", como é tão comum na Rússia a quem se tem um imenso respeito, tinha sido o mentor das grandes metamorfoses tácticas do beautiful game.

Maslov era, de certa forma, o oposto moral e emocional do seu sucessor em Kiev, o mítico Valery Lobanovsky. O que o ucraniano fez, partindo do principio cientifico, já Maslov o fazia, partindo do sentido comum que sempre orientou a sua carreira. Um técnico diferente a todos os niveis, o moscovita era conhecido por ser um dos entusiastas do modelo de auto-gestão. Consultava os jogadores para tudo e por várias vezes viu o capitão de equipa recusar que um jogador fosse substituído quando ele já tinha indicado ao suplente que se preparasse para entrar. Anos mais tarde, depois das acusações de falta de disciplina, os seus próprios jogadores vieram a público defendê-lo. Tratava-se apenas de uma mensagem que a equipa em campo recebia e respondia com a tranquilidade de que o jogo se ia resolver com os onze titulares. E sempre foi assim. Os seus registos em Kiev foram históricos e apesar da influência que detinha junto do Partido Comunista Ucraniano - que lhe permitia, entre outras coisas, recrutar vários jogadores de clubes mais pequenos com benefícios estatais - a forma como montou uma equipa capaz de desafiar o poder moscovita transformou para sempre o futebol soviético e estabeleceu as bases do que viria a ser o longevo mandato de Lobanovsky.

 

Pressing. Marcação à Zona. 4-4-2.

Palavras chave no vocabulário futebolístico de hoje mas que só existem no vocabulário desportivo a partir do momento em que Maslov as passa de um ideário em papel para o terreno de jogo. Durante os dez anos que medeiam a sua viagem ao Mundial da Suécia de 1958 e o zénite da sua equipa de Kiev, o técnico colocou em prática os conceitos que hoje fazem parte da bíblia de qualquer treinador.

Quando começou a treinar o Torpedo de Moscovo (na altura liderado pela estrela soviética Eduard Streltsov) decidiu aplicar o ideário táctico que viu na espantosa equipa do Brasil de Zezé Moreira. Entendendo, como poucos na altura, que o sucesso brasileiro dependeu, mais do que  Garrincha, Pelé e Vavá, no jogo de Didi e no posicionamento de Zagallo. Ao voltar a Moscovo começou a ensaiar um jogo de toque no meio campo abandonando progressivamente o ritmo vertiginoso do WM. O 4-2-4 foi o seu primeiro sistema táctico - um caso de precocidade na Europa - mas foi, sobretudo, o seu conceito de pressing, que revolucionou por completo a sua forma de analisar o jogo. Observando o espaço que os defensores deixavam a Streltsov, Garrincha ou Kopa, começou a trabalhar o treino de pressão. O seu quarteto defensivo, mais do que esperar pelos rivais, tinha instruções de avançar sobre eles, reduzindo o tempo de manobra do contrário. Com isso melhorou significativamente os registos de golos sofridos do conjunto moscovita, antecipando em muitas ocasiões oportunidades claras de golo. O seu sistema de pressing provocou um aceleramento do jogo e obrigou, por outro lado, a ter um meio-campo capaz de temporizar e controlar os registos de posse de bola com discrição. Maslov procurou durante toda a sua carreira a versão soviética de Didi, o homem que parava o jogo do Brasil quando todos aceleravam. No duro e rígido futebol soviético a sua missão era complicada e essa mutação táctica levou muitas vezes a situações em que a sua defesa se via forçosamente descompensada.

Em 1964, depois de oito anos em Moscovo, aceitou o desafio de orientar o Dynamo de Kiev ucraniano. Aí encontrou as armas que precisava para colocar em prática o sistema que vinha idealizando há muito. Para tal teve de livrar-se de algumas das estrelas da companhia (entre as quais o aclamado Valery Lobanovsky) e a principio a sua presença sofreu com a eterna desconfiança dos ucranianos face a um treinador que tinha feito toda a sua vida desportiva em Moscovo. Mas rapidamente a relação entre técnico e equipa atingiu níveis de imensa cumplicidade e quando Maslov começou a mexer as peças do xadrez, a equipa seguiu-o entusiasticamente. No seu primeiro ano abandonou o 4-2-4 brasileiro e inventou o que hoje conhecemos como 4-4-2. Dois anos antes dos Wingless Wonders de Alf Ramsey, o russo abdicou do jogo de alas, a quem acusava de não terem critério para funcionar no jogo colectivo, e colocou um playmaker puro (o seu Didi) atrás do duo de pontas de lança com três homens no apoio directo atrás de si. Para aprofundar ainda mais o seu sistema de pressing (que apurava com sessões de treino intensas, inusuais à época) começou a desenvolver um sistema de marcação à zona que obrigava os jogadores a estarem atentos ao espaço e não ao homem. Quando um jogador passava pelo seu marcador, para evitar um desgaste físico desnecessário e um desajuste táctico, este simplesmente deixava-o para o homem seguinte. A conjugação do pressing a meio campo, do trabalho de marcação implacável e, sobretudo, da temporização do jogo com a bola no pé, encurtando o espaço, Maslov definiu os conceitos que Rinus Michels adaptaria no seu Ajax e que entrariam no vocabulário comum como "Futebol Total". Com o seu Dynamo Kiev logrou os melhores registos, vencendo duas ligas soviéticas e desafiando os potentados europeus, apesar de ter caído, no seu melhor ano, frente ao Celtic de Glasgow que se sagraria campeão europeu depois de um duplo encontro intenso.

 

Se na marcação à zona o conceito foi emprestado (e aperfeiçoado do exemplo brasileiro) já a pressão alta e o 4-4-2 são exclusivos absolutos do homem que não foi entendido pelo seu tempo mas que, a médio prazo, abriu o caminho para a evolução táctica que o futebol iria forçosamente seguir. O ritmo de jogo e a ocupação dos espaço, hoje verdadeiro obsessão, era algo tido como supérfluo até que Maslov entendeu todo o seu potencial. A sua influência só se pode comparar a Jimmy Hogan e Herbert Chapman, definidores dos modelos de jogo continentais e britânicos nos anos 20. Enquanto o mundo se debate entre Mourinho e Guardiola, Sacchi e Cruyff, Menotti e Michels, Ramsey, Shankly, Busby e companhia, a verdade é que todos eles são um pouco melhor treinadores porque um dia o "Avôzinho" decidiu inventar o futebol moderno!



Miguel Lourenço Pereira às 14:16 | link do post | comentar

6 comentários:
De Bizarro a 17 de Julho de 2011 às 09:54
Epá, como eu gosto de historiadores que reinventam a História!! Maravilhoso! E a minha "Avozinha", coitadinha, que ninguém conheceu, inventou o Arroz à Valenciana que agora todas as donas de casa fazem...


De Miguel Lourenço Pereira a 17 de Julho de 2011 às 13:32
Bizarro,

E a ignorância é, sem dúvida, uma benção para alguns. Aproveite-a, ás vezes não dura para sempre!


De Bizarro a 19 de Julho de 2011 às 12:14
Caríssimo autor deste blogue, suprir a ignorância não depende de ler livros e conhecer factos. Qualquer não-ignorante saberá que é impossível o senhor Maslov ter inventado o que você diz que inventou. As coisas não surgem na cabeça das pessoas por acaso. Dependem de coisas anteriores. Acha mesmo possível alguém utilizar uma defesa à zona nos anos 60? Nem a concepção de Arrigo Sacchi, 30 anos depois, era uma defesa à zona como a que hoje boa parte das grandes equipas utiliza, quanto mais a do senhor Maslov. Foi alguém que teve algumas ideias inovadoras, que percebeu possíveis caminhos de renovação, mas não alguém que tenha revolucionado o jogo. Até porque, para revolucioná-lo, essas ideias teriam de ter tido algum impacto em outros treinadores. E não tiveram. Todos os avanços que se fazem, em qualquer domínio do saber, dependem de avanços anteriores, e o senhor Maslov existiu num tempo em que simplesmente não era possível ter promovido os avanços que você acredita que promoveu. É como achar que tivesse existido um pintor a fazer as coisas que Picasso fez, mas 100 anos antes. Não houve, porque não podia ter havido. Não havia um avanço conceptual suficiente para que pudesse ter ocorrido. O mesmo se passa em futebol. Lá por certos livros o informarem de que o senhor Maslov era muito inovador, não quer necessariamente dizer que o seja. O espírito crítico é, muitas vezes, o melhor critério que um leitor tem ao seu dispor para seleccionar os livros que têm qualidade.


De Miguel Lourenço Pereira a 19 de Julho de 2011 às 12:25
Bizarro,

Enfim, as pessoas retratam-se no que escrevem e o seu caso é um exemplo perfeito. Tanta falácia num só comentário só me deixa entender que viu vários jogos do Dynamo Kiev e do Torpedo Moscovo entre 58 e 70 para afirmar, de forma tão categórica, tamanha certeza. Ou isso ou que a sua linguagem futebolística seja de tal forma fechada que não entenda que os conceitos evoluem com o tempo mas que as primeiras pedras remontam bem antes dos dias dos LCD´s!

Maslov foi influenciado por Arkadiev, não sei se saberá quem é, eu explico-lhe melhor noutro episódio. E influenciou, entre outros, o grande Lobanovsky, que por sua vez influenciou Sacchi, nomes que se calhar são mais familiares. Há quem pense que o futebol existe apenas no presente e que no passado andavam 22 tipos aos pontapés a uma bola sem critério, inteligência e estudo. Que o futebol começou com a Laranja Mecânica e afins. Mas resulta que isso é falso.

Eu vi a defesa à zona do D. Kiev em imagens de arquivo, não me limitei a ler não um, mas vários livros que explicam bem o impacto de Maslov no futebol moderno, ideia sufragada por Michels, Lobanovsky, Sacchi ou Happel, por exemplo. O conceito de defesa à zona que tem, da mesma forma que o conceito de pressing, como em tudo, variou ao longo dos anos. Mas o futebol moderno não é (só) o do Barcelona de Guardiola ou do Milan de Sacchi. É pretérito a essas duas brutais equipas e moldou-se no pós-guerra em pontos diferentes do globo. O que se seguiu foi a natural evolução do curso da história. Claro que o seu carro (ou bicicleta) tem pneus e não foi o seu fabricante que inventou a roda, mas sem a roda, inventada pelos rupestres, agora talvez continuasse a andar a pé, como os burros!

Pergunte à sua avozinha, talvez ela lhe explique de forma mais elementar para que entenda correctamente tão complexo raciocínio!


De Ricardo Martins a 19 de Julho de 2011 às 14:21
Sr. Pereira,

É preciso ter cuidado porque com os seus textos acaba por ferir suscetibilidades daqueles que imaginam que possuem a verdade absoluta e certamente não vai querer ver por aqui vários nicks falsos a defenderem que esse Maslov, que eu nem conhecia, realmente nunca existiu e foi um producto da sua imaginação.

Gente iluminada que duvidaria que Da Vinci tenha estado avançado para a sua época, que os vikings não tenham chegado à América antes de Colombo (e porque não os chineses) apenas e só porque, como é que disse este tipo "Não havia um avanço conceptual suficiente para que pudesse ter ocorrido" só me deixa pensar que a raça humana está em segurança. Nunca daremos um passo maior que a nossa perna porque, conceptualmente, isso seria sempre impossível. lolol.

Bem, este tipo de gentinha pseudo-intelectual só me dá vontade de gritar "viva a ignorância!" se não soubesse bem de onde vêm e com que nicks se escondem para viver à custa dos demais como autênticos parasitas online que são!

Continuação de bom trabalho


De Miguel Lourenço Pereira a 19 de Julho de 2011 às 14:33
Ricardo,

A este tipo de comentários (e pessoas) o mínimo troco possível!

cumprimentos


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO