Quinta-feira, 26 de Maio de 2011

Guardiola recuperou alguns dos principais conceitos do Dream Team, confirmou o reposicionamento de Messi no terreno de jogo e aplicou uma fórmula que relembra quase os primórdios do WM de Herbert Chapman. O Barcelona 3.0 do técnico catalão é uma equipa mais refinada, mais cínica e mais autoritária com a bola mas tem também pontos débeis que os homens de Old Trafford poderão explorar.

 

Desta vez Guardiola chega a Londres com toda a armada disponível salvo o suspenso Pinto.

Sergio Busquets, que esteve em risco de falhar o jogo do ano por chamar "macaco" a Marcelo, finalmente estará no onze e será pedra basilar na estrutura deste Pep Team que procura recuperar o trono perdido às mãos do Inter na temporada passada. Guardiola mudou a sua equipa de forma subtil mas evidente desde essa semi-final. Abdicou, definitivamente, de jogar com uma referência ofensiva - uma das máximas de Cruyff que contou com van Basten no Ajax e Salinas e Romário em Barcelona - para dar total liberdade de movimentos a Messi, precisamente o que Michels e Kovacks fizeram com o 14 holandês na sua etapa de jogador. Dessa forma Guardiola encontrou a fórmula para destabilizar uma defesa rival sem uma referência a que marcar (como eram Etoo e Ibrahimovic) e favoreceu ainda mais o jogo de carrossel de trocas de bola entre o miolo e ataque blaugrana.

O reposicionamento de Messi é a chave na estrutura deste Barça. Tem os seus aspectos positivos evidentes mas também impede o Barça de uma maior e constante presença na área rival. Guardiola emenda essa circunstância mantendo-se fiel à sua filosofia de posse de bola. O Barcelona é uma equipa que joga longe da grande área com a bola nos pés para depois procurar, em velocidade, rasgar as linhas diagonais defensivas e finalizar já dentro do pequeno rectângulo. Quase nenhum golo do Barça surge de fora da área e no entanto quase nenhuma da posse de bola é mantida dentro da grande área. Esse vai e vem é possível pelo reajuste da filosofia cruyffiana que remonta ao ideário do WM de Herbert Chapman de há 80 anos.

Com a bola nos pés o Barcelona funciona como um acordeão e transforma o seu 4-3-3 base num 3-4-1-2 engenhoso. Villa e Pedro, como os antigos extremos, abrem o campo ao máximo e forçam assim as defesas a deixar espaços no coração da área sob pena de serem apanhados em contra-pé. No lado oposto, Puyol e Abidal (se se confirmar a presença do lateral francês, uma grande noticia para o futebol) são pedras inamovíveis e cabe a Pique e Alves deambular entre defesa e meio-campo. Quando um sob, o outro fica atrás a cobrir transformando a defesa de quatro em três. Pique com a bola, Alves com a velocidade incorporam-se a um miolo de quatro por onde anda o olhar cirúrgico de Busquets, a precisão de passe de Xavi e a velocidade mental de Iniesta. No meio de tudo, Messi, erguido em avalanche ofensiva por excelência, coordena o ritmo de jogo.

 

A táctica espremida por Guardiola garante uma constante manutenção de posse de bola entre as linhas dos adversários.

Força o ataque rival a recuar para ajudar o miolo e começa a defender ainda na linha de meio campo. Puxa a defesa rival metros acima e abre clareiras bem aproveitadas pela velocidade mental de Xavi e Iniesta e o sentido de oportunidade do trio da frente. E isso permite cansar o rival com a bola em lugar de desgastar-se fisicamente com transições constantes e, ás vezes, ineficazes. O ratio de aproveitamento do Barcelona é altíssimo porque a equipa só solta a bola para o último passe quando acredita que vai gerar o ambicionado golo. Se para isso tem de dar 500 passes consecutivos fá-lo com uma precisão e um cinismo letais. 

No entanto esse posicionamento no terreno, perfeito com a bola, pode ser contrariado no momento em que o rival recupera o esférico. Para tal é fundamental que o rival se saiba igualmente posicionar sem cair na armadilha preparada por Guardiola que deixa milhas e milhas entre a bola e Valdés. Se a bola é recuperada dentro do meio-campo blaugrana o número de efectivos que fica para trás é reduzido e ultrapassável. Se a bola, no entanto, for recuperada no meio campo defensivo, então o mais provável é que o Man Utd se encontra com uma floresta de pernas dispostas fechar fileiras bem acima da linha defensiva. O Shaktar Donetsk teve várias oportunidades para colocar esta teoria em prática mas o reposicionamento defensivo dos blaugrana, a frieza de Valdés - imenso este ano - e o desacerto da troupe de brasileiros dos ucranianos mantiveram o marcador em números bastante mais lisonjeiros do que seria de esperar.

Por outro lado, um dos handicaps deste Barça, continua a ser o seu posicionamento defensivo nos lances de bola parada. Inevitável face ao tamanho da esmagadora maioria dos seus jogadores e que pode ser aproveitado em lances estudados que funcionam, sempre e quando o imenso Pique não esteja pelo caminho. Foi assim que o Arsenal marcou o seu único golo em Camp Nou (um auto-golo de Busquets) e foi assim que o Real Madrid criou a maioria dos lances de perigo nos duelos a eliminar. Em ambos os casos a chave do Barça será sempre Victor Valdés, que está a actuar ao seu mais alto nível e é um verdadeiro seguro de vida para os homens de Guardiola, uma equipa com vocação ofensiva que tem no guarda-redes o seu primeiro homem de campo.

 

Por fim, Messi. O astro argentino vem de mais uma época superlativa para marcar diferenças. Não é só o melhor marcador da equipa como é também, devido ao seu reposicionamento, o melhor dos assistentes, por cima inclusive de Xavi Hernandez. O número 10 vem buscar jogo muitas vezes aos pés de Busquets e com o seu ritmo maradoniano galga a defesa rival à procura de um espaço, de um colega, de um momento. Permitir que Messi deambule à vontade tem o seu preço e o Real Madrid sabe-o bem. Marcá-lo implacavelmente, como fez Pepe durante 220 minutos deixa a nu a "messidependência" de uma equipa tremenda que perde poder de fogo quando o seu génio está atado a uma teia invisível. Ferguson não é homem de marcar o rival de forma tão implacável, mas é nos espaços que possa vir a ter o argentino que se decidirá uma contenda histórica.



Miguel Lourenço Pereira às 06:45 | link do post | comentar

8 comentários:
De filomeno a 26 de Maio de 2011 às 11:16
A mí lo que me gustaría ver es al tal "Pep", entrenando en Portugal, en Italia, en la Gran Bretaña, con la prensa en contra y con la UEFA ídem........
Saludos


De Miguel Lourenço Pereira a 26 de Maio de 2011 às 14:07
Filomeno,

Ferguson si que si hizo grande en un pequeño Abardeen que termino con el dominio aplastante del Old Firm y gano una Recopa al Madrid de la Quinta. Mourinho lo hizo fenomenal en el Leiria y luego claro, en el FC Porto.

un abrazo


De DC a 26 de Maio de 2011 às 12:16
Uma curiosidade Miguel, tem os dados do número de assistências do Messi? Existe algum site que os disponibilize?


P.S. Finalmente vejo alguém a dar o devido mérito ao Valdés. Há muito tempo que o considero um redes fabuloso!


De Miguel Lourenço Pereira a 26 de Maio de 2011 às 14:06
DC,

Tanto o site da UEFA como o site da Liga BBVA têm estatisticas muito bem estruturadas e é possível ver muito mais para lá do que os golos marcados e sofridos. Por exemplo podemos constatar que os dois jogadores que mais vezes passaram ou receberam a bola neste Cl foram Xavi e Busquets.

O Valdés é muito importanto no jogo do Barcelona. O Casillas, como GR, é mais completo mas é mais estático no jogo colectivo. Valdés é o primeiro avançado e ultimo defesa na forma como controla a área, como sabe sair a receber a bola e como é extremamente hábil na distribuição de jogo, ora toque curto para Pique e Alves, ora lançamentos rápido para Pedro e Iniesta.

um abraço


De Tiago a 26 de Maio de 2011 às 19:10
Ola Miguel,

O ronaldo não está no onze ideal da fifa... impressionante.

Abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 26 de Maio de 2011 às 19:16
Tiago,

É normal, não é o onze da FIFA mas sim o onze da UEFA relativo á Champions League. Foi suplantado pelo Raul pela brilhante carreira do Schalke 04.

um abraço


De DC a 27 de Maio de 2011 às 12:49
E tendo em conta a Champions que fez hipotecou as hipóteses na bola de ouro também...


De Miguel Lourenço Pereira a 27 de Maio de 2011 às 14:14
DC,

A Bola de Ouro há muito que estava hipotecada. A vitória de Messi no ano passado, num ano em que nao esteve sequer no top 5 dos jogadores mais decisivos, deixou claro que o argentino vai superar o recorde de Platini e companhia e vai ganhar mais Ballon´s D´Or do que era inicialmente expectavel. Habitualmente os anos de Europeus e Mundiais dictavam vencedores ligados aos paises que os ganhavam ou figuras de proa nessa prova. Em 2008 e 2010 os espanhois perderam para icones mediaticos, Ronaldo (num ano excelente) e Messi (num ano regular) e tudo indica que os proximos premios sejam entregues mais por mediatismo do que por outro motivo.

Este ano ha Copa America e o Barça está na final da CL, parece.me que será suficiente para que atribuem o prémio de novo a Messi mesmo que o Man Utd ganhe. Nao estou a ver o Rooney, Giggs ou van der Saar a ganhá-lo.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO