Sexta-feira, 3 de Junho de 2011

A bipolarização do futebol espanhol nunca foi tão evidente. Um titulo – o terceiro consecutivo – para o Barcelona que custou mais do que a diferença pontual deixa antever. Um Pichichi (e melhor ataque) para um Real Madrid incomodado quando joga com os pequenos e demolidor quando encara rivais directos. O duelo dialéctico Guardiola-Mourinho foi decido no campo e a favor do blaugrana mas a aproximação real entre Barça e Madrid deixa antever um duelo ainda mais intenso, se cabe, para a próxima época.

 

O Barcelona de Guardiola venceu a liga porque foi melhor.

Mas, sobretudo, porque foi muito mais regular que o esquizofrénico Real Madrid de José Mourinho. Capaz de golear rivais directos e equipas de pedigree, os blancos foram demasiado moles com as equipas que penaram nos últimos lugares da classificação e perderam mais de 16 pontos contra equipas em desespero de causa. Sem esse colchão pontual tão necessário quando se enfronta uma equipa do pedigree do Barcelona, pouco há a fazer. Os homens de Guardiola começaram mal o ano – resultado de uma pré-época ausente na ressca mundialista espanhola – mas foram juntando fileiras e quando chegou o duelo do Camp Nou, aplicaram, como é seu hábito, um profundo golpe de autoridade na prova. Os 5-0 com que brindaram os rivais reforçaram a moral das hostes blaugranas e desde aí o Barcelona viveu a sua própria liga, debaixo da excelsa campanha de Leo Messi e de uma pressão que se foi tornando menos constante de um Real Madrid entretido com as provas a eliminar. O Barcelona colocou pressão a si mesmo para não baixar o ritmo e entrou numa série demoniaca que lhe permitiu celebrar a dois jogos do fim o titulo, acabando por perder apenas os titulos morais de equipa mais goleadora e o prémio ao melhor marcador. O triunfo de Cristiano Ronaldo, um recorde absoluto de 41 golos na corrida ao Pichichi e Bota de Ouro, foi o espelho do jogo brutalmente ofensivo dos homens de Mourinho mas também a luz e sombra de uma época notável dos merengues mas que empalidece em comparação com o triunfo superlativo e sem contestação do Pep Team.

 

Esta bipolaridade evidente apagou por completo qualquer disputa mais que a liga espanhola tivesse para oferecer.

E houve algumas. Desde o duelo regional entre Valencia e Villareal pelo último lugar do pódio (triunfo dos “ches”) à luta pela europa onde carimbaram o bilhete três clássico (Sevilla, Bilbao e Atletico de Madrid) para acabar no desespero de uma última jornada onde até seis equipas lutavam para não descer. Nunca a despromoção esteve tão cara (43 pontos, mais sete que na época passada) e nunca o futebol espanhol se nivelou tanto por baixo, deixando algumas mensagens sérias para o futuro próximo. Uma liga absorvida pelo poder mediático de Barcelona e Real Madrid, calada pelos sucessos desportivos da Roja, a Liga BBVA transformou-se num quinal para as grandes potenciais economicas e um oásis para os restantes 13 clubes que dão colorido à prova. Não é por acaso que a partir do próximo ano 10 equipas estejam sediadas nas quatro maiores cidades do país, com Madrid a estrear, pela primeira vez, o número redondo de quatro participantes dentro das suas fronteiras. Com o final do regionalismo do futebol espanhol, confirmado com o adeus da Galiza à prova, fica ainda mais evidente que os golos de Cristiano, as fintas de Messi e as conferências de imprensa de Guardiola e Mourinho se tornam no único atractivo real de uma liga que continua a vender-se como a liga das estrelas. Cadentes, nalguns casos, de Fórlan (em guerra aberta com Quique Sanchez Flores desde Novembro) a Luis Fabiano, vendido pelo Sevilla em boa hora para dar passo à confirmação de Negredo que junto a Soldado e Llorente confirmaram que há mais alternativas ofensivas do que a dupla Villa-Torres para a selecção espanhola.

 

Frente ao mesmo fantasma, no mesmo palco. Em 1994 o Deportivo de Arsenio Iglesias perdeu o titulo no último minuto contra o Valencia por um penalty falhado pelo sérvio Djukic. Dezasseis anos depois, também contra os “ches”, o Depor perdeu a categoria e 20 anos depois volta ao inferno da 2º Divisão. Uma situação normal tendo em conta a falta de investimento realizado nos últimos anos no plantel, consequência dos milhões gastos no SuperDepor campeão de 2001 que nunca tiveram retorno real. Aos galegos acompanham na queda o Almeria e o alicantino Hercules treinado, imagine-se, pelo mesmo homem que falhou esse penalty histórico na Coruña.


Categorias: ,

Miguel Lourenço Pereira às 10:25 | link do post | comentar

1 comentário:
De filomeno a 3 de Junho de 2011 às 12:40
Los entrenadores españoles "cosmopolitas" admiran al gran José Mourinho; los "no cosmopolitas" le detestan y envidian........


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO