Segunda-feira, 23 de Maio de 2011

 

Leiria


Esteve perto de regressar à Europa e acabou por sofrer com o estigma da despromoção.

 

A época da União de Leiria foi sempre em sentido descendente e o conjunto da cidade do Lis pagou o preço de uma excessiva ambição sem uma base sólida na qual por-se em bicos de pés. Se muitos aplaudiam de pé a labor inicial de Pedro Caixinha, o jogo fluido de Carlão e companhia, os sucessivos – e tantas vezes inexplicáveis – tropeções do conjunto leiriense voltaram a colocar dúvidas à volta de um clube incapaz de mobilizar as gentes da cidade e de manter um projecto sólido de uma temporada para a seguinte.

 

Se o Leiria das primeiras jornadas deixava antever uma luz ao fundo do tunel a equipa do final de ano revelou-se um verdadeiro deserto de ideias. Nesse clima de desconforto é dificil qualificar um trabalho que prometia tanto e entregou tão pouco. Leiria continua ser entender o seu clube – e a polémica do Municipal é apenas a ponta do icebergue – e o clube continua a sobreviver sem ter o futuro sob controlo, uma jogada que tem tanto de arriscada como de perigosa. E talvez de inevitável também!

 

Olhanense


Sem Jorge Costa e os fundamentais empréstimos dos grandes adivinhava-se um ano bastante complicado para a Olhanense.

 

A equipa algarvia enfrentava o seu segundo ano na elite com algum temor mas no final soube sofrer até ao fim sem deixar de dar a cara. Os olhanenses nem sempre jogaram bem, nem sempre foram eficazes mas nunca desistiram e nos duelos directos souberam retirar pontos preciosos que permitiu abrir uma pequena margem de conforto que foi gerida com normalidade até ao final do ano. Na odiosa comparação com o seu rival algarvio, o recém-promovido Portimonense, o Olhanense mostrou ser uma equipa mais preparada para os desafios da Liga Sagres, espelho natural da sua rápida adaptação.

 

A equipa técnica de Daúto Faquirá acabou por revelar-se a grande responsável pelo facto de que, pelo terceiro ano consecutivo, haverá futebol de primeira em Olhão.

 

 

 

Vitoria Setúbal

 


Os problemas financeiros do Vitória de Setúbal estão destinados a condenar qualquer possibilidade de crescimento do conjunto sadino.

 

Nesse contexto a luta pela salvação é o único objectivo a que a equipa pode ambicionar e, nesse sentido, a época 2010/11 foi um sucesso. Houve a habitual dose de sofrimento e não tivessem os sadinos batido o Sporting na penultima jornada e talvez a matemática tivesse criado um sério problema à equipa de Setúbal. Mas os adeptos já estão habituados e sabem que, com os constantes vai e vens de jogadores, técnicos e directivos, pouco mais se pode lograr.

 

O Vitória de Setúbal arrancou o ano com mais uma legião de jogadores contratados à última hora e viveu toda a temporada no fio da navalha. O trabalho de Manuel Fernandes, o habitual bombeiro do Bonfim, deu alguma estabilidade emocional ao conjunto verde e branco mas não resolveu os problemas mais graves da equipa. Nem a garra de Pittbull, nem o talento de Neca foram capazes de criar uma dinâmica colectiva ascendente e jornada após jornada as contas complicavam-se seriamente. Sem Manuel Fernandes, o clube não deu um salto qualitativo mas o curto mandato de Bruno Ribeiro permitiu conseguir pontos chave em jogos importantes. Essenciais para a soma final que permitiu uma salvação aparentemente tranquila mas profundamente enganadora. Este Setúbal sabe que, na sua realidade actual, brincar com o fogo pode provocar a curto prazo queimaduras dificeis de curar.

 

 

 

Beira-Mar

 


Durante as primeiras jornadas houve verdadeiro receio em Aveiro de que o regresso à elite do futebol português fosse um sonho com data de caducidade.

 

Os problemas financeiros, esse cancro que o futebol regional português não consegue resolver, pareciam condenar o projecto de Leonardo Jardim, um dos treinadores da moda que não teve problemas em sair do barco quando os rumores da sua transferência para o Braga se tornaram impossiveis de ignorar. Jardim, o homem que orquestrou a promoção com uma equipa sem muito talento mas a quem sobrava a alma, aguentou os primeiros golpes e endireitou o rumo do navio mas não ficou para recolher os louros. Coube a Rui Bento continuar o projecto, com várias dúvidas aqui e a li, mas sempre com a certeza que havia sempre equipas que acabavam por fazer pior que os aveirenses. Os jogos em casa tornaram-se fundamentais para o Beira-Mar e, no final o sufrimento não foi tanto quanto o esperado.

 

 

Académica

 


A equipa que arrancou com Jorge Costa a temporada 2010/2011 prometia muito. A que terminou a época, com Ulisses Morais ao leme, foi a grande desilusão do torneio.

 

Durante largos meses a Briosa sonhou com a Europa, com um regresso aos postos mais altos da tabela. Herdando a estrutura deixada por Domingos e Villas-Boas, o antigo capitão do FC Porto montou um conjunto ofensivo, atractivo e profundamente solidário que permitiu ao conjunto estudante manter-se nos primeiros postos durante o primeiro terço da época. A abrupta saída do técnico, por motivos pessoais nunca explicados, abriu um fosso do qual os conimbricenses nunca se recuperariam.

 

O conjunto perdeu a chama, a eficácia e foi entrando uma perigosa dinâmica que acabou por atirá-los da luta pela Europa ao desespero pela salvação, um fantasma que continua a rondar em Coimbra ano após ano. Valeu ao conjunto local a boa época de Peiser e Sougou, sempre prontos a remar contra a maré, e os desacertos dos rivais mais directos que nunca souberam aproveitar os tropeções da Briosa. Como o inicio da temporada deixou antever há muito que há estrutura suficiente para a Académica dar um salto qualitativo real mas por um motivo ou outro, o drama da despromoção continua a ser um problema que a histórica Académica parece incapaz de resolver. Em 2011/12 ficamos à espera de saber que rosto da Briosa acabaremos por encontrar no final do ano.



Miguel Lourenço Pereira às 14:42 | link do post | comentar

2 comentários:
De Pudget a 24 de Maio de 2011 às 17:38
Sempre gostei do Jorge Costa, acima de tudo como jogador, mas como treinador não estava mal. Contudo, explicações à parte, quando saiu da Académica já a equipa me parecia bastante problemática, e se não estou enganado, vinha de duas vitórias consecutivas fora de portas (frente ao Beira- Mar e ao Setúbal), mas já antes tinha tido 4 jogos sem vencer e uma eliminação na Taça - frente ao Arouca. Tudo bem, dois desses jogos foram contra o Porto e o Sporting, se calhar estou a ser exigente... mas 41% de vitórias, ou seja, 7 jogos em 17, parece-me pouco para uma equipa que tinha recebido a benesse de jogadores tão valiosos como os que o Porto emprestou!


De Miguel Lourenço Pereira a 25 de Maio de 2011 às 08:31
Pudget,

O que se passou com a Acádemica é totalmente anormal. Era uma equipa com infra-estruturas e condições para lutar com Rios Ave, Leiria, Paços e Maritimo, com dois treinadores de top nos últimos dois anos a passarem por lá deixando boa imagem e com um arranque de temporada impressionante. Subitamente tudo se desmorona.

A saída de Jorge Costa foi, no minimo, bizarra, mas deixava antever claramente de que a nau estava a ir ao fundo. Espero que o "Bicho" tenha sorte no Cluj, a Roménia costuma ser um terreno complicado para quem procura estabilidade, e que os dirigentes dos estudantes entendam, de uma vez por todos, que não se pode pilotar um projecto desportivo desta forma.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO