Sábado, 26 de Março de 2011

O Bayern Munchen é o clube mais odiado da Alemanha. Talvez um dos mais impopulares da Europa. É entendido como um clube cinzento desde que Uli Hoeness chegou à cupula directiva, a finais dos anos 70. Por diversas vezes o polémico Uli tentou mudar essa imagem negativa mas quase nunca conseguiu. Agora parece ter desistido de vez. Só assim se entende o regresso do senhor Cinzento, Jupp Heynckes, à bela Munique.

 

 

 

Heynckes era um jogador que dava pouco nas vistas. Marcou muitos golos ao longo da sua carreira, especialmente quando recebia os passes perfeitos de Gunter Netzer no mágico Borussia Monchengladbach a meados dos anos 70. Pouco mais. A partir da década de 80 começou a sua carreira como treinador. Manteve o low-profile que o caracterizava. Esse cinzentismo concreto que tanto dano fez à imagem dos alemães por esse mundo fora em Heynckes ganha proporções quase mitológicas. Os seus êxitos como treinador nunca foram dignos de grande registo - salvo talvez a história Champions League ganha pelo Real Madrid em 1997 - porque a sua imagem nunca transmitiu qualquer tipo de empatia. Sem ser um motivador ou inovador táctico, pouco espaço sobrava a Jupp para ser reconhecido como um grande técnico. Passou a ser apenas um bom profissional o que na Alemanha, não nos esqueçamos, é tudo menos uma aspecto negativo. Aliás, todo o contrário.

Talvez por isso Jupp Heynckes se voltará a sentar num banco que conhece demasiado bem. É a sua terceira etapa no clube de Munique, algo pouco usual nos dias que correm mas que foi prática durante largos anos no futebol europeu. Depois de dois bons anos com o Bayer Leverkusen - a equipa que, como Heynckes, tem fama de nunca ganhar nada - os bávaros olham para ele como a figura ideal para seguir o trabalho de um técnico que não podia ser mais oposto ao alemão: Louis van Gaal.

O holandês polémico encontrou em Munique um clube com uma estrutura perfeita mas sem paciência para o seu estilo. Desenvolveu ao máximo uma formação que estava adormecida desde o aparecimento, em 2004, de Lahm e Schweinsteiger, e apostou num futebol fluido, atacante e dinamico. Talvez o melhor que o clube com mais titulos na história do futebol alemão apresentou desde a sua época dourada nos anos 70. Mas a sua falta de pragmatismo e o seu caracter irrascível serviram também para cavar a sua sepultura. Hoeness, o homem que fez do Bayern Munchen una máquina desportiva perfeitamente afinada, entendeu que o clube precisava de alguém com perfil baixo para endireitar os problemas de disciplina e atitude do balneário. Alguém na velha escola de um dos seus mentores, Udo Lattek.

 

Lattek chegou em 1970 a Munique herdando uma equipa aperfeiçoada até ao mais minimo detalhe pelo histórico Branko Zebec.

Ao leme dos bávaros, então a viver a sua era dourada com Muller, Maier, Breitner, Schwarzenbeck e Beckenbauer no onze, o técnico aplicou uma boa dose de pragmatismo táctico ao futebol espectáculo que a equipa exibia com Zebec. Conseguiu o feito histórico de vencer três ligas consecutivas a que juntou uma Champions League, a primeira do clube. Era um técnico disciplinador, directo com os jogadores mas sem grande vontade de inovar tacticamente. Numa era em que o Monchengladbach (de Heynckes) brilhava, o Bayern vencia. Em 1975 o técnico foi despedido e mudou-se, precisamente, para o eterno rival dos encarnados onde venceu mais duas ligas e uma Taça UEFA. Depois de passar pelo Barcelona, sem grande sucesso, voltou ao Bayern Munchen já com o seu protegido Uli Hoeness (tinha sido ele quem lançara Hoeness na sua primeira passagem no clube) como directivo. Voltou a vencer três ligas consecutivas e acabou por sair em 1987, depois da derrota com o FC Porto na final da Champions League. E é aí onde entra Heynckes na história.

Jupp tinha sido jogador de Lattek na sua etapa com o Borussia e tinha-se tornado num dos seus mais ferventes discipulos. Quando o técnico abandonou os bávaros pela segunda vez recomendou Heynckes como o seu sucessor. Hoeness fez-lhe caso e contratou o jovem treinador que já tinha sucedido a Lattek no Borussia em 1979. Heynckes foi recebido com alguma suspicácia em Munique, que esperava um técnico mais flamante e motivador (o sonho dos adeptos era o então seleccionador alemão, Franz Beckenbauer) mas os titulos ganhos entre 87 e 91 tornaram o dianteiro numa figura respeitada. Mas nunca querida. Nem pelos jogadores nem pelos adeptos. A sua saída foi tão pouco contestada que muitos imaginavam que Heynckes dificilmente voltaria a treinar um clube de elite na Bundesliga. Mas enquanto o Bayern entrava na sua década mais desastrosa (muito por culpa de maus negócios do directivo Hoeness mais do que pela labor dos técnicos que se seguiram), o perfil tranquilo e calmo de Heynckes tornou-se popular. Em Espanha conheceu vários sucessos ao serviço de Athletic Bilbao, Tenerife e Real Madrid. A partir daí começaram os falhanços. Benfica, Schalke 04 e Monchengladbach foram erros de cálculo mas a sua associação com Rudi Voeller no Leverkusen deu-lhe de novo prestigio na Bundesliga. De tal forma que, quando Jurgen Klinsmann - o técnico popular e flamante dos adeptos - foi abruptamente despedido em 2009, foi a Heynckes que Hoeness recorreu para acabar a liga.

 

 

 

Ao técnico não lhe ofereceram a renovação, apesar de ter logrado a classificação para a Champions League que permitira ao seu sucessor, Louis van Gaal, chegar à final de Madrid um ano depois. Dois anos depois as portas do Allianz Arena voltam a abrir-se para o homem cinzento, o técnico que poucos directivos gostam de contratar mas a quem muitos se encomendam em horas de aperto. De Jupp Heynckes ninguém espera futebol de ataque, jogadores jovens a estrearem-se com a camisola vermelha ou conferências de imprensa polémicas. Mas a sua eficácia em Munique é tal que dificilmente Uli Hoeness não se imagina já no próximo ano a festejar mais um titulo no seu longo mandato directivo. Que começou, precisamente, no ano em que Jupp trocou a bola pelo caderno de notas. E acinzentou um pouco mais o futebol germânico.



Miguel Lourenço Pereira às 10:23 | link do post | comentar

5 comentários:
De Vitor Hugo a 28 de Março de 2011 às 11:10
É bem verdade, Miguel, o Sr. Heynckes é um pouco cinzento. :)
Mas que bom seria, digo eu, se Portugal tivesse muitos profissionais com esse pragmatismo (nome, por vezes dado, depreciativamente, à... inteligência).
Basta olhar para o futebol das equipas de Mourinho, por exemplo.

Continuação de bom trabalho!


De Miguel Lourenço Pereira a 28 de Março de 2011 às 12:22
Viva Vitor Hugo,

Em países como a Alemanha ser cinzento é tudo menos um problema. Em Portugal, e nos paises de tradição latina, pensa-se que um treinador tem de ser a) como um adepto (versão Jesus) b) como um professor universitário (versão queiroz) ou c) antigo jogador que continua a comportar-se como tal (pacheco, inácio, ...).

Heynckes foi um bom jogador, um goleador certeiro que viveu à sombra do sucesso do Muller na selecção e do Netzer no Borussia. Mas evoluiu tacticamente com o Lattek e tornou-se num treinador muito pragmático e inteligente e a forma como levou o Real Madrid (talvez a pior equipa campeã europeia da história dos merengues e dos anos 90) ao titulo em 98 diz muito do seu estilo. O Leverkusen não joga como o Dortmund, mas é um clube pequeno que há dois anos tem estado mais regular do que grandes como Bayern, Sttutgart, Hamburg, Schalke 04 ou Werder Bremen.

Um grande abraço


De filomeno a 30 de Junho de 2012 às 13:41
El Bayern Munich.....¿El club preferido de Henry Kissinger?


De espanhol a 17 de Janeiro de 2013 às 10:20
Heynckes, Gentleman del Fútbol Mundial....


De espanhol a 24 de Abril de 2013 às 01:38
Bayern Munich 4; Atlético de Madrid 0 (año 1974)


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO