Quinta-feira, 24 de Março de 2011

Quando em 1965 os Beatles apresentaram ao mundo o album Revolver, a história da música moderna nunca mais voltou a ser o mesma. O conjunto de Liverpool tinha encontrado a sua alma e depois de vários albuns que soavam ao mesmo que se podia ouvir em qualquer sitio arrancaram para uma série de trabalhos inovadores e originais. Até ao fim. O seu nome ficou para a posteridade. Os das (muitas) restantes bandas não. Ao saber reciclar-se e inovar, os Beatles entenderam como se contorna a neurose da vitória, uma doença que abala fortemente o mundo do futebol. Os projectos desportivos têm vida curta e não sabem como encontrar a sua alma. Apagam e começam do zero. E a neurose vence. E a imortalidade vai-se.

 

 

 

O grande Ajax dos anos 70, aquele que deu azo ao conceito de Futebol Total, nasceu numa tarde fria de 1966. Dezembro para ser mais preciso.

O então modestissimo clube holandês, profissionalizado há um par de anos, derrotou o Liverpool inglês por 5-1. Com quatro golos na primeira parte. O público não conseguia acreditar. Bill Shankly também não. A equipa foi eliminada pelo modesto Dukla de Praga na eliminatória seguinte. E só três anos depois chegaria à sua primeira final (perdida por 4-1 ante o AC Milan). E só cinco venceria a primeira de três consecutivas. Durante esse periodo Rinus Michels, que herdou a mentalidade ofensiva de Vic Buckingham e uma fornada de jogadores maravilhosos capitaneados por Johan Cruyff, foi-se reinventando. Uns anos foi a defesa, outros o ataque, até que chegou ao conceito Total. Um projecto que tardou cinco anos até funcionar a todos os niveis. Uma eternidade para o futebol de hoje que, como todos, quer tudo já. O imediatismo tomou conta da sociedade e transformou o desporto num paciente neurótico crónico. Vencer deixou de ser o consagrar de uma ideologia, de uma escola, de um grupo. Passou a ser uma verdadeira neurose médica.

Como aquele conjunto ajaccied, também o Liverpool de Shankly começou a desenhar-se na Second Division, quando o escocês chegou e impôs o seu método e abriu passo ao Boot Room. Daria ao clube de Merseyside 20 anos de glória, mas Shankly nunca venceu uma Taça dos Campeões Europeus. Tratou, simplesmente, de preparar o caminho. Hoje a nenhum técnico lhe é permitido tanto. Os clubes, salvo raras excepções, pensam que a vitória é a única justificação. Esquecem-se de que há três ou quatro provas a disputar e muitos que as disputam. Os vencedores são a excepção, não a norma. E nunca poderá haver mais excepções do que normas. Pena ninguém se dar conta.

O Real Madrid era o clube de moda nos anos 50 quando a televisão resgatou o futebol do mundo da rádio. As gerações de então cresceram a admirar os "merengues" e clubes de moda nos anos 70 como Leeds e Monchenlagbach, mudaram o equipamento para o branco impoluto para reencarnar o espirito do clube de Madrid. Mas hoje o histórico vencedor de 9 Champions League vive num estado frenético e catatónico de dificil cura. A cada ano que passa sem titulos a histeria toma controlo da Castellana. O Real Madrid não aprendeu nunca a perder. Não aprendeu nunca a ter paciência. A confiar no tempo. Treinadores, presidentes, jogadores vão-se sucedendo em catadupa sem deixar uma marca de futuro impressa. Milhões e milhões de euros depois, os directivos do clube branco esquecem-se do mais importante: que só pode ganhar um e nunca é o mesmo quem ganha. Alguns, simplesmente, vivem num planeta à parte.

 

Se o Real Madrid é a epitome do futebol actual, desesperado pelo agora, incapaz de pensar no amanhã, o Barcelona tornou-se no exemplo perfeito da excepção. Do clube que ultrapassou a sua neurose pela vitória. E que assim conseguiu, finalmente, começar a ganhar. Olhar para o palmarés do Barça até 1990 dá pena. Pequeno demais para um clube tão importante. O vitimismo catalão criou amigos em todo o Mundo e dessa solidariedade social viveram os blaugranas até chegar Cruyff. O holandês soube unir o que de melhor tinha a escola holandesa (o pressing, o futebol de toque, as transições) e a escola catalã (a raça, o querer) e moldou a primeira equipa da cidade Condal a ter um sucesso real. Mas precisou de anos de derrotas para lá chegar. O Pep Team começou a moldar-se com a primeira derrota de Cruyff no banco do Barcelona. Ou, se quisermos, entre a tristeza da final perdida de Sevilla contra o Steaua (o vitimismo blaugrana no seu melhor) e aquela tarde de glória do Ajax em 1966. Os processos maduraram, a vicória deixou de ser tão importante. E o tempo ganhou o seu espaço. Hoje o Barcelona, mais do que um projecto consolidado, é um projecto filho de outros projectos consolidados. Preparado para perder, sabendo como ganhar. Todo o contrário do seu eterno rival que nunca soube lidar com a neurose da vitória.

Se o Barça é a excepção (como o Arsenal de Wenger ou o Manchester de Ferguson), a regra continua a ser a monotona postura das direcções que acreditam constantemente no começar do zero. O Sporting de Braga, a viver a sua era dourada, ameaça cair nesse erro deixando sair Domingos Paciência, um técnico que aproveitou a boa onda do projecto desportivo do clube (bem gerido desde a chegada de Salvador) para levá-lo a outro patamar. Recomeçar do nada apenas porque o sucesso interno não se reproduziu é o maior erro que pode cometer o conjunto bracarense. O Braga deve entender que o resultado de 2010 é a excepção. Para tornar-se norma tem de se tornar excepção mais vezes. E para ser excepção tem de haver anos onde a norma se imponha. Mais claro impossível. 

O Benfica, por outro lado, tem uma oportunidade de ouro de seguir um modelo que nunca funcionou na Luz, outro clube nervoso, como o Real Madrid, que lida mal com as derrotas mas pior com as vitórias. Quando a depressão da derrota é substituida pela euforia das vitórias, e dos titulos, o clube perde o norte. E esquece-se da realidade em que convive. Deixar partir Jesus, por muito polémico que o técnico possa ser, será sempre um erro porque o amadorense tem a vantagem de ter o tempo do seu lado para moldar um projecto de longo prazo. Mas para isso os adeptos e directivos têm de aprender a lidar tanto com o medo de perder como com a neurose de ganhar. Nenhum clube vence tudo todos os anos por muita demagogia que imprensa, directivos e equipas técnicas tentem vender. Quando superarem essa fobia, estarão no caminho certo, o mesmo que percorre o FC Porto há largos anos. O clube das Antas escolheu o presidente como figura central, em lugar do técnico, mas aprendeu a conviver com as vitórias. Talvez por isso nos anos em que elas, com naturalidade, não aparecem, nunca há tanto drama nem guerra civil entre os seus. Apenas a compreensão de que os ciclos são feitos de altos e baixos e não de circulos perfeitos. Uma licção que mais ninguém em Portugal parece ter aprendido e que será fundamental para que o futebol português possa crescer.

 

 

 

Olhar para os projectos falhados de Real Madrid, SL Benfica, SC Braga, ou qualquer outro clube contemporâneo, é como seguir uma das muitas bandas que, desde os anos 60, se repetem nas listas de vendas. Um êxito pontual, aqui e ali, e muitos singles atirados directamente para o esquecimento. A norma diz-nos que assim será sempre. Os Beatles tornaram-se únicos porque souberam ser iguais a si próprios e mesmo nos momentos de maior fracasso pareceram estar no controlo da situação. Yellow Submarine não está à altura de Revolver, mas abriu passo a Sg Peppers Lonely Hearts Club Band ou The Beatles, as suas obras-primas. Da mesma forma que o Barcelona de Antic, por exemplo, é um oásis num projecto que conta com Cruyff, Robson, van Gaal, Rijkaard e Guardiola no seu best of. Bandas históricas, como clubes com projectos de futuro, sempre souberam lidar com a neurose da vitória. Eles são a excepção. Será que algum dia poderão tornar-se na norma?



Miguel Lourenço Pereira às 16:27 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO