Terça-feira, 1 de Março de 2011

Num país onde um partido centro-direita se manteve no poder durante mais de 40 anos, ser de esquerda era mais do que uma opção. Era uma forma de protesto. O Calcio é, também nisso, um dos melhores espelhos da sociedade italiana. Se a maioria dos clubes é apoiado por Ultrás que formam a ala mais violenta da extrema direita italiana, há um eixo que continua a defender o velho ideal da Itália comunista dos anos 40. Entre Perugia e Livorno a distância não é de quilómetros. É de fé num ideal...

 

 

 

O histórico Partido Comunista italiano nasceu numa casal pequena junto ao porto da cidade toscana de Livorno.

1921 era uma data complicada na pouco ortodoxa vida social italiana e com a ascensão dos "camisas negras" de Mussolini ser comunista era um problema sério. A não ser que se fosse de Livorno. Numa cidade quase "exclusivamente" vermelha não havia o risco de denúncias, perseguições e sustos. A cidade era um bloco sólido de resistência e daí surgiram os grandes lideres que espalharam a mensagem que chegava da longínqua URSS pelo resto do país. Em Perugia, um centro industrial no coração da bota - a igual distância de Roma e Florença - a mensagem chegou e ficou. Durante o cem anos seguintes um espírito de irmandade uniria forçosamente os destinos de ambas as cidades. E foi o futebol, inevitavelmente, que reforçou ainda mais esse casamento ideológico.

O futebol italiano é provavelmente um caso único na Europa ocidental. Em nenhum outro país o que passa no mundo futebolístico encontra paralelos tão significativos com o resto da sociedade. Com a politica, com a economia, com a religião, com os media. A Itália do pós-guerra não caiu em mãos comunistas depois de uma ágil manobra americana. Mas os 40 anos de governo democrata-cristão apenas serviu para deixar claro que os italianos são um povo de extremos. Se o governo estava ao centro, a luta no futebol fazia-se entre a extrema direita e a extrema esquerda. A primeira, mais popular ao Norte e no coração do Lácio, deu origem aos grupos Ultrá, as claques organizadas que transformaram o futebol italiano num campo de batalha e fizeram escola no resto da Europa a partir dos anos 70. Os Ultrá, habitualmente organizações com apoios económicos de grupos da extrema direita neofascista transformaram-se no cancro do Calcio e deram a várias clubes um cunho profundamente ideológico. As saudações fascistas dos adeptos da Lazio, os gritos racistas dos adeptos do Hellas Verona, Bologna ou da Fiorentina e os actos destrutivos dos adeptos neruazurris do Internazionale transformaram o inocente futebol italiano num campo de morte e destruição. Do outro lado, a esquerda italiana procurou distanciar-se do fenómeno, mas houve sectores que aceitaram o desafio. Os gritos de revolta da Roma de Pasolini, o punho levantado de Sollier e a raiva de Lucarelli. Os dois últimos redefiniram em trinta anos o comunismo futebolístico italiano.

 

As Brigada Autonomi Livornese são conhecidas por seguir o seu clube, o Livorno, até ao inferno. Ou pelo menos até à Sardenha.

Um quente domingo, dia de jogo da Serie A no Outono de 2003, três carros desceram toda a Itália, atravessaram o estreito de Messina e chegaram até Palermo (2000 mil kms) para apoiar a sua equipa. Viajaram de carro apenas com uma tarja que dizia "BAL - Libertá livornese" e nem os deixaram entrar no estádio. Os BAL - fundados em 1999 como claque de extrema-esquerda tenazmente violenta - representam  o lado mais esquerdista do futebol italiano. Admiradores de Josef Stalin - inauguraram uma estatua ao ditador russo à porta da sua sede - este grupo de ultrás encontrou sempre apoio na sociedade livornesa. E a eles pertence ainda hoje um fiel seguidor dos ensinamentos do partido. Christian Lucarelli, filho de um estivador livornês, desde sempre soube que ali o clube, a cidade e o partido formavam parte de uma mesma entidade colectiva e proletária. Lucarelli cresceu em Shangai, um bairro proletário construido pelas autoridades fascistas nos anos 30, com a vontade de saltar ao relvado do seu clube de infância. Mas demorou até cumprir o seu sonho. Jogou em vários clubes de segunda linha, envolveu-se em problemas com a Federazione depois de celebrar o seu primeiro golo com os sub-21 (num jogo em Livorno) exibindo uma camisola de Che Guevarra e depois de vários anos lá conseguiu estrear-se pelo seu Livorno. Pagando do seu próprio bolso a carta de liberdade. Uns mil milhões de liras que deu titulo a um livro escrito pelo seu próprio agente que se tornou um best-seller local. Quando chegou, desatou a euforia dos adeptos, levou o clube da Serie B à Seria A (conseguindo na segunda época chegar aos postos europeus e sempre com o 99, ano da fundação dos BAL, às costas) e a cada golo celebrava com o punho fechado no alto lembrando outros tempos. Na sua etapa prévia tinha passado por Perugia. Não deixou grandes recordações como goleador, mas o seu espírito fez reviver os fantasmas de outra era, onde a cidade úmbrica era outra "Livorno" no meio de Itália.

Durante os anos 70 a cidade albergou outro dos grandes futebolistas ideólogos da esquerda italiana. Paolo Sollier, defesa central duro e implacável, entrava em campo com um livro na mão e um punho no ar, que erguia repetidas vezes quando a equipa marcava. A sua camisola vermelha e calções brancos - tão similar ao equipamento do Livorno - lembrava também o traje da URSS que idolatrava profundamente. Durante largos anos foi o símbolo da resistência numa era onde o espírito neofascista dos jogadores italianos - particularmente os da AS Lazio que andavam sempre armados e preparados para começar uma discussão - começava a conquistar adeptos em todo o país. Sollier, como Lucarelli, nunca foi um grande jogador. Mas era um símbolo respeitado e odiado em iguais partes. Falava antes e depois dos jogos com soltura, questionava decisões politicas e era um dos grandes defensores do movimento sindicalista dos jogadores que começava, só então, a ganhar forma. Anos depois Lucarelli tornou-se o espelho do jogador da contra-revolução, pronto a abdicar do dinheiro, da fama, das mulheres e dos carros para cumprir um sonho: jogar no clube que para ele exemplifica um estado de alma.

 

 

 

Perugia e Livorno passaram por momentos complicados na sua história. Os primeiros até viram o filho de Kadhafi jogar durante 45 minutos depois do ditador ter comprado acções do clube (tal como sucederia depois com a Juventus) e envolveram-se em polémicas sem fim depois do trabalho auto-destrutivo do presidente Luciano Gaucci. O Livorno nunca teve o dinheiro necessário para combater e elite e passou a sua história subindo e descendo de divisão com a naturalidade de quem encara o jogo como um processo revolucionário em constante movimento. Num país onde Berlusconi dita a lei, o futebol pauta o ritmo. O primeiro-ministro usou o jogo - e o sucesso do seu AC Milan - para se dar a conhecer ao país. Não foi uma novidade já que durante largos anos a direita italiana aproveitou-se do fenómeno popular para criar verdadeiros pequenos-estados ideológicos que utilizam a bola como pretexto para propagar a sua ideologia. No meio dessa luta, o eixo Perugia-Livorno continua vivo. Como o outro lado do espelho, aquele que entende que o futebol, em Itália, e como tudo, é mais um palco de batalha entre os dois extremos de uma luta sem fim como o final de 1900, esse filme tão profundamente italiano e futebolistico (apesar do futebol primar pela sua ausência) de Bertolucci. Mas isso é outra história...



Miguel Lourenço Pereira às 20:27 | link do post | comentar

2 comentários:
De hmocc a 2 de Março de 2011 às 10:58
Caro Miguel, eu tinha a impressão que Bologna era uma cidade maioritariamente de esquerda, muito por via da sua famosa universidade. Fico muito surpreendido ao ver o clube (Bologna) associado a fenomenos de extrema direita.

Abraços


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Março de 2011 às 11:06
Hugo,

A origem do Bologna neo-fascista vem dos anos 20 quando o presidente do clube era também um dos braços-direito de Mussolini. Assim o clube conseguiu ganhar alguns trofeus, principalmente frente ao Genoa - o grande de então - e ficou com uma péssima fama junto do grande público.

A maioria dos clubes italianos têm movimentos Ultrá de extrema direita mesmo que o clube em si, ou até a cidade, não o sejam. É o mecanismo perfeito para esses grupos actuarem protegidos por instituições locais fortes. Bologna e Firenze são cidades liberais, nada extremistas, mas os seus Ultrá são temiveis. A Roma tem grupos de extrema direita (menos que a Lazio) mas o presidente da camara de Roma durante muitos anos era de esquerda e um fanático da Roma.

Em Itália o futebol é muito mais politico que em qualquer outro país da Europa.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO