Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011

Quatro equipas na fase a eliminar da Europe League. Quatro equipas com legitimas aspirações a seguir em frente. Mas também, quatro equipas que sentem na pele cada vez mais a diferença entre a sonolenta Liga Sagres e o ritmo competitivo no resto da Europa. Os resultados foram melhores que as exibições e o ritmo de jogo deixou a nú, uma vez mais, as gritantes debilidades do futebol português.

 

 

 

Sem equipas na fase final da Champions League (pela primeira vez desde 2003), o futebol português encontrou na Europe League o escaparate perfeito para salvar a imagem no estrangeiro e, inevitavelmente, para coleccionar pontos no ranking UEFA. Cercado por russos, ucranianos, romenos e holandeses, os portugueses sabem que cada resultado é chave para decidir os futuros milhões que podem (ou não) entrar nos cofres dos primeiros três classificados da prova nos próximos anos. Mas o que fica claro, depois da primeira mão destes 16 avos de final da segunda prova da UEFA, é que as equipas portugueses têm um longo caminho a precorrer se querem, realmente, sentir-se parte da elite.

O problema deste futebol luso não são tanto os resultados. É a qualidade de jogo. Uma inevitável diferença com o resto da Europa que só ganha forma quando as equipas são forçadas a sair desse casulo que é a Liga Sagres. O mesmo que permite dar uma imagem de uma equipa imbatida (FC Porto) ou de uma equipa que, segundo o seu treinador, "mete medo" (SL Benfica) e que não se vê no relvado quando o rival do outro lado está habituado a outras rotinas, outros ritmos, outra postura.

Se ao Sporting de Braga, destroçado pelas vendas no mercado de Inverno, há pouco que apontar na sua excursão polaca - uma equipa em pausa de Inverno e a jogar num estádio sem o minimo de condições - aos "três grandes" fica claro que a exigência europeia deixou a nu as principais debilidades de cada quadro. O Lech Poznan de Jose Maria Bakero já tinha deixado uma óptima imagem na fase de grupos (vergou a Juventus e aguentou o ritmo do Manchester City) e aproveitou bem o efeito casa para colocar-se em frente da eliminatória. E o Braga é, sabe-se, uma equipa em processo de reconstrução apressado e com muitas dificuldades em lidar com a presença em duas competições ao mais alto nivel a esta altura do ano. A tipica "malaise" das equipas médias lusas que é já um mal crónico e sem solução à vista. Enquanto a Liga Sagres for um poço não-competitivo, os jogadores dos clubes portugueses nunca estarão preparados para dar o seu melhor duas vezes à semana durante largos meses de um ano. Portugal é, assim mesmo, uma quadratura de circulo.

 

Mas se os bracarenses são, apesar de tudo, uma equipa pouco habituada a estas andanças, o mesmo não se pode dizer dos "grandes".

Mais do que os bons resultados logrados (particularmente a vitória fora de portas do FC Porto), ficou claro que em nenhum dos jogos houve superioridade. A Europe League desta época é, provavelmente, a edição mais equilibrada dos últimos anos com as equipas que chegam da Champions League a perder protagonismo face àquelas que já arrancaram a prova na fase de grupos. Villareal, Napoles, PSG, Liverpool, Manchester City, Zenit St. Petersburg, CSKA Moskva, Lille ou Dynamo Kiev - quase todos eles em posições cimeiras nas suas ligas domésticas - são perfeitos exemplos dessa realidade. E são, todos elas, equipas que jogam em alta rotação, num ritmo competitivo forte e onde o espaço para os erros é minimo. Nenhuma delas se cruzou, de momento, com as equipas lusas, mas os duelos prometidos para a próxima ronda deixam antever dificuldades suplementares. Porque contra adversários do mesmo nivel (ou teoricamente inferiores), nenhum dos três conjuntos portugueses se soube impor.

O SL Benfica entrou mais assustado do que com vontade de "dar medo" ao modesto Sttugart, que luta verdadeiramente para não ser despromovido na Bundesliga (onde não é inédito que um campeão recente caía de divisão). E sofreu para dar a volta ao marcador. Um golo sofrido nestas condições é um perigo e os encarnados têm um mau historial com equipas alemãs, sempre mais fortes mentalmente por muito que sejam tecnicamente inferiores. O Stuttgart não é um colosso europeu. Mas nem o era o Schalke 04, nem o era o Hapoel Tel-Aviv e a nenhum dos três conjuntos soube o Benfica impor a sua lei. Domesticamente os números da equipa de Jorge Jesus são impressionantes, desde a humilhação sofrida no Dragão. Mas nesse reino doméstico, onde tudo parece fácil, onde os rivais existem mas não ripostam, cria-se uma ilusão falsa de superioridade moral que no relvado se desploma. Este Benfica sabe que tem de subir uns degraus mentais e competitivos para manter um ritmo adequado aos palcos europeus.

Uma rotina que tem, desde há muito, o FC Porto. E no entanto, o clube português com maior sucesso na Europa nas últimas três décadas paga o mesmo preço que o seu eterno rival. Um grupo de apuramento acessivel e uma série de jogos domésticos imbatido criou a ilusão de superioridade nos azuis e brancos. O Sevilla, o mais forte dos rivais das equipas lusas nesta ronda, vive talvez a sua pior época em mais de meia década. E no entanto soube, mais do que uma vez, encostar os dragões às cordas. Valeu o desacerto defensivo hispanelense, a eficácia dos azuis e brancos e um pouco desse ADN europeu que o Dragão não esqueceu. Mas o jogo do FC Porto, que em Portugal se assemelha a uma ópera, na Europa perde brilho. Passes falhados infantilmente, erros defensivos, planteis curtos e muito individualismo à mistura são marcas transversais às equipas lusas e que podem significar um preço alto de mais a pagar na Europa.

O Sporting sabe-o bem. É uma equipa que nos palcos europeus nunca conseguiu, nem nos seus melhores momentos, sacar bons resultados. Espelho evidente do próprio desconcerto interno que sempre pautou a história leonina. Um empate em Glasgow é um bom resultado. Uma exibição sofrivel frente a um Rangers que vive a mesma realidade dos clubes portugueses - liga fraca, sem concorrência real - deixa a nú a inoperância do futebol luso mesmo quando defronta um "igual".

 

 

 

É expectável que o grosso, senão mesmo a totalidade, do contingente luso siga em frente. Mais dificil é imaginar que consigam ultrapassar os rivais seguintes, clubes já de outro patamar, de outras ligas mais habituadas a lidar com rivais de alto nivel competitivo, com outra disciplina táctica e com dinheiro suficiente para contratar jogadores de perfil mais elevado. Um clube português pode vencer uma competição europeia? Claro que sim. O FC Porto demonstrou-o em 2003 como se fazia. Mas dois anos depois o Sporting provou também que nem com tudo a favor o ritmo mental dos clubes lusos se sente cómodo nos grandes palcos europeus. Com o crescimento das ligas do leste europeu (Russia, Ucrania, Roménia, Turquia), muitas vezes a golpe de livros de cheques, transformando em titulos (exceptuando a Roménia, os três paises venceram na última década, pelo menos 1 titulo europeu) o investimento realizado, cada vez mais fica a nu a fragilidade desportiva e económica de uma liga histórica que vive fechada em si mesma e que muitas vezes não percebe que quando atravessa a fronteira entra num Mundo onde tudo sucede duas vezes mais depressa.



Miguel Lourenço Pereira às 08:55 | link do post | comentar

4 comentários:
De Pedro Serra a 19 de Fevereiro de 2011 às 21:00
Acho que não tiveste em conta a vitória do Sporting na Taça das Taças de 1963/64, que não foi particularmente fácil, tirando a eliminatória com o Apoel. Por outro lado, isso aconteceu há já quase 50 anos...


De Miguel Lourenço Pereira a 19 de Fevereiro de 2011 às 23:32
Pedro,

Tens razão, foi uma campanha épica, particularmente no duelo com o favoritissimo Man Utd, mas precisamente por ter sido há tanto tempo e porque depois, em 48 anos só ter tido duas campanhas de nivel (Taça UEFA a principio dos 90 e a final perdida de 2005) parece-me manifestamente pouco para um clube que até há 10 anos ainda era oficialmente o 2nd grande em titulos em Portugal.

um abraço


De zzeluis a 21 de Fevereiro de 2011 às 18:14
Muito bom e acertado comentário, Miguel, a que só agora pude aceder.

Porém, o Sporting já venceu o Lille duas vezes e a equipa francesa, francamente, não tem nível algum, apesar de liderar a Ligue 1 o que também diz bem da valia do campeonato do Hexágono.

Quanto ao FC Porto, é verdade que sofre fisicamente, não tem uma equipa robusta e de choque muito menos. Mas não é pera doce defrontar o Sevilha que jpogava a época no seu estádio e usou o que ´
e típico das rondas europeias a eliminar com muita presão e bastante agressividade quase a roçar a ilegalidade mas perfeitamente legítima. Contudo, o pedigree portista ainda vale alguma coisa na Europa e marca a diferença. A este Sevilha o Braga, mesmo o do início da época, não eliminava...

Abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 21 de Fevereiro de 2011 às 19:20
Viva Zé,

O pedigree do FCP vale e muito e não é por acaso que é o Porto, e não o Benfica ou o Sporting, que tão aparece colocado nas casas de apostas para ganhar a EL. A este Porto falta-lhe muito musculo mas mais cabeça (a sair com a bola jogada) e uma referencia no ataque que não pode ser Hulk. Ganhar em Sevilla é sempre um optimo resultado, mesmo com sorte, porque nestes jogos, já o R. Madrid o viu, os espanhóis são temiveis. O Braga, a este Sevilla, nem um metia provavelmente.

Quanto ao Sporting, é um fantasma futebolistico e venceu o Lille bem numa versão muito fraquinha de uma equipa que vale mais pelos individuos do que pelo colectivo. Podiam repetir o duelo nos 8s e aí acredito mais nos franceses. O Sporting não tem mente para jogos a eliminar.

E o teu Liverpool, a pouco e pouco, a recuperar a identidade, mas um jogo muito cinzento em Praga.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO