Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

Ontem, pela primeira vez na sua curta e bem sucedida carreira, Guardiola deu a sensação de sentir uma brisa de medo a passear diante de si no relvado do Emirates Stadium. E entregou o jogo e talvez a eliminatória a uma equipa que estava amorfa e que se manteve de pé, estoicamente, graças ao génio e esforço de Jack Whilshire. O médio foi a grande diferença do Arsenal do ano passado para este, uma equipa sem medo de faltar ao respeito ao icónico Barça.

 

 

 

Talvez não seja casualidade que Pep Guardiola ainda não saiba o que é ganhar um jogo a eliminar da Champions League fora de casa.

Aqueles que sugerem que o técnico catalão, apesar de funcionar perfeitamente no seu clube do coração, teria dificuldade em trabalhar noutros cenários, têm aqui um argumento a seu favor. E já lá vão sete jogos (Lyon, Munique, Londres por três vezes e Milão) O mesmo se pode dizer do genial Leo Messi que, pela sexta vez saiu de Inglaterra sem marcar um golo. O ano passado compensou-o com a notável performance em Camp Nou. E é a isso que os blaugrana sempre se agarram. O seu feudo intransponível, onde ninguém praticamente consegue marcar mais do que um só golo, tem garantido o estatuto de favorito ao campeão espanhol. Mas a sua fragilidade fora de casa ficou, uma vez mais, a nu. E, pela primeira vez, também as opções do seu mentor.

Guardiola decidiu o jogo no momento em que retirou David Villa - autor do único golo e um dos mais lutadores no ataque - e lançou Seydou Keita para fechar o miolo e aprofundar ainda o mais o jogo de toque curto na linha média. Até esse momento a equipa catalã tinha sido, sem dúvida, a melhor sobre o terreno. Depois de um arranque fulminante do Arsenal, avisado pela meia-hora inicial do duelo do ano transacto (talvez a melhor primeira hora da história do futebol), o Barcelona tomou conta do jogo e começou a predicar a sua filosofia: passa e dá, passa e dá, passa e dá, rondo, rondo, rondo...até à exaustão alheia.

A defesa do Arsenal, claramente o seu sector mais débil, procurou jogar adiantada, criando um vácuo entre a bola e o jovem polaco Scezseny, uma das grandes promessas de Ilsington. Espaço aproveitado por três vezes pelo ataque blaugrana. Messi falhou duas vezes, Villa não perdoou. Só a labor de Jack Whilshire - 19 anos, para quem se esqueça - tapava os buracos deixados por um Cesc Fabregas apático e um Alexander Song de cabeça perdida. No ataque, depois dos raios iniciais, nem Nasri nem Walcott encontravam espaços para combinar com van Persie. O jogo era mais lento, mais pausado, mais aborrecido do que o ano transacto. Mas isso ao Barça preocupava pouco, jogava com o seu ritmo.

 

E depois veio o medo, ou pelo menos o mais parecido a isso que se viu sair da mente do Seny catalão.

Trocar o 4-4-3 ofensivo por um mais defensivo, com Iniesta escorado a um flanco (no outro andou, sempre desaparecido, Pedro) e Messi a vir buscar a bola aos pés de Xavi na linha de meio-campo, deu ar a um Arsenal agónico. O francês Wenger - até então tão apático como o seu capitão no terreno de jogo - lançou Arshavin e Bendtner para alargar o campo e a jogada surtiu efeito.

Se até então o Barcelona tinha procurado as laterais para desatascar o jogo central onde Whilshire, quase só, aguentava com Xavi e Iniesta, o Arsenal procurou precisamente o mesmo espaço para fazer a diferença. Clichy - apagadíssimo como sempre - encontrou van Persie que disparou sem hipóteses para um Valdés incapaz de imaginar que o genial holandês encontraria o buraco da agulha. Poucos minutos depois foi a vez de Fabregas encontrar Nasri que soube esperar e iludir a defesa blaugrana, entregando a bola para um Arshavin em movimento de apoio que não hesitou em bombardear para o 2-1. Uma reviravolta inesperada mas que honrava à única equipa que procurou atacar na segunda parte. O Barcelona preferiu gastar menos oxigénio e segurar o resultado e perdeu o norte. Messi, numa das suas noites mais desastradas, nunca conseguiu fazer a diferença e nem Maxwell nem Alves tiveram arte para abrir o campo e encontrar espaços na defesa gunner.

No entanto, a diferença, chamou-se Whilshire. O jovem internacional inglês o ano passado estava em Bolton, a madurar. Este ano apresentou a face do Arsenal que há muito não se via. Olhou nos olhos de Xavi e não lhe mostrou o respeito serviçal que o génio de Terrasa encontra. Deparou-se com o génio de Iniesta e soube como travá-lo com movimentos simples. E, no meio de tudo, soube encontrar forças para apoiar as rápidas transições ofensivas de Nasri, Walcott e Arshavin. Foi um verdadeiro pulmão no miolo e uma botija de oxigénio moral para um clube que se empequenecia sempre que o destino o fazia defrontar a sua particular nemésis europeia. Depois de seis jogos (2000, 2006, 2010), finalmente uma vitória. Uma vitória de Pirro, se os gunners não souberem repetir, pelo menos, a mesma atitude da meia hora final no dia 8 de Março. O golo de Villa pode valer ouro e é nesse tipo de situações que os blaugrana se sentem realmente cómodos.

 

 

 

Com Fabregas a pensar, provavelmente, no seu futuro em Can Barça, o futuro do Arsenal pareceu mais risonho do que nunca. Whilshire está preparado para recolher o testemunho (como fez o catalão com Henry há quatro anos) e pautar o ritmo do futuro projecto de Wenger, agora sem tantas restrições financeiras para trabalhar o mercado. Uma equipa extremamente jovem (23 anos de média) e com uma garra inaudita (terreno até hoje reservado, em Inglaterra, a Chelsea e Man Utd), este Arsenal pode sonhar com legitimidade. Mas sabe que vai mergulhar numa cova de leões de uma equipa celestial que se sente bem melhor quando está acompanhada pelo seu coro de querubins nesse santuário divino que se chama Camp Nou



Miguel Lourenço Pereira às 11:28 | link do post | comentar

2 comentários:
De Pudget a 17 de Fevereiro de 2011 às 14:19
"Aqueles que sugerem que o técnico catalão, apesar de funcionar perfeitamente no seu clube do coração, teria dificuldade em trabalhar noutros cenários, têm aqui um argumento a seu favor. " Eu sou um deles!!!!

Apenas 3 recortes pessoais:

1) Valdez pagou pela arrogância no 1º golo do Arsenal. A soberba faz isto a quem julga que vive numa atmosfera de Olimpo.

2) Não vi esse Wilshere que é tanto apregoado neste post, mas de qualquer forma vi um grande jogador com uma disposição incrível aos 19 anos;

3) Fabregas não esteve mal, mas está com a cabeça fora do sítio porque é um jogo de paixões e as duas estavam em campo.

www.contingentetuga.blogspot.com


De Miguel Lourenço Pereira a 17 de Fevereiro de 2011 às 14:58
Olá Pudget,

Naturalmente que o Pep vive no emprego perfeito de um clube que domina à perfeição e onde é deus e senhor e essa situação só se consegue quando se é um simbolo local (como estamos a ver com o Dalglish, por exemplo).

Quanto aos teus pontos, tens razão no caso do Valdés (o remate é genial mas o VV é dos jogadores do Barça mais arrogantes e isso nota-se demasiadas vezes), o Whilshere fez um jogo notável e tem uma margem de progressão imensa e o Cesc cresceu quando recuou no terreno de jogo mas nota-se que neste tipo de jogos está demasiado dividido para render a 100%!.

grande abraço

Miguel


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO