Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011

Milão é uma cidade cinzenta iluminada no Inverno pelo branco do cume dos Alpes e pela cor que os mais ousados estilistas pintam na sombra da sua célebre passarela. É uma cidade sem rasgo e com uma história de conflictos suficientes para explorar em largas sessões de psicanálise. Acima de tudo é, hoje em dia, uma cidade desencontrada. Como Gattuso. Como o AC Milan. Como o próprio Calcio.

 

 

 

Joe Jordan foi um dos primeiros jogadores britânicos a dar o salto à liga italiana. Nunca foi uma estrela,mas deixou uma grata recordação como profissional dedicado numa época em que a cidade de Milão estava longe de ser o centro do futebol italiano. Gennaro Gattuso é um simbolo do futebol italiano que poucos admiram e muitos não querem ver. A popular Frikipedia diz que o médio de 33 anos joga na posição de "assassino centro". Ontem, num jogo feio, sujo e violento, "Gattu" pareceu lembrar-se mais das suas origens, a agreste Calabria no sul de Itália, do que no prestigio internacional de um clube que pode ostentar mais titulos do que nenhum outro clube no Mundo, salvo o Real Madrid.

Mas este AC Milan há muitos anos que deixou de ser o clube de Rivera, Baresi, Maldini ou van Basten e passou a ser o clube de Gennaro Gattuso.

Uma realidade que tem vindo a ganhar força à medida que passam os anos e o clube perde as suas referências. Hoje dificilmente encontrarão algum jogador do plantel do clube milanês que se lembre de ver Jordan jogar como rossonero. E isso que foi algo que sucedeu há sensivelmente três décadas. A memória perde-se num clube entregue a si mesmo e sem um rumo certo.

Talvez a culpa nem seja de Gattuso, jogador que ontem, em pleno duelo europeu (ele que tem duas Champions League, 1 Mundial, 1 Intercontinental e uma Serie A, a única do clube na última década) contra o Tottenham Hotspurs, simplesmente foi igual a si mesmo. Foi o AC Milan que mudou. E drasticamente. Há 20 anos ocupava o lugar hoje exclusivo do Barcelona: a grande referência mundial. Em 2011 é apenas o lider de uma liga que não vence há sete anos e uma equipa de segunda linha europeia que, segundo a maioria dos analistas, teve a sorte do seu lado nas três finais europeias que disputou na última década (venceu duas).

 

Não é coincidência que o mesmo dia em que Gattuso perdeu a cabeça (outra vez), Silvio Berlusconi tenha visto a sua prender-se ao cadafalso (outra vez). O primeiro-ministro italiano é, ainda, a máxima referência do AC Milan. Foi ele que resgatou o clube das sombras, em meados dos anos 80, e foi ele que financiou o renascimento de um clube que tinha caído em segundo plano desportivo após a era dourada de Nereo Rocco. Mas à medida que a politica se tornou no palco central da vida de Berlusconi, o AC Milan foi perdendo gás e classe.

O homem que deu a Sacchi e Capello alguns dos melhores jogadores da história do futebol europeu, há muito que se esqueceu do clube, entregando-o ao seu braço direito, o servil Galliani, uma especie de Gattuso dos escritórios. Gente sem memória, sem classe e sem saber estar que tornaram os rossonero num bicho raro no futebol europeu deste século. O AC Milan até ganha (menos do que imaginamos) mas já não sabe como. Perdeu a estrutura que tinha e tentou prolongar até idades incompreensiveis a carreira dos seus últimos simbolos. Mesmo a chegada de Allegri, um técnico novo e com novas ideias sobre o jogo, perdeu força à medida que as incorporações foram dando ao clube a forma de um grupo instável, sem preparação e sem classe. Cassano, outro troublemaker profissional do Calcio, alia-se a Robinho e Ibrahimovic, jogadores pouco conhecidos pela sua graciosidade, num tridente ofensivo futebolisticamente atractivo mas institucionalmente desastroso. A carta branca dada a Gattuso e Ambrosini (particularmente quando não está, como ontem, Pirlo) faz o resto. O jogo com o Tottenham só foi mais um num longo historial de bocejos desportivos. Mesmo sendo lider da Serie A, ninguém reconhece esta equipa como uma potência futebolistica. E ninguém a respeita. Como a Gattuso. Como a Berlusconi. Como ao Calcio.

O futebol italiano viveu nos últimos anos momentos de glória, da vitória ao Mundial da Alemanha aos triunfos europeus dos dois clubes de Milão num espaço de quatro anos. E no entanto os estádio continuam vazios, os melhores jogadores continuam longe da "Bota", as arbitragens continuam sobre suspeita e a qualidade de jogo vai diminuindo à medida que os trequartistas e os fantasistas dão lugar ao músculo e à força. AC Milan, Napoli, AS Lazio e Inter - o quarteto da frente da liga - jogam todos de uma forma agressiva, dura até, e sem grande espaço para a criatividade. Vitórias in extremis, dois ou três talentos individuais escudados por exércitos pretorianos, é essa a dura realidade de um campeonato que vive tão de cabeça perdida como o capitão do AC Milan. Gattuso é o que é e o que sempre foi e como ele a história conta pelas centenas os bons jogadores que souberam ser, acima de tudo, destruidores. Mas não é Berlusconi, sabe reconhecer erros e pedir perdão. E também sabe, certamente, que a imagem que dá é a imagem que dá o seu clube e o seu país no mundo do futebol.

 

 

 

Um Tottenham esforçado, dinamico e veloz representa o que de melhor tem o futebol inglês. Um Milan desinspirado, violento e oportunista espelha tudo o que de mau se encontra no Calcio. A mão de Gattuso no pescoço de Jordan é a mão de Berlusconi no pescoço do povo italiano. E é a mão do Calcio no pescoço dos adeptos. Sem controlo, desorientados, sem saber como reagir, todos perdem a cabeça, soltam a mãos e mergulham nas páginas mais deprimentes da história de um país que não se pode compreender sem uma bola nos pés.



Miguel Lourenço Pereira às 11:07 | link do post | comentar

4 comentários:
De Joao a 17 de Fevereiro de 2011 às 15:50
fantástico o texto, muito bem conseguida esta analogia. Parabéns


De Miguel Lourenço Pereira a 17 de Fevereiro de 2011 às 16:06
Olá João,

Obrigado pela visita e pelas palavras.

um abraço


De carbonato de calcio a 14 de Março de 2011 às 12:33
Belo artigo! Parabéns pelo blog


De Miguel Lourenço Pereira a 14 de Março de 2011 às 14:00
Obrigado,

Pela visita e pelas palavras.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO