Sexta-feira, 31 de Dezembro de 2010

Ganhar é a palavra chave no mundo do desporto. Ganhar tudo é a imagem de marca de homens únicos, capazes de adaptar-se às diferentes circunstâncias e obstáculos que se lhe cruzam pelo caminho. Num ano de multiplos personagens, a figura de José Mourinho ergue-se por cima de qualquer outro. Com o Internazionale fez história. Com o Real Madrid procura repetir a fórmula de sucesso que o tornou, nos últimos oito anos, no mais importante técnico da década. O ano de 2010 foi seu, indiscutivelmente.

 

 

 

A derrota por 5-0, a maior da sua carreira, manchou ligeiramente o impecável sobretudo que já faz parte da história do beautiful game.

Mas naquele jogo em Barcelona, apesar dos erros individuais dos jogadores e do seu próprio planteamento, Mourinho foi tudo aquilo que não foi durante os restante 364 dias do ano. E só por isso perdeu. Sem espinhas.

Mas esse pequeno detalhe não deixa esquecer técnico português viveu o ano mais dourado da sua carreira desportiva. Mais até que ao serviço do FC Porto, onde ganhou tudo o que havia para ganhar e ganhou o direito a sentir-se um "Special One". Mais até do que no seu mandato em Stanford Bridge, onde revolucionou o binómio da Premier League, mas que acabou por ficar sem a consagração no espectro europeu que lhe ofereceu a sua estância lombarda. Em Milão Mourinho repetiu o que logrou em Portugal e Inglaterra. Vencer, vencer e vencer. Tudo o que havia para ganhar. Depois de um primeiro ano de adaptação, onde se ficou pela Serie A, algo habitual num clube despojado de rivais à altura pelo Moggigate de 2006, em 2010 a sua marca ficou definitivamente impressa na história do clube, do Calcio e do futebol europeu.

Num clube habituado a gastar sem ter retorno, a viver da saudade dos tempos perdidos do mago Herrera, a sua estampa é a partir de agora santo e senha. Saiu em ombros, com as lágrimas do seu capitão e o sentimento de mulher traída do seu presidente. Naquela noite quente e abafada de Madrid, entrou na galeria dos eleitos. Duas Champions League por dois clubes diferentes a culminar um Triplete que só Ferguson e Guardiola lograram na última década. E se, tal como no FC Porto, a vitória na Champions significou um adeus - que o impediu de somar o sexteto de titulos logrados no passado ano pelo técnico do Barcelona - a chegada a Madrid tornou-se no mais irresistivel dos desafios. Senhor absoluto de Inglaterra, Itália e Portugal, falta-lhe Espanha no curriculum. A Espanha do seu mais odiado rival, do clube que continua a olhar para ele como um traductor, incapaz de perdoar o festival de eficácia defensiva frente a onze selvagens gladiadores no histórico duelo das meias-finais no Camp Nou (depois de uma imensa vitória em San Siro por 3-1 depois de ter estado a perder). A Espanha do clube mais titulado do Mundo, ferido de morte pelos elogios ao seu eterno rival. A Espanha que falta numa carreira imaculada e inimitável nos anais do jogo.

 

Nenhum técnico ganhou tanto como Mourinho em tão pouco tempo. Mais ainda se estamos a falar de um verdadeiro nómada que vive do desafio diário mais do que da comodidade de um projecto de longa duração. Se os romanticos têm tendência a admirar os longos reinados e reconstruções dos Busby, Shankly, Ferguson, Cruyff, Lobanovskys e Wengers, a verdade é que o futebol evoluiu sempre graças aos rebeldes técnicos que procuram sempre um novo laboratório para as suas ideias. Foi assim com Herrera, com Michels, com Capello, com Santana ou Clough. Nomes a que mais facilmente se pode associar o génio laborial de um técnico nascido em Setúbal mas que há muito é uma figura do Mundo.

Mourinho gosta dos underdogs, como a giria americana apelida àqueles em que poucos acreditam. Pegou num FC Porto desacreditado, depois de três anos de vazio e transformou o clube da Invicta em rei da Europa, algo inimaginável e inimitado desde então por qualquer clube fora das três grandes ligas europeias que somam, nos últimos 20 anos, 15 dos máximos titulos europeus. Escolheu Stanford Bridge porque o desafio de bater o dominio dos Invencibles de Wenger e os Ferguson Boys de Manchester era imenso para qualquer um (basta ver o que passou com Benitez, sempre empequenecido na sua comparação com Mou) e graças ao seu estilo de jogo fluido, atractivo e extremamente sólido, criou um clube dominador e asfixiante que é hoje a primeira potência britânica. Em Itália chegou a uma liga descaracterizada, longe das batalhas tácticas que a celebrizaram nos anos 90. Mas transformou o Internazionale de anão a gigante europeu, com uma equipa envelhecida e sem estrelas, sem nomes próprios capaz de ofuscar a sua figura de grande lider. Um desafio que repete agora em Madrid, onde exceptuando o carisma e caracter de Cristiano Ronaldo, lhe cabe recriar, pela quarta vez, uma nova versão da guarda pretoriana, disposta a tudo para mantê-lo no trono imperial. Mesmo se do outro lado, da estética Grécia, emerge um imenso Agamemnón (Guardiola) e um exército que é a paixão de todos os aficionados bélicos, onde deambula um herdeiro de Aquiles (Messi), um engenhoso Ulisses (Xavi) e um intrépido Ajax (Iniesta), que repartirão entre si o ouro da bola mais prestigiada do Mundo.

 

 

 

Mourinho já entrou para a história do jogo quando fez do FC Porto campeão europeu. A partir daí a sua lenda vai-se tornando maior e só quando a sua carreira chegue ao fim será possível apreciar na totalidade a imensidão do seu papel. Mestre dos jogos mediáticos, dominador absoluto de balneários, eximio no jogo táctico, Mourinho sabe que o futebol moderno acenta, sobretudo, no pragmatismo. Vencer dois jogos por 5-0 e perder outro significa ter menos pontos que três jogos ganhos a 1-0. Vencer a qualquer custo implica danos colaterais. O Inter - mais do que qualquer outro dos seus projectos - não estava feito para brilhar. O seu novo Real Madrid, tal como o seu Chelsea, começa a dar sinais de se transformar num relógio letal, que a cada badalada é capaz de disparar um tiro certeiro e matar o mais duro dos rivais. Vinte passes sem perder a bola faz os adeptos aplaudir de orgulho. Mas três toques e um golo levantam um estádio. Mourinho nasceu para levantar estádios mais do que para ser um profeta de consensos. Em 2010 levantou tudo por onde passou. O desafio é imenso. A história é infinita e ciclica. O seu ano é este, mas já foi outro e provavelmente voltá-lo-á a ser. São assim os deuses do futebol.

 

 

Post-Scriptum: Há quem imagine os 5-0 aplicados pelo Barcelona ao Real Madrid como o jogo do ano. Outros relembram o confronto entre Alemanha e Argentina no último Mundial, a final histórica da Champions League ou alguns duelos locais, como os 5-0 do FC Porto ao SL Benfica, o triunfo por goleada do Inter ao AC Milan ou a vitória expressiva do Liverpool diante do Manchester United. Mas provavelmente há anos que não se viveu um jogo tão asfixiante, apaixonante e único como o Arsenal vs Barcelona. A primeira metade do desafio dos Quartos de Final  da última edição da Champions League foi a maior ode possível ao estilo de jogo edificado por Pep Guardiola. A segunda representou toda a classe e garra que encarna a Premier League. Um jogo para entrar nos anais da história como o perfeito exercicio futebolistico. Um verdadeiro producto vintage, irrepetível e que se ergue, diante de todos os outros, como o Jogo do Ano.



Miguel Lourenço Pereira às 11:13 | link do post | comentar

1 comentário:
De gooooooooolo a 19 de Janeiro de 2011 às 18:26
O bloco de notas que o José Mourinho utilizou no triunfo do FC Porto sobre o Paços de Ferreira, por 3-1,em 003/04, está à venda na Internet por 2.500 euros, mais precisamente aqui, no site da CustoJusto.pt : http://www.custojusto.pt/blog/46-Anuncio+Insolito+do+Dia


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO