Terça-feira, 14 de Dezembro de 2010

A FIFA gosta de espectáculos de máxima tensão mediática num exercício de auto-glorificação que se foi acentuando com o passar das décadas. No entanto, e apesar do inegável sucesso de um número esmagador de iniciativas, o máximo orgão do futebol internacional tem ainda uma espinha atravessada na garganta. Este ano, uma vez, fica a nu a eterna inutilidade do Mundial de Clubes.

 

 

 

 

 

Atravessado no calendário entre fins de época para uns e momentos criticos da temporada para outros.

Organizado no meio do nada, ponto de ligação entre continentes sem um fluxo comum, o Mundial de Clubes é tudo aqui que o Mundial de Selecções não é: aborrecido, repetitivo, pouco entusiasmante e um verdadeiro fantasma mediático.

A prova já arrancou nos Emirados Árabes Unidos mas quem se deu conta? Os dois Inter, o de Milão e o de Porto Alegre, partem como favoritos. A velha lenga-lenga de sempre. Acabou-se com a Taça Intercontinental, criada numa era em que mais nenhuma confederação tinha provas continentais a não ser a sul-americana e a europeia, mas a essência deste Mundial reciclado termina sempre por ser a mesma. O duelo do vencedor da Champions e da Libertadores, equipas que se conhecem com meses de antecipação neste cruzamente de datas que não lembra a ninguém. Certo é que o problema começa na calendarização internacional, com épocas a começar e a acabar com uma disparidade gritante. Os clubes europeus chegam a meio da temporada, um período critico nas suas lutas internas mas na máxima forma fisica. Os sul-americanos aterram no final da temporada, com as pernas cansadas e os objectivos principais logrados (ou não). Pouco há quem acredite que este Inter representa o melhor da Europa. O mesmo passa com o Internacional. Duas equipas que obtiveram há meses o corolário e que viverão mais meio ano à sombra dos seus logros passados. Nada mais errado para preparar um torneio que, se supõe, devia ser entre os melhores dos melhores nos quatro cantos do Planeta.

 

Se a Taça Intercontinental era um jogo, apenas, passível de ser enquadrado numa qualquer semana do calendário sem menor prejuizo, o Mundial de Clubes deveria surgir como um evento capaz de parar o Mundo do Futebol. O Planeta ficaria suspenso durante a semana ou quinzena em que os máximos representantes dos distintos modelos e escolas do jogo disputassem o troféu mais apreciado. É-o assim com as selecções, porque não com os clubes?

O torneio rege-se actualmente com um formato comodista. O adepto europeu nada sabe dos campeões africanos, asiáticos ou da Oceania porque eles, os insignificantes, lá se vão eliminando em play-offs que fazem lembrar os que defendem que não há lugar para as Malta, Luxemburgo, Andorra e San Marino nas qualificações da zona europeia. O Mundial desvirtua-se desde o primeiro minuto com esse apartheid moral que a FIFA otorga aos continentes que não aportam o mesmo peso mediático que os grandes. E os grandes sabemos sempre quem são.

O modelo de organização perde, igualmente, por manter-se estático e imutável num mesmo lugar. Se a prova se prepara para regressar ao Japão (e historicamente a Ásia foi escolhida a partir dos anos 70 porque começa a surgir como alternativa aos dois grandes da Intercontinental), a verdade é que o modelo ideal deveria passar por uma organização rotativa entre os distintos continentes. Ano após ano, continente após continente, o Mundo pararia uma semana para ver os melhores. E a FIFA teria o retorno que procura lograr e não sabe como. Actualmente disputam o torneio sete equipas. Automaticamente nas semi-finais estão europeus e sul-americanos. Asiáticos, norte-americanos, africanos, oceanicos e um representante do país organizador dividiam as pré-eliminatórias até chegar ao duelo final. Um modelo exclusivo, injusto e prejudicial para o desenvolvimento de um torneio que deveria ter outro rosto, bem mais igualitário.

Um torneio que enquadra-se não só os campeões continentais mas os vencedores das distintas provas inter-clubes que poderiam incluir a Mercosur ou a Europe League, de forma a alargar o número de participantes num torneio fechado real, com fases distintas de apuramento e eliminação na corrida até ao titulo final. Um torneio dessas caracteristicas não seria só o melhor sinal da democratização real do desporto a nível de clubes, como já existe há muito a nivel de selecções, como funcionaria mediaticamente para recuperar uma velha ideia nunca fielmente concretizada, a de eleger o melhor clube mundial.

 

 

 

Se o Inter de Rafa Benitez não cumprir com o favoritismo que acompanha inevitavelmente o campeão europeu neste tipo de certame que ninguém se estranhe. Há muito que os sul-americanos mostraram dar mais importância a este duelo do que os conjuntos europeus. A final entre ambos é um dado quase certo à espera de confirmação. O jogo será visto por poucos, as pré-eliminatórias terão sido acompanhados por menos e no final o distintivo que acompanhe a camisola do ganhador valerá tão pouco que há que equacionar num futuro imediato qual é a real utilidade de uma prova que não se assume como tal, entalada numa zona zero, e que pretende agradar a todos mas que acaba por não convencer ninguém.

 

PS: Felizmente o futebol é perfeito demais para ser destroçado por uma organização do nível da FIFA. A vitória dos congoloses do TP Mazembe é apenas mais um sinal de que o resto do Mundo futebolistico merece mais respeito e consideração. Ter um clube africano na final do Mundial de Clubes não deveria ser noticia. Mas sabe sempre bem quando a evidência sucumbe á lógica da bola.


Categorias: ,

Miguel Lourenço Pereira às 11:03 | link do post | comentar

2 comentários:
De Pudget a 15 de Dezembro de 2010 às 09:32
Concordo com todos os pontos levantados e coloco na má preparação e estudo de mercado o ribombante falhanço mediático que é esta prova. A FIFA de há uns muito bons anos que se tornou déspota na sua forma de levar o jogo às pessoas. tem que evoluir dentro da realidade do mediatismo e do espectáculo, nisso onde os americanos sempre foram reis (são capazes de tornar a pesca à sardinha num jogo de luz, cor e emoção). A FIFA sofre do mesmo que qualquer corpo organizativo onde corre imenso dinheiro, jogos de bastidores, circuitos de influências e até as pessoas baterem o pé continuará a ser assim. A sorte da FIFA e eles próprios já se aperceberam de tal, porque estúpidos não são, é que dá para ir fazendo o joguinho tosco desta prova sem grandes ondas porque a paixão pelo desporto continua lá... e desta vez o Mazembe lá salvou a honra e acaba por glorificar uma prova que é desigual, pouco reflectida e acima de tudo um finca-pé sem sentido porque todos nós sabemos que existem inúmeras outras formas de fazer bem feito aquilo que a FIFA faz por dinheiro.

PS. Corram com o Inter que eu quero uma final do Mundial de Clubes tão pouco mediática que nem passe na televisão (e também porque desde que perderam o Mourinho que praticam um futebol tão anémico que até irrita). Força MAzembe, és o meu preferido!


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Dezembro de 2010 às 09:41
Pudget estamos de acordo,

O Mundial de Clubes ser quer sê-lo tal precisa de uma profunda lavagem de cara. Uma calendarizaçao digna, um formato remodelado com o mesmo espaço mediático para todos os concorrentes (proponho uma prova de 16 equipas entre os vencedores das distintas provas continentais) e uma localizaçao que salte anualmente de continente a continente. Sem isso temo que o projecto continue a interessar apenas aos adeptos dos clubes que lá vão e pouco mais.

O Mazembe mostrou que o futebol é belo, mesmo quando a FIFA está envolvida. Valha-nos isso.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO