Domingo, 21 de Novembro de 2010

Era inevitável. A caverna mediática portuguesa, apostada em viver longe das realidades que fazem Portugal um país mais pequeno ainda do que é, aproveitou a ressaca da humilhação histórica aplicada à selecção de Espanha para crucificar o cadáver já podre de Carlos Queiroz. Sem tocar nos méritos inequivocos da nova equipa técnica, utilizar um feito histórico para esmagar um seleccionador que continua a despertar sentimentos contraditórios é o perfeito exemplo do ajuste de contas à portuguesa.

 

 

 

A sensação que a exibição portuguesa deixou contra a Espanha deixou na boca (e mente) de todos os adeptos lusos foi apenas uma: porque não jogaram assim no Mundial?

A imagem da derrota com a equipa que viria a sagrar-se campeã do Mundo deixou imagens para a história do futebol luso. O discurso enrabietado de Cristiano Ronaldo, o olhar de desalento de Queiroz, as criticas à posteriori pouco oportunas de Deco e as lágrimas de Eduardo. Quatro estados de alma distintos que espelhavam bem o que era Portugal então. Tudo, menos uma equipa. Esse foi talvez a grande diferença entre aquela noite na Cidade do Cabo e a exibição de gala do estádio da Luz. Mais do que mudanças tácticas (houve poucas) e de rostos, a mudança esteve na atitude, talvez o grande problema na gestão de Queiroz. Mas, como sempre, na hora da critica em Portugal há quem tenha sempre pouco descernimento antes de disparar. A situação recebida por Paulo Bento é diametralmente oposta à que viveu Queiroz. O ex-seleccionador podia ter sido despedido no final do Mundial, como sucedeu a tantos outros que falharam os seus objectivos (quais eram, nunca o saberemos). Mas já a sua recepção despertou toda a podridão que sacude o futebol nacional. Com palavras azedas de dirigentes, com artigos feitos à medida na imprensa especializada e com o nariz torcido de todos aqueles que tinham saído beneficiados da politica praticada pelo clã Scolari, chegou Queiroz. Trazia um projecto, que logo se revelou impractivável a médio prazo e  nada compaginável com os resultados imediatos que uma selecção que tinha passado a década a viver de altos voos exigia. Queiroz sabia de todos os problemas estruturais do futebol luso. Os mesmos que padecerá Paulo Bento quando a situação assim o justifique. Se o actual seleccionador tem todo o mérito em dar um novo ar à equipa das Quinas, o seu curto mandato de três jogos apanhou Portugal numa situação de pior impossível. E a partir de baixo é sempre mais fácil construir.

 

Olhando para os dois Portugal-Espanha, com quase meio ano de diferença, percebe-se que há abordagens bem distintas.

Paulo Bento leva a palma. Estudou suficientemente a selecção espanhol (particularmente nos jogos com Holanda e Argentina) para perceber como se neutraliza a campeã do Mundo menos goleadora da história. Numa equipa onde a posse de bola é o credo fundamental o fundamental é recuperá-la. Queiroz não pensou assim. Deixou a Espanha jogar, trocar e brincar como tanto gosta, no miolo luso. Naquela noite Xavi estava tranquilo, Xabi Alonso e Busquets não tinham trabalho e Iniesta e Pedro deambulavam livres. Cinco meses depois nenhum deles conseguiu respirar. A cada bola recebida em área de choque surgia imediatamente um jogador luso na pressão alta para a recuperação e consequente transição ofensiva. Portugal deixou a politica de passe curto e inconsequente (que marcou a supremacia em posse de bola dos espanhóis, sempre bem longe da área) e apostou num jogo de três toques (recuperação, desmarcação, passe).

Se Cristiano Ronaldo e Hugo Almeida foram deixados aos abutres na Cidade do Cabo, na Luz Postiga, Nani e Ronaldo fizeram parte do acordeão que se estendia e esticava conforme a posição da bola. Um jogo vertical, veloz e determinado. Tacticamente o posicionamento no terreno era similar, mas a função do 6 (com Raul Meireles no lugar de um retraído e lesionado Pepe) fez a diferença ao anular o jogo do genial Xavi Hernandez. Foram esses os elementos tácticos que fizeram a diferença e explicam a goleada. Mas que não justificam, de por si, a comparação.

À parte do lógico e importante argumento que é a concentração e ambição espanhola, bem diferente naquela noite do que na Luz, há quem aponte o dedo a Queiroz na eleição dos mundialistas. O ex-técnico realmente cometeu erros de casting. Ricardo Costa, o mais grave, mas também um Deco inexistente futebolisticamente e um Liedson, cujo o processo de naturalização resultou mais da pressão mediática da imprensa lisboeta do que propriamente do talento do dianteiro leonino. Sem Bosingwa e Nani, lesionados, Portugal nunca podia ter aplicado a dose de velocidade do jogo de Quarta-Feira. Danny esteve presente na excelente segunda parte mas na África do Sul o próprio confessou o seu péssimo estado de forma. Ronaldo, nervoso com a pressão de ser o melhor, nunca existiu no Mundial. Agora, com Mourinho a dar-lhe confiança, é de novo um jogador de elite. E que dizer de Moutinho e Postiga, jogadores ostracizados em Alvalade e que agora recuperaram a confiança e a sua melhor forma. Em Junho seriam mais dois, agora fazem a diferença.

Talvez o pecado tenha estado em Carlos Martins, na forma de pensar o jogo. Mas o médio encarnado é tão inconstante como o medo e a sua visão vertical funciona como o lusco-fusco. Exceptuando estes nomes, os mundialistas estavam presentes em corpo e mente na Luz. Talvez no Mundial a mente tivesse ficado noutro sitio.

 

O fundamental para Portugal é agora continuar o trabalho de recuperação moral e psicológica que Paulo Bento tão bem iniciou. Um conjunto unido, tacticamente bem trabalhado e com um espirito colectivo é o primeiro passo para o sucesso. Os problemas de egos e a falta de algumas opções fundamentais dificultou sempre o trabalho do maldito Queiroz. O seleccionador não passou com glória pelo cargo e a sua saída em nada teve a ver com a sua prestação desportiva e sim com um velho ajuste de contas interno. Mas Paulo Bento, que andou por dentro e tanto criticou o futebol português, sabe que continua sem ter opções (citar Saleiro, Orlando Sá e Nelson Oliveira para o ataque é quase uma anedocta a estas alturas) e que basta uma derrota para a caverna portuguesa soltar os habituais sinais de alarme. Em Portugal nunca há tempo para nada e isso é um dos grandes males da nossa sociedade e do nosso futebol. Paulo Machado, Manuel Fernandes e Rui Patricio saem agora como opções de Bento quando já eram nomes selecionáveis por Queiroz. Limpar o passado não é a melhor forma de preparar o futuro. Mas certamente é a maneira mais certeira de vender jornais. Para alimentar a caverna.



Miguel Lourenço Pereira às 11:30 | link do post | comentar

2 comentários:
De CRG a 22 de Novembro de 2010 às 22:02
No seguimento do meu comentário ao artigo anterior da selecção, venho aqui comunicar quase a minha absoluta concordância com o que aqui foi escrito. lol

Aliás, como havia escrito, nunca pretendi tirar mérito ao PB. Considero que o seu maior feito foi ter conseguido esvaziar o mau ambiente que pairava sobre a selecção.

Apenas acrescentaria que o PB estudou também, e muito bem, a estratégia do Inter do Mourinho, na primeira mão da meia-final da Champions, frente ao Barça: pressão muito forte junto dos centrais e médio que pega na bola; talvez a única forma de combater aquele "campo grande". É claro que é mais fácil dizer do que fazer e depois de uma vitória todas as opções são correctas (caso o arbitro tivesse assinalado o fora-de-jogo e anulado o golo de Espanha havia elogios para a mestria táctica do Queirós).


De Miguel Lourenço Pereira a 23 de Novembro de 2010 às 08:20
CRG,

No futebol é assim, são os resultados que dictam se uma pessoa é besta ou bestial. Aquele jogo sentenciou Queiroz como besta e esta vitória elevou o epiteto de Bento a bestial. Mas este sabe bem, creio, que isso pode mudar de um momento para o outro porque os problemas de Junho continuam a ser bem reais e não é Carlos Martins ou Moutinho, por muito bons que tenham sido ou sejam, que vão estancar a perda de qualidade do futebol portugues e, por arrasto, da selecção nacional.

PB terá de trabalhar como Humberto Coelho, treinador mediocre e de low profile que tem no cv o mérito de ter orientado talvez a melhor selecçao lusa com a vantagem de ter interferido pouco, deixando aos jogadores a construçao do jogo. Claro que ter uma equipa como aquelas ajudava e hoje isso será mais complicado. Mas numa selecçao sem alternativas poucas opçoes lhe restam correndo o risco de, como CQ, ao incompatibilizar-se com alguns elementos, fracturar a equipa sem alternativas à altura para resolver os principais problemas.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO