Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010

Três derrotas consecutivas, problemas de balneário, desconfiança da massa adepta e falta de atitude da equipe técnica. O dinheiro do petróleo das Arábias serviu para colocar o cartel de "Novo Rico" do futebol internacional nas bancadas do City of Manchester mas, até agora, foi incapaz de produzir resultados. Porque o dinheiro ajuda, mas não compra tudo...

Depois do Arsenal Wolverampton chegou a vez do modestíssimo Lech Poznan. Três equipas bem diferentes que têm uma coisa em comum: vergaram o senhor dos anéis do futebol europeu, o multimilionário Manchester City. Sem contestação.

Três tropeções de forma consecutiva que deixa Roberto Mancini em apuros. O italiano nunca foi apreciado pelos adeptos que desconfiam de um técnico que ostenta três titulos italianos ganhos entre tribunais e rivais despromovidos a escalões inferiores. Sem mais. A sua popularidade há muito que anda em baixo pela estratégia defensiva que apresenta habitualmente no City of Manchester, muitas vezes reduzida à utilização de três médios de contenção (Barry, De Jong e Touré) ou pelas suas contratações mais polémicas, onde Mario Balotelli, o seu protegée, ganha a palma. O italiano continua em estado de negação e afirma que a equipa está preparada para ombrear-se com os maiores, tanto em Inglaterra como na Europa. Mas os resultados (e as fracas exibições nas vitórias) têm servido mais para crucificar o técnico do que, propriamente, para servir de ajuda na sua defesa. O City milionário voltou a gastar este defeso mais do que qualquer um. David Silva, Mario Ballotelli, Aleksander Kolorov, Yaya Touré, James Millner e Jerome Boateng chegaram para fazer a diferença. Já lá estavam Adebayor, Tevez, Kolo Touré, Wright-Philips, Bridge, Barry, Lescott, Richards, Kompany e companhia e pelo meio foram-se descartando Bellamy, Robinho ou Santa Cruz. E mesmo assim, com um plantel pago a peso de ouro, o técnico continua sem dar com o onze tipo. Lescott, que custou cerca de 28 milhões de euros ao Everton, não tem saído do banco e é o jovem Boyata, promessa do futebol belga, que tem actuado como titular. Shay Given, um dos melhores da passada época, viu-se suplantado na baliza pelo temerário Joe Hart. O togolês Adebayor ressuscita com a ausência forçada de Tevez mas continua a ser uma carta descartada. Como Silva e Balotelli, que passaram mais jogos no banco do que no relvado, apesar dos 60 milhões gastos entre os dois. Muitos problemas que o dinheiro não resolve.

 

Na Polónia voltou a ver-se de que madeira é feito este City.

Num grupo temivel - por onde também anda a renascida Juventus de Luigi del Neri, em terceiro no grupo com apenas 4 pontos, menos três que polacos e britânicos - perder pontos com rivais acessiveis é um problema. E ser derrotado pelo Lech Poznan, campeão polaco, era algo que não estava nos planos de ninguém. O 3-1 deixou a nu os problemas defensivos dos Citizens e a falta de eficácia de um ataque que funciona mal sem o Apache Tevez como elemento central. O argentino chegou hoje às Eastlands mas com a cabeça noutros voos (Madrid, quem sabe?) e sem ele Mancini perde a um matador. E a um lider.

A equipa jogou partida na Polónia como jogou sem espirito contra o modesto Wolves. Um cenário visto e revisto vezes sem conta esta temporada, salva muitas vezes por momentos de inspiração de Tevez, Silva ou do jovem Adam Johnson. Exceptuando a vitória sobre um Chelsea em serviços minimos, a época do City tem deixado demasiado a desejar para quem gosta de passar a imagem de ser a equipa mais rica e com maior potencial do planeta futebol. Mas o pedigree competitivo não se consegue só com a soma de jogador talentosos.

Os Galácticos de Madrid e a primeira etapa de Abramovich num Chelsea pré-Mourinho diz-nos isso com total clareza. Em Manchester começam a entender que a glória é um objectivo ambicioso mas distante se os problemas continuarem a ser resolvidos apenas com livros de cheque com cheiro a petróleo.

Demasiados jogadores talentosos significam problemas. Ter um plantel de 20 jogadores pagos a peso de ouro é um problema em potência. Para actuar Tevez e Adebayor não jogam Silva e Ballotelli. Para explodir Johnson, no banco fica Millner. Para confiar em Barry é preciso descartar a Touré. Para fiar-se de Kompany e Bridge há que desvalorizar as fortunas gastas em Richards e Kolarov. E daí em diante até à exaustão. O City criou o seu próprio problema e a ineficácia da equipa como colectivo apenas o agudiza. Se no banco está um treinador sem perfil de liderança, capaz de impor o seu estilo e de definir prioridades, o assunto torna-se dramático.

Em posições Champions e ainda com o apuramento para os 16 avos da Europe League no horizonte, não há nada perdido ainda nas Eastlands. Mas o dinamismo do Arsenal, o ressuscitar dos Ferguson Babes e a constância do Chelsea de Ancelloti torna a luta pelo titulo um cenário complexo para uma equipa que aspirava a tomar o elevador rumo ao titulo por um atalho desconhecido. A sua fragilidade no palco europeu deixa antever os reais problemas de um conjunto que, tal como no ano passado, pode acabar a época mergulhado em desespero. E, previsivelmente, recorrendo à única arma que conhece para resolver um problema que ainda não entendeu realmente.



Miguel Lourenço Pereira às 11:24 | link do post | comentar

2 comentários:
De Ricardo a 5 de Novembro de 2010 às 17:56
Este já tarde em fazer as malas. Um treinador com uma ideia definida e com pulso era capaz de resolver todos os problemas que na verdade são apenas aqueles que eu citei. Com um sistema de jogo e onze tipo definido provavelmente os jogadores que não conseguissem impor na equipa ia tentar outras paragens. Só há problemas de egos quando os treinadores não têm firmeza. Veja-se o caso de Ibra...


De pedro a 6 de Novembro de 2010 às 23:17
A minha opinião resume-se ao facto de Mancini não prestar como treinador. Veja-se que com o melhor plantel que o Inter teve em anos (não na sua existência) apenas consegui conquistar campeonatos. Onde a prestação dos rivais ora estava condicionada pelo calcio caos da Juventos que desceu de divisão ou pela perde de pontos importantes do Milão. Os demais adversários estavam fracos e mesmo assim o Inter obteve vitórias e as conquistas com grande dificuldade, para não falar as fraquissimas prestações na champions League. Agora, num casa onde, também, não falta dinheiro esta personagem não consegue criar uma estrutura vencedora. É um criador de problemas, principalmente para ele. Enfim, um cromo da bola.


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO