Terça-feira, 10 de Agosto de 2010

A saída de David Silva abriu um buraco na orquestra valenciana. O clube espanhol foi rápido e garantiu os serviços de uma das maiores promessas do futebol gaulês. Feghouli tem nos pés a irreverência e atrevimento de quem joga sem nada a perder. Depois de dois anos ao melhor nível no modesto Grenoble, a Europa espera mais um candidato a suceder a Zizou...

Milhões de pessoas tinham acabado de abrir os presentes quando Feghouli quis nascer. Essa festa não era nada com ele. A sua viria depois. 

O jovem de ascendência argelina, mais um dos muitos que povoam o hexágono, nasceu a 26 de Dezembro de 1989 em Levallois-Perret, um desses muitos banlieus povoados de imigrantes magrebinos que dão outra cor à bela Paris. Como todos, Sofiane Feghouli cresceu a ver de perto a miséria e com a sede de conquistar a Mundo da única forma que sabia. Com uma bola nos pés.

Começou a jogar em pequenos clubes de bairro e em 2005 apresentou-se no Paris Saint-Germain para uma prova. O clube dos seus sonhos, aquele que Paris ainda não aprendeu a amar até à exaustão, disse-lhe que não. Demasiado baixo, demasiado magro, demasiado árabe, talvez. O rapaz não desistiu. Cresceu, alimentou-se, mas tornou-se mais magrebino do que nunca, rumando para sul. Nos Alpes encontrou o seu recanto particular. E começou a despontar como uma nova e brilhante estrela no firmamente juvenil gaulês, em periodo de reinvenção.

 

A estreia com o Grenoble Foot 38 surgiu num dia chuvoso de Abril de 2007. Contra o Stade de Reims, um dos duelos quentes da Ligue 2. Tinha 17 anos.

A boa exibição deu-lhe confiança. Em vez de voltar ao banco, o técnico apostou nele para os restantes jogos que da época. Convenceu. De contracto amador passou a profissional, assinando até 2010 com o clube. Com uma pequena cláusula de rescisão. Sempre a pensar no futuro. Em 2008 explodiu e começou a ouvir a expressão "petit Zidane" por todos os lados. Capa de L´Equipe e Onze, o jovem tornou-se na mais quente sensação da liga francesa. O seu futebol vertical desarmava as defensivas contrárias. Rápido, solicito, sempre hábil no disparo, Feghouli tornou-se na estrela da companhia e liderou o conjunto alpino a uma história promoção. Algo que ninguém esperava e para o qual as suas oito assistências e três golos foram fundamentais. O clube segurou-o das investidas locais, particularmente do Olympique Marseille, e viu-o estrear-se pela selecção sub-21 francesa contra a Bosnia. Para desespero dos pais, que o queriam ver com a camisola argelina. Um sonho de todos e de ninguém.

Durante dois anos Feghouli tornou-se, por definição, num dos enigmas Ligue 1. No seu primeiro ano como profissional na alta roda actuou em 24 jogos até que uma gravíssima lesão, no duelo contra o Veledrome, o impediu de terminar o ano. Perdeu a pré-época da última temporada, ainda a recuperar-se do golpe, e quando quis voltar, em Outubro, voltou a recair na lesão. O menisco cedeu e teve de voltar à mesa de operações. Quando todos pensavam que iria explodir, o corpo pediu descanso. Até ao final da temporada, agónica para o Grenoble, o jogador foi mantido à parte. A direcção não gostou de que o Valencia se tivesse entrometido entre as negociações de renovação de contracto. O clube espanhol levou a melhor e assinou com o jogador em Maio, antecipando já a saída de Silva. Ao jovem franco-argelino foi prometido o papel de criativo mor de uma equipa que regressa pela porta grande à Champions League. Resta saber se o corpo de Feghouli aguentará o desafio.

Desde que Zidane se afirmou que França clama pelo seu sucessor. De Nasri a Ben-Arfa, muitos foram já os que ostentaram o rótulo de sucessor do idolo gaulês por excelência. Sofiane Feghouli é um jogador radicalmente diferente, vertical e rápido, mais apto para equipas que jogam em velocidade e não conjuntos que gostam de parar e pensar excessivamente o jogo. O seu modelo adequa-se bem à velocidade de Mata e Dominguez, os seus futuros parceiros de ataque, e agora terá de ser o alto nível de exigência da Liga BBVA a ditar sentença.  



Miguel Lourenço Pereira às 09:17 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO