Terça-feira, 29 de Junho de 2010

Portugal enfrenta hoje um dos desafios mais importantes da sua história. Bater a Espanha, actual campeã da Europa e musa dos puristas do romantismo futebolistico, era a maior bofetada de luva branca que uma geração criticada e cercada poderia dar. Era um golpe na mesa de uma equipa longe do talento individual da "geração de ouro" mas com o espiritio de sacrificio que tanto pedem estas provas.

Espanha está nervosa. Espanha está preocupada. Espanha duvida.

A equipa que chegava à África do Sul com um imenso recorde de invencibilidade (um jogo perdido em dois anos e meio) e com o histórico titulo europeu no bolso. Mas que à primeira se desmoronou, como um castelo de cartas. Contra a Suiça a equipa espanhola jogou como sempre mas perdeu. Algo que parecia impensável e que abalou fortemente a auto-confiança de uma geração que acreditava ser especial. E todos sabemos que a auto-confiança espanhola é, habitualmente, para inglês ver. Por dentro, os nervos dos espanhóis costumam ser uma imensa gelatina, incapaz de manter-se de pé nos momentos dificeis. Aquela tarde fez história e abriu debates até então impossíveis. Questinou-se o modelo idolatrado, perguntou-se sobre a utilidade de dois médios de contenção, da presença de um dianteiro apagado ou se era melhor jogar com extremos. Dúvidas que não existiam antes, numa equipa que parecia que entrava em campo já como ganhadora. Apesar das vitórias nos seguintes jogos, a qualidade de jogo baixou muito. Nem a exagerada imprensa espanhola o consegue esconder. As Honduras sofreram apenas dois golos, um deles num ressalto e o Chile idem aspas, com uma preciosa ajuda do guardião e da equipa de arbitragem. Um penalty falhado, muitos remates ao lado, pouca precisão no passe e jogadores atropelados por colegas no miolo. Esta era a Espanha que ninguém achava que iria ver. Uma equipa marcada profundamente pelo peso da pressão.

 

Portugal, pelo contrário, surge solta. Sem responsabilidades.

Depois da "Geração de Ouro" ter chegado ao seu final, ninguém esperava que a equipa se mantivesse na ribalta. A saída de Scolari parecia deixar entreaberta a possibilidade do terceiro país com melhor média de prestações nas provas da última década, só atrás de Alemanha e Brasil, entrar num periodo de vacas magras. Cristiano Ronaldo, simbolo máximo do futebol internacional, era uma figura mais do que ausente e os seus escudeiros não tinham o perfil de Figo, Rui Costa, Paulo Sousa, Maniche, Costinha, Baía, Jorge Andrade, Nuno Gomes ou JV Pinto.

No meio de tanta critica, Carlos Queiroz apostou na força do colectivo. Montou uma equipa pensada de trás para a frente com um eixo defensivo extremamente sólido. A prova está nos poucos golos sofridos por Portugal nos últimos dois anos. Eduardo, Paulo Ferreira (depois da lesão de Bosingwa), Ricardo Carvalho, Bruno Alves e Duda (agora rendido brilhantemente por Coentrão) deram essa estabilidade que sempre faltava à equipa das quinas. A partir daí cresceu a equipa, com um jogo no miolo sem a mesma classe de algumas formações de renome, mas com tremenda eficácia. O golo continua a ser o grande problema, com a enganadora goleada à Coreia do Norte a tapar as debilidades face a marfilhenos e brasileiros. Mas, mesmo assim, a equipa portuguesa é hoje mais equipa do que era quando chegou à África do Sul, envolta em polémicas internas e criticas externas. É um conjunto dificil de bater, sabedor dos pontos fracos do rival e com uma tremenda paciência para dar a estocada. Talvez o Portugal mais italiano, mais "mourinhiano" que temos visto. E quem não se lembra do que sucedeu ao Barcelona, que até dá oito jogadores a esta equipa espanhola, às mão do técnico português?

A vitória é o único objectivo aceitável para hoje. O medo não tem razão de ser, a Espanha deixou há muito de ser o papão que todos vendiam. Pode suceder de tudo, afinal isto é futebol, mas não estaremos diante de um David contra Golias como parte da imprensa quer vender. Veremos sim, um jogo tacticamente complexo, onde vencerá a equipa que melhor saiba gerir a pressão. A velocidade portuguesa contra a temperança espanhola. Os nervos poderão decidir. Os de Cristiano Ronaldo e o seu ego ou os do atascado colectivo espanhol. Por aí penderá a balança. Depois virá a fortuna, haverá quem se lembre de Aljubarrota. Mas o jogo é na Cidade do Cabo. O cabo em que dobramos o Mundo!  


Categorias: ,

Miguel Lourenço Pereira às 10:02 | link do post | comentar

6 comentários:
De Reuniao de Noticias a 29 de Junho de 2010 às 11:57
Caro amigo,excelente blog. Grande trabalho.
Está interessado numa troca de links? Torne-se também seguidor pf. Sou novo nestas andanças. Responda no meu pf.
Abraços
http://reuniaodasnoticias.blogspot.com/


De Ricardo a 29 de Junho de 2010 às 15:56
Vai ficar 15 a 0 e quem vai marcar vai ser o... o jogador xD


De Cristina a 29 de Junho de 2010 às 17:22
Da gosto ler-te...


De Miguel Lourenço Pereira a 30 de Junho de 2010 às 09:33
Dá gosto viver-te!


De ze luis a 29 de Junho de 2010 às 18:58
"Contra a Suiça a equipa espanhola jogou como sempre mas perdeu".

Um amigo meu espanhol costumava dizer-me assim: jogámos como nunca, perdemos como sempre.

Mas aquele foi um acaso, uma injustiça e um golo suíço irregular.

Boa análise a Portugal, vamos lá a ver agora, mas ainda vejo a Espanha muito mais forte, porém tudo pode acontecer.


De Miguel Lourenço Pereira a 30 de Junho de 2010 às 09:35
Zé Luis,

É um moto muito comum aqui que parece que vai passar à história. Espanha é estruturalmente mais forte mas no terreno essa superiordade nao se viu como há 2 anos no jogo com a Russia ou a Itália, por exemplo. É uma equipa que tem estrelinha, a mesma que lhes faltou em 84, 86 ou 94, por exemplo. E isso conta muito.

Tiveram o golo irregular, tiveram a estrelinha, tiveram todos esses detalhes. Mas tiveram "ganas", algo que nunca soubemos ter. Continuamos assim, amorfos quando é preciso matar. Ninguém ganha nada assim. Ninguém.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO