Terça-feira, 29 de Junho de 2010

Os Mundiais existem em duas etapas muito claras. Aquela onde nos encantamos com pequenos equipas repletas de ambição e bom futebol. E a fase em que os seus sonhos são esmagados por uma potência superior, cinica, incapaz de perceber de que matéria estão os sonhos feitos. O Chile voltou a passar, uma vez mais, por este trágico carroussel. O Brasil acelerou quando foi preciso. Chegou, como sempre.

Durante a primeira meia-hora vimos o Chile de sempre. Na última meia-hora já não havia o minimo resquício daquela equipa.

É o efeito eliminatórias mais do que o peso do rival. O Brasil foi pequeno até ao primeiro golo, demasiado pequeno para uma equipa canarinha. Foi engolido pelo futebol de rápida transição defesa-ataque do esquema montado por Marcelo Bielsa e pode agradecer a ineptitude dos andinos em procurar o remate. Boa troca de bola, excelente movimentações e depois...o nada.

Com o sucessivo falhanço ofensivo do Chile o conjunto pentacampeão foi ganhando o pulso ao jogo. Encostou o rival às cordas e deu mais liberdade a Ramires e Dani Alves no apoio directo a Kaká no meio campo. O médio do Real Madrid continua um jogador vulgar e ontem pode ter agradecido à velocidade de Robinho e ao pulmão do meio-campo montado por Dunga para não ter saído do jogo como um fantasma. Assim estava o jogo quando um mau alivio da defesa chilena originou um canto. A bola, colocada nas alturas, encontrou a cabeça de Juan. O central ganhou com a parede ofensiva de Lucio e Fabiano e rematou para as redes de Claudio Bravo. Um bom golo que chegava de forma injusta quando o Chile ainda era melhor. Durou pouco o suspense. Num contra-golpe, tipico neste conjunto canarinho, a velocidade de Robinho foi chave e o timing de desmarcação de Fabiano perfeito. O dianteiro apontou o seu terceiro golo no torneio e fechou a eliminatória.

 

No segundo tempo o perfeccionista Bielsa, perfeitamente conhecedor da resistência defensiva do Brasil, lançou as suas armas mais ofensivas. Não chegou.

Valdivia trouxe mais toque e rapidez ao miolo mas foi incapaz de mudar o que foi realmente o grande problema dos chilenos. A bola continuava a passar longe de um tranquilo Julio César e apesar da maior posse de bola e pressão do ataque chileno, o Brasil controlava plenamente o jogo. Num desses rápidos lances, em tudo similar ao segundo golo, surgiu Robinho para confirmar o seu óptimo estado de forma e a sua boa relação com o guardião chileno a quem marca em todos os jogos. Nem foi preciso agradecer a Deus.

O 3-0 matou um jogo já de si moribundo porque o Chile perdeu esse toque de desespero que atirou a Espanha às cordas na passada sexta-feira. O 3-3-1-3 perdeu sentido face à movimentação lateral de Bastos e Maicon e os golpes a meio-campo evidenciaram mais a dureza de quem se recusa a cair sentado mas que também não sabe muito bem como cair de pé. Com este resultado, o Brasil voltou a demonstrar que é outra equipa quando decide passar o limite de velocidade urbano pelo ritmo de estrada nacional e que o jogo com a Holanda será um desafio curioso entre duas equipas com imenso potencial que até agora têm, apenas, demonstrado serviços minimos. Um deles tem a final à porta.

A queda da primeira equipa sul-americana era inevitável mas o Chile foi a prova viva de que o futebol do seu continente está bem vivo. Faltou-lhe, como sempre falta a Bielsa, aquele cinismo defensivo que caracteriza Paraguai e Uruguai. E, acima de tudo, capacidade para matar o jogo. Um problema que se tinha percebido já, de antemão, na fase de grupos. No entanto ficam vários nomes e alguns bons momentos para a memória de um país que desde o seu Mundial nunca mais soube o que é passar de Oitavos. Fica para a próxima.


Categorias: ,

Miguel Lourenço Pereira às 08:12 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO