Terça-feira, 8 de Junho de 2010

A inoportuna lesão de Nani deixa uma marca em Portugal bem mais profunda do que se pode imaginar à primeira vista. A escolha de Ruben Amorim como substituto é o espelho da fraca condição em que vive o futebol português actual. Sem o atrevido extremo Portugal será uma equipa mais débil. Mais do que isso, será um onze amputado.

Há quem acredite que a lesão de um jogador, teoricamente suplente, pouco prejudica as reais pretensões de uma equipa.

Nada mais falso, especialmente no caso português. País pequeno, de tamanho e de mente, Portugal prepara-se para pagar muito caro o abandono da politica de formação que tanto celebrizou as hostes lusas durante os últimos 20 anos. Ironia das ironias, será o iniciador dessa certeira aposta quem carregará com o peso de um país morto para o futebol de elite. A lesão de Nani, elemento nuclear na estratégia ofensiva de uma equipa habitualmente inofensiva no ataque, deixa a nu todas as debilidades que existem à volta da selecção portuguesa. O extremo do Manchester United, que supostamente seria suplente de um cansado e mediocre Simão Sabrosa, era o verdadeiro sinal de frescura que um país com uma equipa envelhecida e repleta de jogadores de perfil mediano necessitava. Chamar para o seu lugar mais um obreiro, um suplente durante largos periodos da época, é o toque de finados dos "Navegadores", mesmo antes do barco ter zarpado do porto.

 

Nani era - e será nos próximos anos - fulcral no onze luso.

Com Cristiano Ronaldo a emergir, cada vez mais, como um falso avançado-falso criativo, no centro do terreno de jogo, seria de esperar que um país mundialmente reconhecido pelo valor dos seus extremos (jogadores rápidos, descarados, habéis no cruzamento e nas diagonais) tivesse armas suficientes para dar ao capitão carta branca nas suas deambulações ofensivas. Mas CR7 não poderá fazer com Portugal o que se espera que Messi fará com a Argentina ou Kaká com o Brasil. A orquestra não é do mesmo calibre.

Com Nani por um lado, Ronaldo teria liberdade para alternar com Liedson nas funções ofensivas. Sem o jovem de origem cabo-verdiana, e com Simão, Danny e, pasme-se, Fábio Coentrão, como únicas alternativas ao jogo de alas, o papel de Ronaldo ficará de novo reduzido a uma amarra táctica inexplicável. Se Carlos Queiroz tivesse a destreza intelectual de, face a esta contrariedade, mudar para um 4-4-2, com Ronaldo como um falso avançado, reforçando o bloco de meio-campo (onde lhe sobram jogadores), Portugal poderia apresentar um rosto mais saudável. Caso contrário, e como se espera, entrará em campo amputado de um precioso membro.

 

Chamar Ruben Amorim é um erro inevitável, por parte de Queiroz.

Sem julgar os eventuais méritos do jovem médio interior, o que o seleccionador faz é abdicar de um dos seus jogadores mais ofensivos por um obreiro defensivo. Isso indica que o lateral esquerdo adaptado (Duda ou Fábio Coentrão) poderá tornar-se em extremo, recuperando Paulo Ferreira o lugar onde disputou (e mal) o último Europeu. Ou que, pura e simplesmente, Portugal procurará atacar pelo centro, em vez de usar as alas, especialmente contra equipas que vão sobrepovoar o miolo como são os casos de Brasil, Costa de Marfim e Coreia do Norte. Contra as duas últimas, essencialmente, a velocidade seria uma arma chave. Algo que Amorim não tem. Mas este não tem culpa de que a base de recrutamento seja tão exigua, que Varela se tenha lesionado e que Quaresma tenha deixado de ser há muito um futebolista de projecção. Portugal é um país muito pequenino, de facto, mas mais pequena ainda é a mente retrógada da Federação Portuguesa de Futebol e dos clubes portugueses. Hoje em dia Portugal não tem alternativas a um número 10 sem pernas e sem ritmo, um médio-defensivo adaptado e com uma lesão de 180 dias, não tem alternativas para as laterais ou para a posição de ponta-de-lança. Ou seja, grosso modo, Portugal tem um plantel e uma base de recrutamento de terceira linha. E no entanto a imprensa, a FPF, os jogadores e o seleccionador continuam a falar na ilusão de um pódio. Até nisso a pequenês é visivel na eterna tentativa em por-se em bicos de pés.

Portugal perde um dos seus jogadores mais em forma, o Mundial da África do Sul perde mais um dos mais interessantes executantes individuais (outro de origem africana, já agora) e as contas complicam-se mais ainda para um país que tem mais olhos do que barriga. Os que se alegraram com a inoportuna lesão de Didier Drogba terão agora de fazer contas de cabeça. Dificilmente irá longe uma equipa que já nasce amputada.



Miguel Lourenço Pereira às 14:38 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO