Segunda-feira, 31 de Maio de 2010

Sem pompa e circunstância, como as habituais produções à americana de Florentino Perez. Sem promessas mediáticas para recuperar em Maio do próximo ano. A era Mourinho em Madrid arrancou hoje num tom de low profile pouco habitual no português que reforça ainda mais o seu caracter messiânico. Num clube moralmente à deriva, José Mourinho é um verdadeiro profeta.

Há poucos nomes tão criticados na sempre partidista imprensa espanhola como o de Mourinho. Até que começou a soar para o Real Madrid.

Os criticos, antes habituados a sacar das facas sempre que se ouvia ao longe o nome do português, tiveram de calar a boca e falar baixinho. Jornais da capital criaram uma aura de maestro a um técnico antes tão criticado como desprezado. Na Catalunha, desde a épica meia-final entre o Inter e o Barcelona, Mourinho passou a ser mais do que uma reencarnação do diabo. É Satanás em pessoa.

É neste clima de desprezo, medo e insegurança, essa caracteristica tão espanhola, que chega o setubalense à capital "del imperio". Com a benção de uma comunidade magoada nas profundezas da alma pela acutilância estética e eficaz do braço armado da Catalunha, o lado branco da Força sob o manto de Josep Guardiola, um mentor para a história. Os que antes olhavam para Mourinho como um Darth Vader menor, agora têm de virar o disco e começar a procurar músicas com referências messiânicas. Mourinho é mais do que um São João Baptista.

Como sempre, foi ele quem decidiu os timings do seu futuro. Quando quis chegar a Madrid a máquina já estava de tal forma montada que ninguém poderia negá-lo. Com um titulo europeu debaixo do braço - uma obsessão de um clube que tem nove em casa mas que há sete anos que não passa dos Oitavos - e com aquele ar de superioridade moral que o destaca dos comuns mortais, José Mourinho estava destinado a revolucionar o Bernabeu. Um estádio feito para grandes estrelas. E que, pela primeira vez na sua história, verá uma estrela flamante no banco. Um contra-senso? Definitivamente sim.

 

Florentino Perez é o homem das camisolas.

Será dificil vender equipamentos com o nome de Mourinho mas coisas mais estranhas já se viram. Gastar 300 milhões em oito contratações no passado defeso não garantiu à equipa um só titulo. Nem um. A fantástica época de estreia de Cristiano Ronaldo, frustrado nesta nova aventura que pensava estar revestida de ouro, ficou apagada por mais uma avalhance blaugrana. Esteticamente o Barça foi superior. Moralmente mais ainda. No terreno de jogo, em 180 minutos, nunca perdeu o controlo. É esse o problema que Mourinho tem para resolver.

O homem que resgatou o FC Porto de um triénio de desastres domésticos. O homem que fez do Chelsea uma das máximas forças europeias, 50 anos depois do último titulo. O homem que resgatou o Inter da mediocridade europeia de quatro décadas. Um homem que é mais do um mortal com uma missão superlativa. Vencer em Madrid custa, historicamente, muito mais do que em qualquer outro recinto. Capello, Schuster e até Del Bosque venceram na última década. Mas nunca convenceram a 100%. Vencer e convencer é algo que parece natural num clube como o Barcelona, com um plano de jogo e de estilo ideado há 20 anos atrás. Em Madrid, equipa que vive do glamour, das milionárias transferências e das capas de jornais com pretensões mundiais, é tarefa impossível. Ou quase.

 

José Mourinho chegou hoje à Castellana com a autoridade que emana naturalmente à sua volta.

Uma autoridade tão pouco portuguesa que conquista até os mais reácios. Tem o plantel em suspenso, o presidente Florentino Perez de dedos cruzados (o homem que não gosta de treinadores, como o descreveu um dia Santiago Segurola) e o director técnico Jorge Valdano com um amargo sabor de sapo na boca. O "manager" merengue, que foi melhor treinador que jogador e melhor cronista que director técnico, durante anos destilou veneno contra o português. Até ao fim resistiu em entregar o projecto merengue nas mãos de um homem para quem Mourinho é o anti-futebol. No final engoliu o sapo e a honra que, se a tivesse, teria significado a sua saída. Mas Madrid é assim, uma cidade de estranhos contrastes.

Ao contrário de Cristiano Ronaldo, que sempre disse que nasceu para jogar no Real Madrid, o técnico português sabe que a capital espanhola é apenas mais um cromo na sua mala de viagens. Até agora repleta de boas recordações. Mais do que contratar as peças chave para o seu modelo de jogo. Ou do que resolver os graves problemas de balneário, o técnico terá de apalpar a realidade que o rodeia e carregar na tecla que melhor o favoreça. Sempre surgiu a prometer algo que os adeptos necessitavam. Agora sabe que isso significa vergar o Barcelona, e não só no que a titulos diz respeito. Mourinho terá de fazer de Cristiano Ronaldo o que Guardiola faz com Messi. Terá de contentar os defensores de um futebol de cantera (que apontam o exemplo do rival) e aqueles que defendem o caracter global de um clube milionário com contratações sonantes. E tudo isso mantendo-se fiel a si mesmo. O único truque na manga ao largo de quase uma dezena de anos de carreira profissional.

Desde Leiria que José Mourinho nunca falhou num projecto desportivo. É a essa realidade de 18 titulos em 8 anos que todos se agarram em Concha Espina. Triunfar aqui pode significar para Mourinho mais do que novos titulos. Será a cereja no topo do bolo da sua carreira. Fechará uma década inédita na vida de qualquer técnico. A prova de que, ao contrário de Wenger, Guardiola ou Ferguson, ele é capaz de vencer em qualquer ambiente, em qualquer projecto independentemente das circunstâncias. Um feito só ao alcance dos grandes profetas.



Miguel Lourenço Pereira às 14:03 | link do post | comentar

4 comentários:
De espanhol a 13 de Maio de 2013 às 11:50
¡Viva Mourinho! ¡Abajo relaño y los segurolos! (Don Federico Jiménez Losantos, dixit)


De espanhol a 13 de Maio de 2013 às 11:52
José Mourinho, Avenida Concha Espina 1, Madrid.....


De espanhol a 13 de Maio de 2013 às 11:56
¿Sus ideas serán aceptadas por la mentalidad del futbolista español?


De espanhol a 13 de Maio de 2013 às 11:57
Tenía mis dudas. Me habían asegurado que fracasaría......


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO