Domingo, 6 de Junho de 2010

Três continentes, quatro filosofias. Nos duelos sem fim entre os integrantes do Grupo E prima o futebol veloz. Mas se uns gostam da velocidade na bola, outros preferem a velocidade nos atletas. O perfume das tulipas é diferente do aroma das selva africana. E está mais distante ainda da tão próxima dinamite dinamarquesa. Mas no futebol as distâncias medem-se em passes e não em quilómetros.

 

Um Mundial mais e a Holanda chega repleta de optimismo. E com razões para isso.

Especialistas em primeiras-fases de luxo e repletos de desilusões quando é a doer, os holandeses sabem que tiveram a benção do sorteio. Os rivais que lhes caem em sorte são, na melhor das hipóteses, equipas com que podem jogar de igual para igual. E isso permite poupar em desgastes tácticos. Fieis ao seu modelo de jogo, os orange querem deixar cedo a sua marca na prova.

Bert van Maarwjick, herdeiro de uma equipa que Marco van Basten nunca soube bem como potenciar, sabe que tem em mãos mais uma excelente geração de atletas. Arjen Robben e Wesley Sneijder chegam a África como dois dos homens do ano. Robbie van Persie está recuperado e Klaas-Jan Huntelaar é um homem diferente quando se veste de laranja. Atrás, o trabalho de Rafael van der Vaart, o resistente de Madrid, e Mark van Bommell voltou a provar que o diabo sabe mais por velho do que por diabo.

Sentir um pulsar de emoção quando se olha para o banco e se encontra a Elia, Kuyt, Babel ou Afellay é algo inevitável. Esta Holanda é veloz. Com e sem a bola nos pés. Tem jogadores para dois dispositivos tácticos e deverá trabalhar num modelo hibrido. Há quem queira ver aqui mais do que a tradição permite. Será só pura ousadia?

 

Num dos grupos com mais finalistas europeus do ano, é impossível não destacar o imenso Samuel Eto´o.

Há jogadores que definem equipas. Assim se passa com os Camarões e Eto´o. Ao contrário de Gana e Costa de Marfim, que valem pelo colectivo, os Camarões são um conjunto muito mais desordenado e inexperiente. Mas têm um toque de raça e espirito de sacrificio que lhes permite suplantar quase todas as adversidades. Como o seu avançado estelar, um dos poucos homens que podem presumir de ser tricampeões europeus. Sempre remando contra ventos e marés.

É verdade que o avançado do Inter não está só nesta luta. Há mais, como ele claro. Emaná do Bétis, Jean Il Makoun do Olympique de Lyon ou Stephane Mbia, recém sagrado campeão pelo Marseille, são lutadores natos. Homens a quem o destino enviou numa missão. Ao seu lado haverá elementos mais virtuosos (Alexander Song, Assou Ekotto, Idrissa) ou mais viris (Enoh, Geremi, Rigobert Song, Webo). Juntos, esta estranha familia, faz uma equipa a ter em atenção. Porque todos falam em África e ninguém fala em Camarões?

O grande rival dos "Leões Indomáveis" é bem conhecido em terras lusas. Uma equipa europeia como há poucas hoje em dia. O que não a impede de triunfar. Esta Dinamarca não tem nem estrelas, nem individualidades nem sequer um modelo de jogo que faz escola. Mas, como os camaroneses, é uma equipa veloz, disciplinada e dura. Dura de dobrar. Aguentou o peso mediático dos portugueses e o virtuoso ataque dos vizinhos suecos. Está por direito próprio na África do Sul e já mostrou, em edições anteriores, que é uma das equipas mais fiáveis do futebol europeu. Bendtner, Gronkjaer, Jorgensen, Agger ou Kalhenberg são nomes reconhecidos mas em campo são apenas constituintes do único jogador que sobe ao relvado: o colectivo. É essa a essência da dinamite dinamarquesa no seu formato mais puro. 

 

O espectro do futebol oriental paira sempre sobre estas provas mas nunca com as cores azuis do Japão.

Quando a J-League emergiu, a meados dos anos 90, muitos acreditavam que o futuro do oriente futebolistico estava no país do "sol nascente". Mas não. Nem em 1998, nem no "seu" Mundial de 2002, nem em 2006. O Japão falha sempre na hora H e olhando agora para o plantel à disposição é dificil perspectivar outro cenário que não seja uma eliminação precoce, mas natural. Há coisas que dificilmente mudam.

 

A Figura: Um dos homens do ano, Wesley Sneijder chega à África do Sul com vontade de acabar com todas as dúvidas à sua volta. Sneijder é o barómetro deste Inter campeão europeu e também se espera que erga o seu olho de falcão para conquistar o coração da selecção holandesa. Foi peça chave na campanha de 2008 e a Holanda conta de novo com ele. Se a equipa for longe, muito longe, há um certo prémio à sua espera. E ele sabe disso!

 

O Duelo: São dois avançados que existem nos antipodas do jogo. Igualmente eficazes, igualmente amados, igualmente espectaculares, definem o diametralmente oposto que pode ser o beautiful game. Se os Camarões contam com Eto´o, o seu xaman particular, a Holanda está eufórica por poder voltar a contar com Robbie van Persie. Não é um killer à antiga, mas tanto ele como o avançado do Inter tratam a bola por "tu". E a baliza por "minha".

 

O Em Jogo aposta em: Holanda e Camarões  


Categorias: ,

Miguel Lourenço Pereira às 15:40 | link do post | comentar

2 comentários:
De Pedro a 6 de Junho de 2010 às 23:49
Miguel,

Marwijk monta um 4-2-3-1, com constantes trocas de passes, de primeira, para rasgar em velocidade de ponta no ataque. Heitinga tem sido aposta mais segura que Oijer como central-direito. No meio-campo, duplo pivot para respeitar a ordem trazida do Bayern para Van Bommel. Assim rende mais. Van der Vaart dificilmente jogará na esquerda do tridente de ataque, podendo, em jogos mais fáceis (ex. Japão) jogar de perfil com Sneijder com Bommel atrás num 4-3-3. Voltando ao 4-2-3-1, Kuyt deve ser titular, à esquerda ou à direita, sempre "escravo" dos apetites de Robben. Com Van Persie bem fresco, a Laranja Mecânica pode reaparecer.

A Dinamarca joga pela certa, atrás, acelera também pelas alas, metendo depois bolas no meio para Bendtner. Defesa a 4 com Agger a comandar no centro-esquerda. Poulsen vai ser o líder do duplo-pivot do meio-campo, injectando critério. Na frente o "velho" Tomasson andará vagabundeando nas costas de Bendtner, esperando espaço onde entrar. Razoavelmente consistente como bloco, mas com carências individuais em todos os sectores. Não é de desprezar a passagem aos oitavos, essencialmente pela fragilidade defensiva dos Camarões.

Os leões indomáveis, mostraram durante a preparação uma debilidade gritante ao nível da segurança sem bola. Valores individuais têm mas como equipa desiludem. Uma defesa permeável mas um meio-campo sedutor com Song, Makoun, Emana. Et'o poderá trazer do Inter a rotina de sair da direita para o meio, mas a equipa, aqui, pode perder com isso. Os Camarões precisam de Eto'o mais próximo da área, do golo. Deverão entusiasmar a espaços mas pelo individualismo. Em 4-3-3, cheira a possível desilusão.

Finalmente o Japão. Chegam com a façanha dos auto-golos! Não cresceram. Depois de Zico em 2006, não houve continuação. Presente nos últimos 3 mundiais, os nipónicos, voltam a apresentar grande fragilidade defensiva, ingenuidade sem bola, valendo apenas, para empolgar um pouco, os rasgos individuais de Honda, a precisão de Nakamura e a experiência de Hasebe. Tacticamente pobre, fica-se à espera do aparecimento de "novas pequenas estrelas".

Aposta em Holanda e Dinamarca

Um abraço

Pedro


De Miguel Lourenço Pereira a 7 de Junho de 2010 às 09:24
Pedro,

Estamos de acordo na maioria dos pontos analisados, mas acredito que o perfume e velocidade da selecção dos Camarões pode iludir a organização aparentemente impermeável da Danish Dynamite.

Um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO