Quinta-feira, 29 de Abril de 2010

Um equipamento de futebol é um forte vinculo entre a equipa e os adeptos. Um elemento de identificação que dá muitas vezes direito a alcunhas e associações que entram para a história. O Brasil canarinho nasceu muito depois do que se suspeita e a Azzurra Itália jogou muitas vezes de negro. Mas quem se lembra? O tempo vai deixando a sua marca mas nos últimos anos essa lembrança tem vindo a ser destroçada pelas grandes companhias desportivas. O que a Nike volta a fazer com o equipamento da selecção de Portugal é apenas mais um (triste) exemplo desta ditadura visual.

A FIFA não permite patrocinios nas camisolas das selecções.

Não por qualquer razão patriótica mas porque nos seus jogos oficiais só os patrocinadores do gigante administrativo estão permitidos. Até os estádios com "naming" oficial são rebaptizados. Tudo em nome do lucro de Blatter e companhia. Mas se esses ingressos, tão importantes para os clubes, estão vedados à Federações, então o dinheiro tem de vir de outro sítio. Não é dificil adivinhar portanto que as empresas de material desportivo são os principais candidatos. E nenhuma soube aproveitar tão bem essa circunstância como a norte-americana Nike. Foi a alemã Adidas a primeira a impor a sua marca. Na altura foram simplesmente três listas nos ombros. Pouca coisa mas que eram suficientes para identificar as equipas que seguiam a companhia. Hoje tanta subtileza é até nostálgica face aos brutais assassínios visuais que empresas como a própria Adidas, Umbro, Kappa, Puma e Nike são capazes de cometer para garantir o seu lucro. A sua quota parte do espectáculo visual.

Não é por mera curiosidade que cada selecção muda, de dois em dois anos, o seu lote de equipamentos. Não se trata apenas de mudar o equipamento. É todo o conceito visual. Onde antes havia tiras agora há um fundo liso. Onde antes havia uma cor agora há duas. Tudo está permitido desde que seja novo, fresco. Rentável. As selecções entregaram a sua identidade nacional às grandes multinacionais e desde então têm pago bem caro esse negócio de Judas. Os equipamentos das selecções mais importantes sofrem verdadeiros crimes de lesa majestade. Que vão aumentando quanto menor for o poder de negociação das respectivas federações. No caso português, nem é preciso dizer, esse é extramemente reduzido.

 

Só isso explica a aceitação da FPF dos novos equipamentos de Portugal para a campanha do próximo Mundial.

A Nike - responsável pelas constantes mutações de visuais dos lusos na última década - volta a rasgar e começar tudo do zero. Com o beneplácito de Madail e companhia. Ao vermelho do equipamento principal (que já foi grenã, vermelho vivo e um vermelho vinho e agora é um vermelho neutro) junta-se uma lista horizontal grossa de cor verde. Um verde picotado que atravessa o peito e rasga o coração. E o design do próprio equipamento numa amostra inédita no historial dos equipamentos lusos. Nada que a Nike não tenha feito. Desde os ombros verdes e amarelos de 1998 ás tiras amarelas do Mundial de 2002, sem esquecer o vermelho com logotipos da FPF de 2004 e o vermelho vivo do último Europeu, tudo lhes é permitido. Esta é apenas mais uma nova aberração visual.

Quanto aos calções, Portugal regressa aos anos 60 e adopta a cor branca. Não o verde que marcou o equipamento pós-25 de Abril até ao Euro 2004. Nem o vermelho que tentaram implementar nos últimos seis anos. Um branco a querer fazer lembrar Eusébio e companhia. Vale tudo para convencer o comprador (adepto) de que aquele é o simbolo do país. Será? Dificilmente.

O segundo equipamento é ainda mais inovador. A Nike já recuperou o azul e branco, o cinzento e até o inédito preto como cores alternativas de um país que dificilmente abdica de jogar de vermelho. Agora são duas listas verticas em verde e vermelho a rasgar uma camisola branca com os tais calções verdes que desapareceram há muito do primeiro equipamento. Porquê? Porque é diferente. E isso vende.

A Nike tem a sua quota de responsabilidade mas o seu negócio é vender. No entanto, nunca ninguém viu o Brasil com uma variação tão radical no seu equipamento principal. Porquê? Simplesmente porque a CBF tem um poder que a FPF não tem. E sabe dizer até que ponto se pode tocar na "canarinha". Como a selecção brasileira há poucas equipas que abdiquem dos seus traços nacionais. Argentina e as suas listas, Espanha e a sua "Roja" e Inglaterra e a dupla histórica azul e branca-vermelhe e branca são casos raros. Fora desse espectro o habitual é que as selecções abdiquem dos seus principios para agradar a quem injecta muitos milhões.

Mais uma vez o Mundial marcará um desfile de 32 novos equipamentos, muitos dos quais nada terão a ver com a nação que os utiliza. Os traços básicos de cor estarão aí, mas os desenhos flutuam na mente dos criadores de novidades. E, inevitavelmente, os adeptos correrão a comprar a última novidade. Assim vive o negócio, assim se perde a identidade. Só faltam lá mesmo os patrocinios. Mas realmente quem precisa deles quando o negócio corre tão bem?



Miguel Lourenço Pereira às 22:58 | link do post | comentar

6 comentários:
De Pedro a 2 de Maio de 2010 às 13:49
O triste é a tendência que as marcas têm em se copiarem. Ora vejamos: Vemos agora uma lista atravessar o tronco da camisola feito pela nike,vemos uma puma em que traça uma linha horizontal num dos lados da camisola, vemos uma a kappa a deliniar uma linha no peito ao zig-zag. Posto isto, para alem de estragarem a autenticidade identitaria que caracteriza cada um, ainda têm a lata de tentar nos enganar com justificações de artistas que não são.


De Miguel Lourenço Pereira a 2 de Maio de 2010 às 16:14
Viva Pedro,

Efectivamente é um problema adicional. As marcas não só perdem a imaginação como depois copiam-se entre si mostrando productos dificilmente identificaveis.

As marcas têm direito a apresentarem novos equipamentos, mas deviam, pelo menos, respeitar a identidade de cada nação. Mas, mais uma vez, o poder das federações determina muito a forma como condicionam o equipamento final. Portugal é o exemplo perfeito!

um abraço


De Ricardo a 3 de Maio de 2010 às 02:00
Ora viva senhores.

A vida é feita de mudanças e de ciclos. Seria entediante se víssemos as equipas e as selecções jogarem com os mesmos equipamentos época atrás de época. Toda a gente gosta e precisa de novidade. A novidade gera interessa e alimenta o comércio que é bom para um negócio que cada vez mais necessita de receitas. Há equipas que pagam as suas dividas só com camisolas (ex. CR9 , Figo, Messi , Ronaldinho ).
O marketing é uma questão incontornável dos dias de hoje. As marcas desportivas criam uma identidade que é renovada ciclicamente (de 2 em 2 anos) e os clubes/selecções fundem a sua tradição com a das marcas que as patrocinam. Não foi há muito tempo atrás que aqui se escreveu um post sobre a origem da cor rosa no equipamento alternativo da Juventos e das listas pretas e brancas da camisola principal. Pessoalmente, gosto da linha pensamento da Nike que tenta recuperar o design das épocas mais marcantes de cada selecção (no nosso caso, o equipamento do mundial de 66). Há equipamentos que apesar de horríveis marcam a história por estarem associados as bons resultados que uma determinada equipa atingiu (ex. Dinamarca Euro84 ).
Mas, maior atentado que uma simples risca verde num equipamento ou a mudança de cor num calção, é encher os equipamentos de patrocínios ou vender os nomes dos estádios a empresas privadas.
A tradição é um conceito bastante relativo. Proponho-vos que investiguem 5 clubes históricos e 5 selecções históricas e verifiquem que todos sofreram com as tendências da época, e que hoje olhamos para trás com alguma nostalgia porque há equipamentos que nos fazerem recordar grandes jogos e grandes momentos.

abraços


De Miguel Lourenço Pereira a 3 de Maio de 2010 às 08:16
Ricardo,

Estamos de acordo que o marketing hoje em dia é fundamental no mundo do desporto. E que a evolução visual sempre fez parte do jogo. Mas uma coisa é a evolução e o toque de novidade. Outra é a constante adulteração dos conceitos que estão por detrás dos equipamentos nacionais.

Recuperar o equipamento de 66 é uma ideia interessante e legitima como foi o do França 98 que tão bons resultados lhes deu. Mas o que empresas como a Adidas ou Nike fazem, de dois em dois anos, é a questão a plantear. Até porque há casos e casos, como aqui disse. O Brasil raramente vê o seu equipamento alterar-se desde 1962. E isso advém do poder da CBF. Já com Portugal a mutaçao é constante e chega a ser exagerada, particularmente no chamado "2nd equipamento", onde já fomos de todas as cores possiveis e imagináveis. Uma situaçao admissivel num clube, mas numa seleçao nem tanto.

Se é verdade que a maioria dos clubes utiliza hoje equipamentos bem diferentes da sua génese, o mesmo já nao se aplica às selecçoes onde as cores nacionais continuam a ser bastante similares aos das primeiras ediçoes dos Mundiais com pontuais excepçoes. Jogar com isso é também jogar com um dos mais poderosos simbolos nacionais de hoje em dia, num mundo em que os torneios de futebol substituiram as guerras entre naçoes como simbolos do brio nacional.

um abraço


De Ricardo a 6 de Maio de 2010 às 16:20
Continuo a achar que no meio disto tudo quem perde é a FBF e, principalmente, os adeptos brasileiros por não poderem desfrutar do génio inventivo de algumas marcas desportivas. Eu estou muito contente com os novos equipamentos de Portugal, quer seja com o 1º quer seja com o 2º e não me lembro de alguma vez ter tido tanta vontade de comprar o equipamento completo da nossa selecção como tenho agora (e não é com certeza porque eu tenha muito fé no desempenho da selecção no mundial).

abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 6 de Maio de 2010 às 16:51
Viva Ricardo,

Naturalmene há quem goste, e tem todo o direito, de uma constante mudança nos equipamentos. Mas se fizeres um repasso sobre a opiniao publica brasileira verás que nao ha para os brasileiros algo mais sagrado que a impoluta "amarelinha".

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO