Quarta-feira, 21 de Abril de 2010

Não se enganava Guardiola. Não era um exercicio de falsa modéstia. O técnico blaugrana, a novidade mais refrescante do futebol europeu dos últimos cinco anos, sabia do que falava. O Inter é a equipa melhor treinada do Mundo. E, por uma vez, o futebol artistico de toque do Barça viu-se superado pela genialidade táctica do português. O Inter logrou o impossível. Quem disse que Mourinho era um técnico defensivo?

Num dos maiores recitais tácticos de que há memória, a aparente superioridade técnica do Barcelona foi suplantada pela exibição quase perfeita do conjunto neruazurri. Um exercico de controlo absoluto dos mandamentos chaves do beautiful game do professor Mourinho. Dois anos depois, e talvez pela única vez, Guardiola viu-se totalmente superado. Superado na preparação do choque. Superado no decorrer do jogo. Superado nos mais pequenos detalhes. O técnico catalão é muito provavelmente um dos mais geniais treinadores de que há memória. E só leva dois anos na alta competição. No entanto, e apesar de se ter mantido fiel á sua filosofia de futebol de toque, Guardiola não soube reagir á teia montada habilmente pelo setubalense. Se o Barcelona é a equipa de toque rápido por excelência, o Inter é a melhor formação táctica do Mundo. A que melhor controla o espaço. Sem bola não se pode jogar. Mas sem espaços também não. Venceria quem soubesse melhor roubar o que o outro tinha de vantagem. E foi o Inter. A equipa italiana exerceu durante todo o jogo uma constante pressão. Nunca marcou ao homem. Nunca foi preciso. Xavi e Messi, os dois génios do Barcelona, foram totalmente asfixiados pela ocupação do onze do Inter. Motta e Cambiasso cercavam filas e o apoio constante de Zanetti e Maicon, sem esquecer o incansável Sneijder, fizeram o resto. Durante 90 o Barcelona poucas vezes soube criar uma jogada de raiz. Teve oportunidades, marcou depois de um dos poucos erros defensivos italianos, mas foi totalmente anestesiado. Por uma equipa muito superior.

Com uma pressão vertical constante o Inter cortou a habitual táctica espanhola de começar cada lance no sector defensivo.

O jogo italiano anulou por completo as subidas de Pique no apoio a um Busquets sempre muito só nos duelos com os mais raçudos centro-campistas italianos. E se Alves foi tentando subir pela direita, a verdade é que do brasileiro veio pouco perigo. Ao contrário de Maxwell, que se revelou mais certeiro abrindo as linhas para o lance que, injustamente, colocou o conjunto catalão á frente do marcador. Um golo importante mas que não abalou o conjunto do português. Os soldados do general Mourinho fecharam filas. Juntaram-se na linha de meio-campo, exploraram o contra-golpe certeiro, enquanto iam secando todas as tentativas de Xavi em pautar o ritmo de jogo. Messi, pela primeira vez em largos jogos, foi travado de forma certeira. E sem eles a equipa de Barcelona vulgarizou-se. Ibrahimovic foi engolido pela imensa dupla de centrais, Lucio e Samuel, enquanto que Sneijder pautava, ele sim, a forma como o campo se encurtava e extendia no terreno de jogo. Num dos seus lances tipicos ajudou a desiquilibrar o contra-golpe surgindo depois para finalizar. O empate era um resultado injusto no intervalo e rapidamente o tento de Maicon colocou a justiça no marcador. Um golo depois de mais um lance tipico da cartilha Mourinho. A perder o Barcelona tentou lançar bolas para as alas. Guardiola preparava Abidal, para adiantar Maxwell como falso extremo, quando o conjunto italiano deu o golpe de graça. Milito não perdoou e garantiu que, pela primeira vez em dois anos, Guardiola fosse derrotado por mais de um golo de diferença. Uma realidade que espelha bem a superioridade no terreno de jogo do Inter. E que deixa muitas dúvidas para o duelo no Camp Nou.

Se Guardiola nunca quis abdicar do principio de jogar a partir do meio campo em constantes triangulações - bem gesticulou a Xavi para que pautasse o jogo - a verdade é que o Barcelona esteve constantemente incómodo. Sneijder explorou sempre as transições laterais e os rápidos lançamentos para os sprints de Milito, Pandev e Etoo. Se o camaronês teve (mais um) dia não, já o argentino e o macedónio foram um autêntico pesadelo para Alves e Maxwell, descaindo sempre para os flancos e permitindo a chegada da segunda linha. O jogo começou com um campo largo mas á medida que o controlo italiano ia aumentando Mourinho dava ordem para reduzir o espaço de jogo. E as linhas fundiam-se quase numa só. E anulavam todas as transições catalãs. A basculação lateral de Sneijder determinou a forma como o jogo ia saltando de um lado ao outro a seu belo prazer. Algo que Guardiola nunca soube anular, já que nem Busquets, nem Keita conseguiram tapar o veloz e imenso holandês. É indubitável pensar que Wesley Sneijder, um descartado do Real Madrid como o é também Arjen Robben, seja um dos máximos candidatos a MVP da Champions League. Uma vez mais o jogo decidiu-se na sua mente antes da bola pousar no relvado. E no entanto, nunca houve um número 10, um pensador, que ao mesmo tempo fosse o mais pressionante, o mais lutador de todos os jogadores em campo. Mourinho encontrou na sua estrela uma arma gémea.

No futebol pode suceder um pouco de tudo. 2-0 é o resultado do que o Barcelona necessita. Foi o que logrou há meses no duelo da fase de grupos. Mas Mourinho já avisou que este Inter  é outro Inter. E que na próxima Quarta-Feira a equipa estará, como um escorpião, á espera de infligir o golpe mais letal. Tal como em Londres. Tal como em Moscovo. Com golos venenosos. Com exibições personalizadas. Com um general que se prepara para a sua maior batalha.   

 



Miguel Lourenço Pereira às 00:01 | link do post | comentar

2 comentários:
De zzeluis a 23 de Abril de 2010 às 00:51
Que o Mourinho sabe muito, sabe. Que planteou a táctica bem, é verdade. Mas a mim custa-me os exageros injustificados e já adivinhava que pensarias assim, Miguel.

O Inter especulou com o jogo, como sempre, não o queria perder como não quis no 0-0 do primeiro embate de Setembro, jogando na espera e, então, feliz por evitar perder em casa.

O Barça acusou o desgaste da viagem de autocarro (como o Lyon, o Liverpool...), sentiu-se os jogadores presos de pernas. Quando marcou não aceditei que o Inter virasse o jogo.

Mas um jogo tem muitos factores para além das peças à partida. E o árbitro ajudou ao massacre físico do Barça, permitiu um golo irregular e negou uma gp que poderia pôr a coisa em empate com golos (2-2). Que me parecia mais justo.

Depois, a táctica, a coisa, o acerto, etc., bah, defendeu na retranca como se diria se fosse o Manel das Xiças e o Mija na Escada FC. E teve sorte. Vergastado por contra-ataques venenosos, o Barça nunca deixou de jogar. Batia contra uma parede que por sua vez batia nas pernas dos jogadores do Barça. Com a complacência do Olarápio.

As incidências da partida são bem mais do que subjectivos aspectos táctico-estratégicos reforçados se o resultado lhes der razão, conquanto a essência do jogo tenha sido outra - mas o futebol é assim.

Hiperbolizado.


De Miguel Lourenço Pereira a 23 de Abril de 2010 às 08:25
Bem vindo Zé Luis,

Também sabia que pensarias assim, aliás li a tua reflexão no PdB e seguia precisamente esse raciocinio.

Acho que todos gostam de futebol bonito, de toque, de espectáculo puro. Mas o futebol não se reduz a isso. Contra este Barça não se pode jogar de igual para igual, como nao se podia fazer o mesmo com a Holanda de 74 ou o Brasil de 82. Porque são melhores, ponto.

O Mourinho é competitivo até à medula e nao se importa de como ganha, desde que ganhe. E a verdade é que ganhou. Com dois golos de diferença, algo inédito em 2 anos de Guardiola de quem, como sabes, tenho especial predilecção. E fê-lo com as armas que tinha, jogadores com raça, atitude e rápidos onde o Barça tinha pensadores, trianguladores e cerebro.

Há vários condicionantes, está claro. Em qualquer jogo. O cansaço pode ter sido um deles e a UEFA terá de pensar se vale a pena colocar em risco uma época por decisoes tao despropositadas. Que a arbitragem portuguesa é do pior que há da Europa ficou o Mundo a ver em detalhe. Nao acredito em favorecimentos. Só em incompetencia. E Benquerança ha muito que o é.

Em Camp Nou tudo pode suceder e o Inter nao tem a classe que tinha o FCP de 2004, nem mesmo dos primeiros anos do Chelsea. Mas tem uma mentalidade que faz falta neste tipo de jogos e que também faz parte do jogo.

Ao Barcelona já o Espanyol provou como se pode parar. Mourinho demonstrou que se lhes pode ganhar. Nao quer necessariamente dizer que foram melhores. Mas se há um técnico que sabe como anular o rival e levar de vencida uma eliminatoria desigualada à partida, é ele. E merece ser reconhecido por isso.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO