Sábado, 17 de Abril de 2010

Faltam menos de dois meses para o arranque do primeiro Mundial africano e a dura realidade é que a cada dia que passa se questiona com mais razão a popular escolha da FIFA. Problemas logisticos graves e uma autêntica revolução na venda de entradas deixam a sempre exigente FIFA em cheque. O profissionalismo da organização-mãe do jogo contraste com os constantes tropeções de um país pouco habituado ao mais alto nível.

Não é por acaso que os europeus esfregam as mãos de contentes. Depois do choque que significou a perda da organização do Mundial 2010 (e 2014) para África do Sul e Brasil, agora começam a apontar o dedo à FIFA pela sua escolha populista. Precipitada para muitos. Irreflectida para outros. Optimista em excesso para a maioria. Na ânsia de levar o Mundial a África (a partir de Julho só a Oceânia constará na lista dos continentes sem um Mundial organizado), a FIFA deixou de lado o seu elevado padrão de exigência. Mudou posturas que elevaram o profissionalismo da organização ao seu nível actual. E colocou em risco a realização de um torneio que tinha todos os condimentos para tornar-se memorável. Se a prova se revelar um fiasco a FIFA perderá toda a credibilidade para organizar uma nova aventura e deixar de lado as sempre sólidas candidaturas europeias. Um piscar de olhos também à UEFA que preferiu arriscar com a Polónia e Ucrânia e agora vive na incerteza de que se há realmente condições para que o Euro 2012 seja o primeiro na Europa de Leste desde a queda do Muro de Berlim. Porque uma coisa é a democracia institucional e o optimismo. Outra é a crua realidade.

 

A FIFA (e por arrastro, a UEFA) especializou-se na última década em eliminar a venda de bilhetes para grandes eventos fora do circuito electrónico.

Qualquer final de prova da FIFA, qualquer competição europeia de clubes e claro, qualquer Mundial, desde 2002, só pode ser visto se o espectador comprar o bilhete através da página oficial da organização. Isso garante, segundo a FIFA, uma dupla segurança. Por um lado permite filtrar a entrada de hooligans e controlar o número de adeptos afectos a cada nação em todos os encontros. Por outro permite centralizar de forma eficaz todas as receitas, prende o espectador ao bilhete e controla o mercado de revenda. Manobras úteis que se tornaram prática corrente. Até agora. Se a FIFA manteve a sua politica de venda até esta semana os números assustadoramente baixos de gente interessada em atravessar o Mundo até um dos países mais perigosos do hemisfério sul fizeram a direcção reflectir. Os europeus - mesmo os alemães e ingleses, as maiores hostes de adeptos migrantes - pensarão duas vezes nos gastos e na segurança. A situação economica mundial servirá também para reduzir o impacto das equipas da América Latina ou Ásia. E claro, para os adeptos locais, a compra online ainda é uma doce ilusão. Até ao dia de hoje só a final tinha já todos os bilhetes vendidos. Muito pouco comparada com 2006 mas que faz lembrar o fenómeno de 2002, onde na distante Coreia do Sul, os organizadores foram obrigados a vestir locais com as cores de cada equipa para dar a ilusão de estádios cheios de adeptos quando as vendas andaram muito por baixo da média. É um facto, os adeptos que realmente vão a provas como esta concentram-se na Europa Ocidental. A ausência de grandes equipas ou as longas distâncias colocam em xeque a alfuência de público. Foi um choque para muitos ver pessoas a comprar bilhetes para o Mundial em supermercados. Mas esse é o modelo sul-africano. E a FIFA teve de ceder. Abdicar dos seus principios para garantir que os estádios têm uma moldura humana significativa. Mesmo que isso comprometa todos os ideias. Money obliges.

 

No entanto não é só a polémica questão dos bilhetes (o elevado preço e a inevitável revenda faz esperar que muitos jogos tenham uma assistência a roçar minimos históricos, até porque estima-se que não superem os 30 mil, os visitantes estrangeiros) que tem colocado a FIFA num embróglio complicado. A organização presidida por Sepp Blatter concentrou-se largos meses nos estádios, muitos deles construidos sem motivo e apenas para dar negócio a empresas de construção civil locais. E esqueceu-se, muitas vezes, nas infra-estruturas fundamentais num país onde muitas selecções terão de fazer largas horas de avião, experimentar climas distintos no espaço de dias e cuja massa de adeptos terá de os acompanhar nas mais incriveis condições. Não é só a problemática hoteleira que assusta a FIFA. A confissão de um iminente médico que colabora com a organização de que nenhum hospital da África do Sul está preparado para uma circunstância excepcional deixa o aviso. Serão só os hospitais. Haverá algum plano B? Haverá sequer, a preocupação em que existam planos de contingência para proteger adeptos, equipas, organização e autoctones de um problema que pode ir de um atentado terrorista a uma larga intempérie de Inverno frio e chuvoso sul-africano? Afinal, em 2001 morreram 40 pessoas em Joanesburgo ao sair precipitadamente de um jogo. Não é assim tanto tempo.

A questão ganha um contorno especial se atentarmos à dualidade de critérios. A países como Inglaterra, Alemanha, Espanha, França ou Itália a FIFA nunca permitiria esta politica desastrosa. Pelo contrário, seria motivo suficiente para multar ou até mesmo, alterar o organizador. Mas estamos em África e voltar atrás agora é impossível. Não só por problemas logisticos. Porque estes existem há muito. Acima de tudo, é um braço de ferro entre a FIFA e o Mundo. Um braço de ferro que coloca em entre-dito a própria essência desportiva e gestora da milionário organização.

 

Tudo pode ainda suceder e a organização do Mundial pode passar por um mês imaculado e entrar na história como um caso de sucesso. Mas as probabilidades jogam em contra da FIFA e dos sul-africanos. Inverno, problemas logisticos, falta de organização, ausência de público, problemas de segurança, longas distâncias, horários complexos. Ingredientes pouco atractivos para uma prova que faz parar o relógio do Mundo de quatro em quatro anos.



Miguel Lourenço Pereira às 10:22 | link do post | comentar

1 comentário:
De sergio a 18 de Abril de 2010 às 15:07
Marrocos era bem mais perto...


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO