Segunda-feira, 26 de Abril de 2010

2003-2004. 38 jogos. Uma liga inteira. Sem serem batidos. Um registo histórico que poucas equipas alcançaram. Fazê-lo na ultra-competitiva Premier League torna a gesta ainda mais memorável. Não é por acaso que lhe chamam, ainda hoje, "The Invincibles". Poucas equipas jogaram com a pura magia daquele conjunto gunner do marechal Wenger.

Não foram os primeiros. Mas a diferença histórica que separa o Arsenal de 2004 com o Preston North End de 1888 é esmagadora.

Naquela época, uma das primeiras da história do futebol associado inglês, o conjunto dos subúrbios de Manchester conseguiu um registo impecável de 18 vitórias e 4 empates em 22 jogos oficiais. Um titulo cómodo a que se juntou a vitória na FA Cup sem conceder um só golo ao longo de toda a campanha. Foi a primeira dobradinha da história do futebol. Mas, com as devidas distâncias bem medidas, mesmo assim parece pouco comparada com a saga dos gunners do novo milénio.

Frente a uma legião de rivais de elite, o Arsenal provou ser a equipa perfeita. Falhou nas provas a eliminar, é certo. Mas a regularidade espantosa ao longo da Premier League é algo que, muito dificilmente, se voltará a ver. Nessa época a 38 jogos a equipa não perdeu nenhum. Conseguiu 26 triunfos e 12 empates. Uma racha que se estendeu durante 49 jogos, os primeiros onze da época seguinte que, curiosamente, viria a significar uma mudança histórica de ciclo, com a chegada a terras de sua Majestade de José Mourinho.

 

Nessa época histórica Arsene Wenger montou talvez a sua melhor formação até à data.

O francês tinha chegado em 1996 a Londres e rapidamente mostrou ser um técnico especial. Fez a equipa vencer a Dobradinha de 1998, mudou por completo o estilo do jogo do até então "boring Arsenal" e reformulou a politica de prospecção do clube. Cinco anos depois o projecto começava a dar lucro e a equipa vencera a Liga de 2002 com autoridade. Na época anterior, no entanto, o conjunto gunner tinha caído diante dos Red Devils. Mas a máquina estava já oleada. Aos notáveis internacionais que Wenger tinha recrutado a preço de saldo começavam a juntar-se as pérolas formadas no centro de estágio do clube. Ainda não era preciso vender anualmente as mais requintadas jóias e o sonho da Champions estava lá, incolume. Pelo menos isso não mudou. Nessa época, aliás, foi a grande desilusão europeia. Muitos davam em Fevereiro o conjunto londrino como o máximo favorito a vencer a prova. Mas a equipa caiu em Highbury com o eterno rival londrino nos Quartos de Final e disse adeus ao sonho europeu que isso ano se escreveu com azul e branco. Na FA Cup a equipa perdeu com outro dos seus rivais mais directos, o Manchester United. Duas derrotas que mancharam uma época a todos os titulos única. E que começou numa tarde de Verão em Londres num duelo contra o Everton do jovem Wayne Rooney. Um triunfo por 2-1 que seria o prenuncio da mágica série que se iria seguir. A vitória diante do Chelsea ajudou a apagar a imagem de um sério empate a zero em Old Trafford em Outubro. A 21 de Dezembro o conjunto empatou com o Bolton e perdeu a liderança. A 18 de Janeiro uma categórica vitória em Villa Park devolveu o clube ao primeiro posto. De onde não voltaria a sair entrando numa série de nove vitórias consecutivas. A goleada por 5-0 frente ao Leeds United, a 16 de Abril foi a confirmação de que o título voltava a Londres. Uma tarde de gala para uma equipa inesquecível.

 

O técnico tinha estado pouco activo no mercado, substituindo David Seaman pelo alemão Jens Lehman e contratando ao Sevilla a então promessa espanhola Juan Antonio Reyes. Anónima foi a aquisição ao Barcelona de um jovem chamado Francesc Fabregas que teria a oportunidade de se estrear na Carling Cup meses depois.

A equipa manteve o seu registo de bom futebol durante todo o anol Apoiando-se numa sólida defesa onde Lauren, Campbell, Touré e Cole punham a nota máxima de eficácia, dando uma imensa liberdade ao restante colectivo para porem em marcha um modelo de jogo que durante 365 deixou a Europa encandilada. Vieira como pivot do trio Ljunberg, Pires e Gilberto Silva, fez uma das suas mais espantosas temporadas. Os golos do sueco e as assistências do francês marcaram a caminhada final rumo ao titulo. E o brasileiro confirmou a sua espantosa evolução e adaptação ao futebol britânica. Na frente a mágica dupla Bergkamp-Henry. Uma parceria irrepetível que marcou uma era exibindo nessa época um registo espantoso de 45 golos entre ambos. Num banco de suplentes recheado de talento o técnico francês soube montar um plantel equilibrado. Os contributos de Edu, Pascal Cygan, o veterano Ray Parlour, o espanhol Reyes, o recém-chegado Clichy, o avançado francês Sylvan Wiltord ou o inesquecível Kanu foram fulcrais.

A época seguinte apresentava-se a ocasião perfeita para a equipa de Wenger fazer história. E nos dez primeiros jogos a equipa permaneceu invencível. Mas uma derrota frente ao Manchester United e uma série impecável de vitórias consecutivas do Chelsea de Mourinho ditaram o nascimento de uma nova ordem. Ao mágico conjunto dos Invencibles ficou a lembrança de um ano que provavelmente será irrepetível.



Miguel Lourenço Pereira às 11:41 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO