Domingo, 18 de Abril de 2010

Poucos eventos desportivos foram tão politizados como o Mundial de 1978. Um Mundial desenhado, desde as profundezas, à medida da selecção argentina. Uma equipa em descrédito, muito longe da elite, que foi ultrapassando timidamente cada obstáculo para chegar à final dos papeis brancos e derrotar, uma vez mais, a amaldiçoada Holanda.

 

Para a história fica o sorriso sinistro de Videla, o homem que ajudou a dar forma ao Mundial da sua Argentina.

Uma prova repleta de polémica mesmo antes da bola ter arrancado. E que ainda hoje perdura. Goleadas inexplicáveis, estádios repletas de agentes especiais destacados para fazer prisões selectivas e um astro mundial que se recusou a viajar por não querer jogar num país onde pessoas desapareciam. Provavelmente só o Mundial de 1934, sob o signo de Mussolini, foi tão politizado como este. Em ambos os casos a estratégia funcionou. Mas ao contrário daquela squadra azzura, a Argentina não era no terreno de jogo favorita. Ganhou o favoritismo a pulso, entre bons jogos, um público fanático e uma série de erros alheios. Ou talvez não. Em todos os seis jogos que antecederam a final os argentinos beneficiaram de jogar depois dos rivais, sabendo precisamente do que necessitavam para seguir em frente. Naquela tarde em Buenos Aires, com o Mundo em suspenso, a sorte esteve sempre do seu lado. O remate no ferro de Filol a poucos segundos do fim evitou a desgraça. A maior frescura fisica e a falta de crença de uns holandeses abandonados ao seu próprio desespero fizeram o resto. Um 3-1 que espelha pouco o que se passou nos longos 120 minutos de jogo. Pela segunda vez uma final ia a prolongamento. Pela segunda vez o tempo extra deu o titulo ao onze anfitrião. Kempes entrou na galeria dos goleadores. O jogo fisico de Passarella e Houseman, o talento de Villa e Ortiz e a classe de Ardilles fizeram o resto.

 

Foi o Mundial das surpresas na primeira fase. Nos quatro grupos os favoritos apuraram-se no segundo posto. A Polónia confirmou a boa forma e superou uma pálida RF Alemanha, bem longe dos seus melhores dias. A favorita Holanda caiu aos pés da Escócia, nessa noite histórica, para acabar atrás do Peru de Cubillas. O mesmo superior Peru que cairá, pouco depois, por seis golos, diante de uma Argentina a quem tinha ganho os confrontos anteriores com folgadez. A Áustria bateu Espanha e Suécia para passar à frente do desorganizado Brasil que depois de dois empates acabou por passar graças a uma vitória sobre uma equipa austriaco cheia de reservas. Quatro depois um cenário similar voltaria a ter a Áustria como triste protagonista. Por fim a Argentina, que tinha o beneficio de jogar em casa, não soube bater uma renascida Itália e viu-se relegada para o segundo posto. O conjunto albiceleste tinha batido uma tenra França e uma frágil Hungria. Mas sempre a sofrer mais do que esperado. Mas evitou os tubarões europeus. Os que se foram degladiando entre si entre jogos adormecidos e golos espantosos. O remate de Arie Haan decidiu uma mano a mano entre holandeses e italianos. A mesma Holanda que tinha trucidado por 5-1 a Áustria acabava por adormecer num empate a zero com a RF Alemanha. E só esse triunfo sofrido decidiu o passaporte para a grande final. Do outro lado, nada mais do que polémica a pautar cada jogo do onze argentino. A equipa orientada por Cesar Luis Menotti começou por vencer a Polónia por 2-0 com dois polémicos golos de Mario Kempes. Horas antes o Brasil tinha marcado mais um golo ao Peru. Ambos empataram a zero no confronto directo e na noite do jogo decisivo, em Rosário, o onze celeste entrou em campo a saber que o Brasil tinha marcado outros três golos à Polónia. Era simples. A Argentina tinha de vencer por cinco golos de diferença. Ou não havia final.

 

A história tratou de contar o resto. Os defesas peruanos não reagiam aos lançamentos rápidos de Ardilles e Luque. O guardião peruano não se estirou ás bolas. O mago Cubillas, desapareceu. Tudo parecia fácil demais. Os brasileiros desesperavam com a marcha do marcador. Depois do 2-0 ao intervalo, os argentinos conseguem três golos em 15 minutos. Para não deixar dúvidas apontam um sexto, já desnecessário. O Brasil caía, por dois golos. Dois polémicos golos. Por isso quando a bola de Resenbrink esbateu com o poste de Fillol, o general Videla sorriu. Kempes e Bertoni fizeram a festa depois. Os papelinhos voltaram a voar, os desaparecidos ficaram no esquecimento. O futebol saiu corado de vergonha do Monumental. Seria a última vez.



Miguel Lourenço Pereira às 16:12 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO