Quarta-feira, 31 de Março de 2010

Nenhuma equipa como o Manchester United sabe da importância que os minutos de desconto podem ter no desenrolar de um jogo. Ontem Alex Ferguson esteve amnésico. E o Bayern teve direito a uma doce desforra. Mais do que voltar a vencer o rival inglês (que só por uma vez logrou derrotar o clube bávaro), fê-lo nesse minuto mágico...90+2.

Barcelona está vingada. Uma vez mais. Na hora certo. Minuto pontual.

Não foi apenas o facto de ontem o Bayern e Man Utd terem trocado de papéis. Os cinicos alemães tornaram-se em fantasistas de teor ofensivo e os românticos ingleses foram os cruéis defensores do jogo de táctica e ferrolho. Foi o doce grito de revolta de uma angústia que leva mais de uma década apertada no peito do adepto alemão. Ontem cada adepto do Bayern Munchen teve de reler e rever as dolorosas imagens da quente noite de Maio barcelonesa. Só eles perceberam o grito de Olic, camisola arrojada ao chão, delirio no olhar. Um golo justo. Pela história. E pelos 91 minutos anteriores. O jogo abriu com um golo e fechou com outro. Pelo meio só houve uma equipa a querer jogar. Querer ganhar. E não foi o Manchester United. Ao marechal Ferguson ontem faltaram-lhe todos os generais. Os mais veteranos esconderam-se atrás dos batalhões. Gary Neville cometeu uma falta de juvenil e abriu caminho a um fortuito empate, cortesia de Rooney. O médio Paul Scholes, que nem jogou essa mitica final, nunca se encontrou no relvado. Há anos, muito provavelemnte, que o 18 falhava tantos passes numa só noite. Destruiu o jogo de construção do United. Carrick e Fletcher, mais preocupados em destruir e perder tempo, também não ajudaram. E o jogo estancou aí. Nem Nani, demasiado verde, nem Park, pendente de recuar para formar o tampão, souberam estar à altura. E o gigante Rooney abriu as hostilidades com um golpe oportuno de cabeça para depois desaparecer. Por duas vezes teve o golo. Por duas vezes falhou. E no final saiu com dores no pé, colocando em risco tudo. A Champions, a Premier e até o Mundial. Noite negra.

 

Mas se houve ontem futebol ele saiu do conjunto bávaro. Ribery foi atrevido e van Bommell activo. Foram dando forma ao ataque alemão que Klose e Olic teimavam em não aproveitar. Com Robben e Schweinsteiger na bancada os adeptos desesperavam por mais contundência. O golo do United, madrugador como poucos, doía bastante. Até que o francês remata num inocente livre contra a barreira e o destino faz-lhe um favor. Tudo igual outra vez. E justiça no tapete verde. Ao contrário do que seria de esperar, o balneário fez muito mal ao Man Utd. A equipa voltou ainda mais conservadora e defensiva, se cabe. E o Bayern atacou com tudo. Com a entrada de Gomez o massacre tomou outras proporções e a defesa inglesa era incapaz de estancar a hemorragia. O Bayern jogava já num 4-1-3-1 declaradamente ofensivo pensando apenas na vitória. Ferguson tentou ludibriar van Gaal lançando Valencia e Berbatov, dois homens de ataque. Mas que se limitaram a refrescar o tampão. Nunca o United voltou a mostrar querer vencer. O empate era cómodo para a segunda mão. Assim pensavam os germânicos há 11 anos atrás. E o destino enganou-os. Desta feito o árbitro deu 2, não 3 minutos de desconto. A bola pelo corredor direito do Bayern, um erro garrafal de Patrice Evra, uma desatenção do veterano Ferdinand. Um golo de raiva contida nas entranhas.

Confirmada a malapata do United frente ao Bayern, a vitória dos alemães deixa antever uma noite inesquecível para Old Trafford. No seu castelo Ferguson é rei na Europa mas o reforçado conjunto alemão tem mais armas das que as necessárias para marcar e anular a desvantagem do golo fora. Isso obriga o United a abdicar por uma vez do seu cinismo europeu e atacar. Com todas as forças. Sem Wayne Rooney a equipa dependerá, mais do que nunca, do militarismo eficaz da segunda linha. Terá de marcar. Terá de lutar pela vitória. E não esquecer que os deuses da fortuna são traiçoeiros.



Miguel Lourenço Pereira às 12:26 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO