Quarta-feira, 31 de Março de 2010

Os adeptos não tiveram dúvidas e elegeram-no o melhor da sua história. E agora terbo de sofrer e vê-lo do outro lado. Um sofrimento mutuo. Thierry Henry ainda está apaixonado pelo Arsenal. Ponderou nem jogar esta eliminatória. Acabará por subir hoje ao relvado de um estádio que ajudou a pagar. Mas, mais do que alguém alguma vez esteve, o seu coração estará partido. Já não existe o amor eterno!

Há três semanas viu-se o rosto de Beckham ao voltar a Old Trafford. E o aplauso senhorial do público. Para hoje espera-se uma reacção ainda mais apoteótica para o homem que definiu o que é o Arsenal do novo milénio. Só que ao contrário de Becks, a verdade é que Henry nunca se foi. O jogador que recusou em 2006 uma oferta milionária do Barça apenas porque era incapaz de deixar os adeptos gunners precisamente após estes perderem a final da Champions frente aos blaugrana, estará de regresso. Mas magoado consigo mesmo. E com o cruel destino.

Se do lado do Arsenal a sua actual figura é um catalão de Arenys de Mar, formado na Masia, e que todos os anos sonha em voltar ao Camp Nou, é curioso que do lado do Barcelona esteja a estrela número 1 da constelação gunner. De todos os tempos. Oito anos (1999-2007) bastaram para os adeptos do clube londrino o elegerem como o melhor de sempre. À frente de qualquer elemento da equipa de Chapman, do irlandês Liam Brady, do férreo Tony Adams, dos goleadores Wright ou Bergkamp. O francês suplantou-os a todos. Naturalmente. Nunca os gunners jogaram tão bem. Nunca foram tão letais do que com o número 14. Em oito anos a equipa venceu duas vezes a Premier, foi a uma final da Champions e outra da UEFA. Venceu 3 FA Cups. E sobreviveu às constantes sangrias que, Verão após Verão, fustigava Londres. No meio de tudo isso Henry era o elo. Agora estará a sofrer, com a camisola do rival. Guardiola jogará com ele porque não conta com Iniesta. Mas a cabeça do francês, profissional como poucos, estará mais do que dividida. Em Barcelona encontrou os titulos europeus que o Arsenal não lhe podia dar. Esperou 10 anos pela sua Champions. O Arsenal ainda não ganhou a sua. Mas o seu coração ficou em Londres. Com a sua magia.

Foi no Verão de 1999.

O Arsenal tinha vendido o espectacular Nicolas Anelka ao Real Madrid por números inimagináveis. Começava a funcionar a politica de captação de jovens talentos posta em prática anos antes por Arsene Wenger. O técnico que em 1998 tinha devolvido os titulos ao clube gunner já tinha substituto. Foi a Turim resgatar um apagado Henry, um dos seus discipulos dos dias do AS Monaco. Em Itália o avançado, campeão do Mundo em 1998, tinha estagnado. Em Londres explodiu. Ao lado de Suker e Bergkamp tornou-se na chave do jogo do Arsenal. Venceu por três vezes o prémio de Melhor Marcador e Jogador da Premier. Marcou golos de antologia. Celebrou duas ligas, uma das quais, a dos Invencibles, consagrou-o como um dos melhores de sempre na história da competição. O Arsenal tornou-se o clube de Henry e mais 10. Os veteranos foram saindo, os mais novos iam chegando e partindo. Henry estava sempre aí. Parecia uma história de amor à antiga. Até que chegou Paris, 2006. O Arsenal perseguia a sua primeira Champions. O Barcelona a segunda. Dois clubes de futebol de ataque, ofensivo, mas sem grande palmarés europeu. Henry não marcou, o Barça ganhou. Aí o francês percebeu que a taça que todos queriam teria de ser ganha noutro sitio. Teve uma oferta milionária de Joan Laporta. Recusou. Conquistou o coração dos adeptos com a frase "Os fãs já perderam a Champions para o Barcelona, não merecem que eu também me vá." Ficou, um ano mais. Não ganhou nada. No final da época Laporta voltou à carga. Wenger não se opôs. O sonho era mais forte que a realidade. Henry partiu. Em Can Barça perdeu a magia do tempo. Aos 33 anos já não era a mesma gazela que cavalgava em Highbury. O posicionamento táctico, a relação com Ronaldinho. Tudo atrapalhou. Saiu o brasileiro e chegou Guardiola, admirador e amigo. Manteve-o num posto que não queria, mas deu-lhe liberdade. Henry foi o menos determinante do trio da frente. Mas conseguiu o que queria. Em Roma. Com a camisola maldita para os gunners.

Talvez Henry quisesse hoje estar do outro lado. É um atleta acabado em Barcelona, mais pela relação com a imprensa e a futura direcção - de um critico seu como é Sandro Rossell - do que com o técnico. Fala-se no seu sonho de ir para os Estados Unidos, conhecido que é o seu fascinio pela cultura yankee. Mas ao ver a casa que ele também ajudou a financiar com os seus golos, a nostalgia certamente entrará pelas entranhas. Beckham saiu de Old Trafford mas nunca manifestou o desejo em voltar. Henry sempre acalentou um regresso de filho pródigo. Volta, sim, mas como um guerreiro rival numa luta de vida ou morte. O amor pode ser mortal. Resta saber para quem.



Miguel Lourenço Pereira às 18:27 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO