Terça-feira, 30 de Março de 2010

Podem escrever-se tratados e livros da mais pura e cientifica investigação. No entanto, nunca o futebol será tão facilmente explicado aos descrentes se for seguido exibido o pequeno compêndio de três minutos de desconto que decidiram a final da Champions League de 1999. Onze anos depois os guerreiros de Munique voltam a defrontar-se à sua besta negra. Numa cidade dramática para os Red Devils.

A conjunção Bayern Munchen e Manchester United é histórica e faz parte das lendas do futebol europeu.

Porque foi na capital da Baviera que a melhor geração do conjunto inglês conheceu o seu trágico fim. Porque foi precisamente contra os alemães que, 41 anos depois e sob o olhar emocionado de Bobby Charlton, que começou o reinado europeu de Alex Ferguson. E porque, exceptuando essa noite mitica, os alemães sempre bateram o conjunto inglês. São ses a mais numa conjuntura imprevísvel, num jogo onde se defrontam duas filosofias bem distintas que pautam o ritmo de dois gigantes que, juntos, ostentam sete trofeus da máxima prova europeia. Por um lado os temiveis ingleses, à procura de emular um feito que ninguém consegue lograr desde os dias da Juventus de Marcello Lippi. Do outro os furiosos alemães, com o metódico van Gaal a tentar dissimular as falhas ainda visiveis nas suas hostes. Um conjunto fortemente ofensivo que acenta num 4-2-2-2 que realmente se transforma, com a bola nos pés, num 4-2-4. Com Ribery confirmado e Robben em dúvida, o Bayern vai tentar aproveitar o jogo pelos flancos utilizando os espaços deixados por Patrice Evra e Gary Neville. No meio Gomez e Muller farão a dupla ofensiva com van Bommell a pautar o jogo no miolo. O Bayern sabe que deve ter cuidado em não sofrer golos, mas a verdade é que a defesa é o calcanhar de Aquiles de qualquer equipa de van Gaal. E com este Bayern o cenário repete-se. Especialmente se em frente está um recuperado Wayne Rooney, que descansou nos últimos jogos da Premier para dar a estocada à defesa alemã. O United volta a apresentar o seu estilo de jogo europeu, mais cinico, acente num 4-5-1 de rápidos contra-ataques com Rooney como ponta-de-lança. O espectáculo está garantido. Mas dificilmente será tão emocionante como naquela quente noite de Maio.

O jogo foi dominado pelo Bayern Munchen.

A equipa treinada por Ottmar Hitzfield tinha empatado os dois jogos com o United na fase de grupos. Depois tinha galopado de forma convincente até à final. Nas meias-finais tinham batido o ousado Dynamo Kiev. Naquela noite em Barcelona pareciam invenciveis. Basler abriu o marcador com um livre estudado. Schmeichel, o gigante dinamarquês, protestou em vão. Depois disso foi um autêntico massacre. Bolas na barra, remates defendidos in extremis. E a bola teimava em não entrar. Os adeptos alemães, no entanto, já faziam a festa à medida que os minutos transcorriam no marcador. Ferguson desesperado trocava de avançados. O seu olhar dizia que a crença era infima. E o próprio Hitzfield já não imaginava outro cenário. Tirou Lothar Matthaus, o gigante a quem só a Champions lhe escapava. Saiu tranquilamente, aplaudindo os adeptos e sentou-se, preparado para celebrar. Uma bola para canto despertou o alarme. A eficácia do United em bolas paradas era conhecida por todos. Mas durante o jogo tinham sido ineficazes até aí. Beckham correu para a linha de fundo. Schmeichel veio a correr da sua área. Era a última esperança. O árbitro olhou para o assistente, levantou 3 dedos. Estavamos no minuto 90. O ar escasseava nos pulmões ingleses. A bola voa para a área, Schmeichel atrapalha as marcações alemãs que não conseguem afastar a bola. Giggs recebe-a e remate, sem olhar. A bola vai para fora, desesperada. Encontra o pé do pequeno Teddy Sheringham. Um beijo subtil desvia-a perante o olhar aterrado de outro gigante, Oliver Kahn. Segundos depois os adeptos ingleses explodem de euforia. O jogo ia para prolongamento. Mathaus tapava a cara, Ferguson saltava. O árbitro dava o pontapé de saída e os alemães perdiam, infantilmente, a bola. Contra-ataque e desvio inocente para novo canto. Beckham corre entusiasmado. Acredita. Centra, tenso. Sheringham volta a beijar a bola. Foi amor à primeira vista. Um toque súbtil com destino incerto. O pé de um bebé treinado para matar. O norueguês Solksjaer desvia o cabeceamento. Kuffor grita de dor. A reviravolta é completa. O futebol explica porque é único.

Onze anos é muito tempo. Depois dessa noite o Bayern Munchen voltou ao seu historial de imbatilidade. Já se vingou mais de uma vez do Man Utd. Mas aquela dor é permanente. O velho Olympiastadion deu lugar a uma majestosa Arena. O sério Hittzfield já não está. Já nem Kahn se encontra no relvado. Outra geração, de um lado e de outro. Neville, Giggs e Fergie sim. Eles lembram-se. E partilham a mesma ambição. A final, curiosamente, é de novo em Espanha. Mas só um pode chegar ao último dia. Ferguson sabe que a eliminatória dura 180 minutos e hoje será paciente. Os alemães aprenderam que afinal Liniker estava errado. Nem sempre ganham os alemães. 



Miguel Lourenço Pereira às 10:29 | link do post | comentar

3 comentários:
De sergio a 30 de Março de 2010 às 16:50
O Bayern Munique fez um jogo enorme e merecia sem duvidas o trofeu!

Mas o titulo do post ajusta-se ao futebol...

Aquela bola do Mehmet Scholl ao poste e a do Jancker à trave mereciam melhor sorte e depois o 1º golo do United cai mesmo do céu...

Um dos resultados mais injustos do futebol europeu...


De manuel antonio a 31 de Março de 2010 às 04:02
Apesar de ser um final épico, concordo com o sérgio! De facto, os 90 minutos do Bayern deviam ter chegado pa levar pra casa o caneco!


De Miguel Lourenço Pereira a 31 de Março de 2010 às 09:04
Efectivamente,

Sofri bastante nessa noite europeia mas é preciso reconhecer que o Bayern foi futebolisticamente superior. Controlou o jogo a meio-campo, secou as "torres gémeas" na defesa e foi mais ofensivo. Teve o azar do jogo quando atacou e quando defendeu.

Como disse o Oliver Kahn, durante "23 meses viveram numa depressao", até que lá ganharam o caneco numa noite também de muita sorte.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO