Sábado, 27 de Março de 2010

Se houve um homem que marcou a primeira metade do século XX nos bancos foi o inglês Herbert Chapman. Desde os anos 20 que o técnico começou a questionar o estilo de jogo demasiado ofensivo praticado nas ilhas britânicas e copiado pelo resto do Mundo. O nascimento da regra de fora-de-jogo deu-lhe o pretexto que precisava e permitiu fazer do Arsenal a grande equipa dos anos 30. Mas antes da sua revolução a verdade é que as suas teorias já tinham sido testadas. Em Huddersfield.

 

Hoje todos sabem o que é o WM.

Foi a maior revolução táctica dos primeiros 50 anos do século XX. Manteve-se até aos anos 50 em muitos países como o principal sistema táctico. Caiu em desuso com a popularidade do 4-2-4 hungaro e brasileiro (que depois passariam ao formato 4-4-2 e 4-3-3 a partir dos anos 60). E resultou obra de uma mente privilegiada que resultou como peça chave na evolução táctica do jogo. Herbert Chapman morreu no zénite da sua carreira e não teve tempo para ver a real consequência da sua inovação. Quando, em 1934, caiu fulminado após uma pneumonia, o seu Arsenal era a melhor equipa britânica. E provavelmente do Mundo. Faltavam 20 anos para que nascesse a Taça dos Campeões Europeus mas se a prova tivesse sido realizada nessa década seria provavél que o clube londrino tivesse aplicado o mesmo monopólio que o Real Madrid. A aplicação do WM era a chave do sucesso gunner. Isso e a insistência de Chapman em rodear-se dos melhores. O técnico tardou alguns anos em fazer do seu modelo vencedor. Mas quando deu na tecla certa a equipa nunca mais o desiludiu. Contratou os melhores, montou uma geração de talentos únicos como Highbury Park não voltaria a conhecer. E dominou a First Division anos a fio. Para a história ficou o seu papel como treinador do Arsenal. Mas a vida de Chapman deu muitas voltas. E o seu mágico WM não começou na cinzenta Londres. Foi antes no verdejante Yorkshire, numa pequena localidade chamada Huddersfield. 10 anos antes.

 

No mitico Wembley poucos perceberam que estavam a assistir a um marco da história. Naquela tarde onde uma chuva miudinha ia irritando a cabeça dos adeptos, Chapman percebeu que tinha encontrado a fórmula ideal para equilibrar o jogo. O futebol mantinha-se sob a velha base do 2-3-5, com as equipas viradas constantemente para o ataque sem nenhuma organização na defesa e meio campo. Os extremos jogavam bem abertos, com mais três jogadores no centro, no qual um descaía para recuperar bolas. Os três médios jogavam como interiores e os dois centrais limitavam-se a colocar-se diante da grande área. Não existia ainda o fora de jogo pelo que o seu trabalho era, muitas vezes, simplesmente inútil. Chapman não gostava do modelo. Dizia que a equipa perdia muito tempo jogando sem sentido e que isso implicava uma reduzida eficácia. Para ele vencer significava marcar mas também não sofrer. Foi o primeiro técnico que manifestou essa consciência defensiva que iria marcar o jogo daí em diante. Nesse modesto Huddersfield, Chapman começou a desenvolver a sua teoria. O técnico tinha chegado até à pequena localidade depois de ter sido banido, junto com toda a equipa do Leeds, pela FA. Foi um negócio de risco para o clube mas também para ele. A união funcionou. Chapman entrou ao serviço em 1921. Nos três anos seguintes tornou a equipa na primeira da história a vencer três ligas de forma consecutiva, algo que só Liverpool e Manchester United lograram no futuro. A isso juntou uma vitória na final da FA Cup. Foi precisamente nesse jogo contra o histórico Preston North End, que o técnico colocou a sua inovação em prática. Chapman fez recuar um médio para a zona defensiva, colocando-o no eixo da defesa. Os outros dois centrais deslocam-se para as linhas laterais. Da mesma forma, dois dos jogadores do centro da linha ofensiva recuavam no terreno para assumir o papel de interiores ofensivos jogando à frente dos dois médios mais recuados. O desenho táctico podia descrever-se como duas letras bem desenhadas no rectangulo de jogo: um W e um M. Nascia a táctica mais revolucionária do jogo.

 

Nesses anos em Huddersfield muitas vezes Chapman teve de jogar com um 2-3-5 adaptado. A falta de uma regra de fora de jogo dificultava a sua inovação porque dava muitas liberdades aos avançados e extremos. Em 1925 a FIFA (e a FA) aplicaram de forma definitiva a regra que iria revolucionar o jogo. A partir daí a defesa de três podia jogar na mesma linha e apanhar o trio de avançados rivais na ratoeira. O modelo funcionou. O clube tornou-se no perfeito laboratório para que o técnico ensaiasse as suas inovações. Chapman tinha um desprezo supremo pelo jogo com extremos que se limitavam a centrar para a área. Obrigou os seus quatro elementos do quadrado de meio campo a trocar a bola em passes rápidos de apoio continuado. Os dois extremos abriam e fechavam conforme a equipa defendia e contra-atacava. Muitas vezes a sua função limitava-se a arrastar consigo os defesas rivais abrindo a porta aos avançados interiores. A eficácia defensiva permitia à equipa organizar rápidos contra-ataques. Em 1925 o Huddersfield tornou-se na primeira equipa da história a não sofrer mais de 2 golos por jogo em médio na First Division. Para a época era um feito. O técnico sempre dizia que a melhor oportunidade para marcar resulta sempre de um contra-ataque porque apanha o rival desprevenido.

Por essa altura o bicampeão tinha continuado sem o seu técnico. Chapman não resistiu aos encantos de Londres e mudou-se para o modesto Highbury Park. O Huddesfield manteve o rumo e voltou a ser campeão enquanto Chapman começava do zero com o Arsenal. Além da inovação táctica, Chapman foi o primeiro Manager profissional. Obrigava as equipas de reservas e juvenis a jogar com a mesma táctica que a formação principal. Supervisionava o treino de jogadores que, apesar de falsos amadores, eram já tratados como profissionais pelo seu staff técnico. Insistiu no jogo de passe, aperfeiçoou o trabalho dos avançados interiores e montou uma equipa perfeita baseada em contratações cirurgicas entre jogadores desconhecidos e estrelas de clubes rivais. Demorou quatro anos a vencer uma liga. Quando o Arsenal finalmente se sagrou campeão, em 1931, o seu modelo de jogo já estava consagrado na maioria dos clubes rivais. Mas nenhum o tinha aperfeiçoado como ele.

 

Durante 4 anos o Arsenal mandou no futebol inglês. À medida que o Huddersfield ia definhando, as estrelas que Herbert Chapman reuniu em Highbury iam fazendo história. Em quatro anos vencerem três ligas. No final da última época a morte de Chapman representou um duro golpe. Progressivamente o Arsenal foi perdendo impacto na prova e as restantes equipas começavam a jogar nos mesmos moldes que o técnico tinha idealizado. Mais, por essa altura, já quase toda a Europa alinhava equipas tendo por base o WM chapmaniano. Foi a revolução que pautou as grandes equipas europeias até que os mágicos hungaros destroçaram o quadrado inglês em Wembley e colocaram um ponto final à popularidade do WM. O mesmo sistema que nasceu nas verdejantes planicies de Huddersfield.



Miguel Lourenço Pereira às 00:02 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO