Quinta-feira, 25 de Março de 2010

O mundo de hoje cai rapidamente no facilismo. O mundo do futebol não é diferente. A chicotada psicológica dificilmente o chega a ser e não deixa de espelhar essa opção mais simples de eliminar o alvo de todos sem procurar entender a raiz do problema. No caso do Sevilla, o problema nem existe. Apenas uma incrível falta de coerência por parte de um clube que se orgulhava de ser, até agora, o mais estável da última década em Espanha.

No final de um patético empate com o Xerez, fruto puro da distração da equipa, Jose Maria del Nido - que gosta de dizer que é o presidente do maior clube do Mundo - baixou ao balneário, encarou Manolo Jimenez e informou-o que estava despedido. O contestado técnico não queria acreditar. A equipa tinha caído na semana anterior nos Oitavos de Final da Champions League. Depois de empatar a 1 em Moscovo perdeu por 1-2 contra o CSKA no seu próprio estádio. Por culpa de um golo concedido pelo experiente Palop. A equipa seguia a dois pontos do quarto posto, o último que garante a presença na Champions, e estava a cinco do terceiro lugar, o objectivo previsto para a época. A dez jogos do fim.

Mesmo assim Del Nido optou pelo caminho mais fácil e despediu um técnico que sempre foi mais do que isso. Chegou com 17 anos ao Sevilla e aí passou toda a vida. Até aos 35 como jogador da primeira equipa e depois como treinador das camadas jovens até subir à equipa B, o Sevilla Atlético. Quando Juande Ramos, o técnico mais bem sucedido da história do clube, bateu com a porta, del Nido recorreu a ele.  Uma herança dificil mas que, como andaluz de cepa, Jimenez soube pegar pelos cornos.

Sem o mediatismo de Josep Guardiola, o técnico sevillista era um exemplo perfeito de um técnico precoce e ambicioso que encontrava o espaço no seu clube. Mas em Sevilla alguém se esqueceu das limitações do clube. E começou a exigir ao técnico resultados nunca antes logrados. Nem mesmo pelo vencedor de duas Taças UEFA. O estilo de jogo atractivo de Ramos era constantemente comparado com a eficácia de Jimenez, que preferia um meio-campo de musculo a uma equipa assumidamente criativa. E os adeptos, embriagados pelos exitos pretéritos, começaram a contestar o treinador dia sim, dia sim. Até o presidente, que alardava da estabilidade do Sevilla face a qualquer outro clube espanhol, deixou-se levar. E optou pelo caminho mais fácil.

 

Poucos lembram-se de que no inicio da década o Sevilla andava pela Segunda Divisão com um passivo asfixiante. Depois de uma direcção de gestão de Roberto Alés que limpou as contas do clube emergiu a figura de Jose Maria del Nido. O polémico advogado tornou-se na figura central do clube de Nervion e emergiu como o lider natural de um conjunto histórico renovado. Com Joaquin Caparrós moldou uma equipa para voltar à ribalta e disputar os postos europeus. O técnico, hoje no Athletic Bilbao, montou uma equipa dura mas tremendamente eficaz onde brilhavam, entre outros, Manolo Jimenez. Quando este se retirou foi-lhe oferecido um posto de treinador nos juvenis. Aí começou a sua saga particular enquanto que Juande Ramos, sucessor de Caparros, colhia os frutos do trabalho deste e de Monchi, o popular director desportivo. A sua labor permitiu ao clube recrutar várias promessas, dentro e fora de Espanha, e moldar uma equipa rejuvenescida e com sede de titulos. A Sevilla chegaram Luis Fabiano, ferido por uma experiência para esquecer no FC Porto, o argentino Javier Saviola, o francês Frederic Kanoute, o espanhol Andrés Palop, dispensado do Valencia e os brasileiros Julio Baptista e Dani Alves. A estes juntou-se uma nova fornada de talentos jovens como Sergio Ramos, Antonio PuertaJesus Navas. Em três anos o Sevilla voltou à Europa, venceu duas Taças UEFA e conquistou uma Copa del Rey. Depois de um polémico Verão o técnico foi embora. Amargado com a direcção. Com a época em curso e sem um nome forte para o lugar Del Nido arriscou. Chamou Jimenez. O sevillista aceitou.

A chegada de Jimenez não significou uma mudança de estilo. Pelo contrário, Jimenez aperfeiçoou o modelo de Ramos e explorou ainda mais o jogo pelos flanco utilizando os jovens Navas e Capel. A pouco e pouco foi introduzindo outras promessas que já tinha orientado na equipa B. Os argentinos Fazio e Perroti entraram no onze. A morte de Puerta abriu uma brecha sentimental que feriu a equipa. Teve de ser Jimenez a tapar os remendos. Contra todas as expectativas o treinador recuperou um conjunto destroçado. As sucessivas vendas de Ramos, Baptista, Alves e Keita fragilizaram o onze andaluz. Os reforços não eram do mesmo nível. Mas mesmo em esforço, e com muita juventude à mistura, Jimenez logrou colocar a equipa na luta pelos primeiros lugares. Na Europa, naquela que era a primeira participação na Champions, logrou bater o Arsenal quebrando um recorde de 18 jogos dos gunners sem perder. Qualificou-se como primeiro de grupo mas nos Oitavos de Final caiu diante dos turcos do Fenerbache nas marcações de grandes penalidades. Uma fatalidade que se repetira dois anos depois. Jimenez falhou no final da época 2007/2008 o quarto posto, de acesso à Champions, o grande objectivo da equipa por um ponto. Mas montou um conjunto sólido. E no ano seguinte demonstrou-o terminando no terceiro lugar, o melhor lugar logrado nos últimos 50 anos pelo clube. Esta época, com Negredo a juntar-se ao duo de ataque, a equipa arrancou bem e logrou eliminar o Barça da Taça do Rei, depois de se qualificar para os Oitavos da Champions pela segunda vez. No meio de um clima de crispação interna, um mês de Janeiro surpreendente atirou o clube do terceiro para o quinto posto. A queda frente ao CSKA, de novo no Sanchez Pizjuan, de novo de forma fortuita, cobrou a sua vitima. Del Nido esperou um pretexto. Teve-o no golo nos últimos segundos do Xerez, o último. Demitiu o técnico que manteve o clube na alta roda. Contra tudo e contra todos. Seguiu o mais fácil.

Jimenez deixou a equipa a lutar pelo objectivo de época e na final da Copa del Rey. A isso juntou uma boa prestação europeia e um imenso carinho no balneário. Mas não resistiu a uma ambição desmedida. Numa época em que Barcelona e Real Madrid batem recordes jornada após jornada, qualquer êxito parece demasiado insignificante. Assim foi o seu destino. Suceder-lhe-á um dos seus adjuntos, que tem a dificil missão de manter o rumo. Longe do relvado, no lugar cativo que sempre manteve em Nervion, Jimenez promete torcer, de cachecol, como um adepto mais. Era mais fácil devolve-lo ao meio dos adeptos. O dificil é entender porquê. 



Miguel Lourenço Pereira às 14:20 | link do post | comentar

4 comentários:
De Pedro a 25 de Março de 2010 às 21:06
O futebol é uma empresa disfarçada, onde maior parte dos empreendedores são broncos com dinheiro e contactos.
Não se procura o orgulho de gerir uma equipa com coração, mas sim o orgulho de enriquecer com a equipa do coração.
Estes homens, quando vão ao estádio não vêm jogadores, em vez, vêm cifrões a correr de uma lado para o outro. Uns mais verdes que outros. Não existe pessoas, só rentabilidade. Pedem tudo aos jogadores alegando que lhes dão a oportunidade de ver o mundo e depois acontece como o coitado do Izmailov que queria se curar a 100%, e os médicos que deveriam estar do seu lado dão analgésicos e mandam nos para arena.
Não existe honra entre os homens, só respeito pelas regras de um futebol corrupto.


De Miguel Lourenço Pereira a 26 de Março de 2010 às 08:40
Até sobre essa base o Sevilla sai a perder. Despede um treinador bom com duas linhas de frente abertas e com boas possibilidades para acabar por ficar com o seu adjunto que transpira dúvidas por todos os sitios.

Um autentico hara-kiri desportivo e económico!


De ZonaDesportiva a 26 de Março de 2010 às 08:46
Efectivamente tudo o que escreveste é correcto, até parece que chegar aos oitavos de final não é honroso para o Sevilha. Claro que é...

E Jimenez é um grande treinador com futuro

http://www.zonadesportiva.blogspot.com/



De Miguel Lourenço Pereira a 26 de Março de 2010 às 09:31
O presidente do Sevilla peca por excesso de ambiçao. Tem um projecto sustentado e que conseguiu impor-se na elite espanhola e europeia e parece-lhe pouco.

Num ano em que o RM e o Barça impoem recordes em Espanha a unica forma que tem de alimentar o ego é ir longe na Europa. O CSKA nao é um rival muito complicado, mas está em inicio de época e o frango de Palop decidiu o jogo. Jimenez é tudo menos o culpado.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO