Segunda-feira, 22 de Março de 2010

Para os adeptos que preferem os títulos, ontem foi a noite da semana encarnada. A segunda Taça da Liga consecutiva, desta feita sem polémica à mistura, e a confirmação da superioridade no terreno de jogo face ao eterno rival. No entanto, foi na Quinta-Feira em Marselha que o Benfica mostrou o seu melhor rosto. A equipa de Jorge Jesus galopa para um final de época com um autoritarismo que não se via desde a primeira etapa de Sven-Goren Eriksson. No entanto, ainda falta muito ao novo conjunto encarnado para encontrar o mesmo significado de superioridade que o sueco trouxe pela última vez à Luz.

Foi em 1983-1984.

Nessa longinqua época - cumprem-se 26 anos este Maio - que o Benfica exibiu pela última vez a sua total hegemonia no futebol português. Desde então os conjuntos encarnados conquistaram mais cinco títulos (face a dois do Sporting, um do Boavista e...18 do FC Porto) mas nenhum deles foi um claro exercício de superioridade sobre os rivais como se viu nessa época. A equipa que até tinha perdido uma final da Taça UEFA no primeiro ano de Eriksson, o sueco tranquilo, sumava nesse Verão a sua segunda liga consecutiva. O treinador partia pouco depois para Roma, onde tomaria as rendas do conjunto da capital. Voltaria, anos depois, para voltar a ser campeão. Mas sem esse perfume e dinamica que exibiam nesse onze a ala esquerda de Alvaro e Chalana, o miolo com Shéu e Carlos Manuel e um ataque onde pontificavam Diamantino e Nené. O que destacava nessa equipa era a atitude. O que mudou na Luz da desastrosa época passada a este ano? Precisamente, a atitude.

 

Jorge Jesus não é um génio da táctica como José Mourinho.

E no entanto o seu Benfica apresenta números muito similares aos do técnico sadino na sua etapa praticamente invicta no FC Porto. Tanto a nível de performance, como de eficácia goleadora, este Benfica assemelha-se muito a esse imparável conjunto azul e branco que vergou Portugal e a Europa a seu belo prazer. O conjunto de Mourinho tinha emulado a supremacia de Eriksson, com a eficácia europeia que o técnico sueco nunca logrou transmitir. E apesar dos adeptos encarnados estarem entusiasmados com a previsivel vitória na Liga - a primeira em cinco anos - face a um Braga que vai mostrando, inevitavelmente, as suas crescentes debilidades, é a dimensão europeia deste Benfica que se faz notar. Vencer a Taça da Liga contra um FC Porto descrente em si mesmo, cansado e sem ideias, é um mérito pouco louvável por muito que a estatistica o conte. Ganhar uma Liga onde a arbitragem e as decisões de bastidores tiveram um forte peso, também tem o seu contra.

Mas na Europe League o Benfica está só. Sem ajudas e sem rivais débeis mentalmente, o conjunto encarnado tem exibido o seu melhor rosto. Foi dominador na fase de grupos como poucas vezes se viu a um conjunto português. Derrotou sem apelo nem agravo um Hertha de Berlim em queda livre mas que mostrou no primeiro jogo toda a frieza do futebol alemão. E frente ao ressurgente Olympique Marseille - que acaba de lamber as feridas derrotando o todo poderoso Lyon - mostrou a sua nova atitude. O eterno fatalismo luso na Europa é de longe conhecido. O Sporting voltou a sofrer dessa malapata. Mas na Luz o golo de empate do Marselha, bem perto do fim, longe de desanimar, motivou. Uma equipa capaz de dar a volta a essa situação contrária, mostra um espirito competitivo que sempre escasseia no abandonado rectângulo. Que o faço em terreno hostil, a vinte minutos do fim, marcando dois golos depois de estar a perder, demonstra algo mais.

É impensável prever a próxima eliminatória europeia.

O Liverpool é um colosso europeu mas que se comporta como um pigmeu de há vários anos para cá. O mandato de Rafael Benitez salda-se, até hoje, pela Champions League ganha de forma épica em 2005. Precisamente o seu ano de estreia. Desde então a equipa tem-se pautado pela mediocridade doméstica (onde nunca passou do quarto posto) e algum brilharete europeu. Aos Reds falta, precisamente, essa atitude ganhadora que a equipa de Jesus ostenta. O técnico da Amadora terá mil e um defeitos, mas é um general na verdadeira acepção do termo. Em terras gaulesas montou uma equipa ofensiva e nunca desistiu, mesmo sabendo que a prova não é um objectivo prioritário. A superioridade moral do segundo tempo foi abrumadora. O triunfo inevitável. No duelo frente ao histórico rival, outra vez a atitude levou a melhor sobre a apatia. Colocando um guarda-redes titular que nunca tinha disputado um só minuto na prova deu o sinal. E mesmo reservando quatro titulares, Jesus mostrou que tem todo o seu exército a remar no mesmo sentido. A verdade é que há várias épocas que o Benfica tem investido forte no mercado. Sem resultados. Faltava um elemento catalisador, um dinamo capaz de unir um plantel habitualmente desfeito, e convence-los a trabalhar em conjunto. Esse é o principal mérito do técnico. Os seus onze jogam sempre numa dinamica ascendente, verticalmente e sem receio. Os nomes não suplantam o papel atribuidos aos postos. Assim se explica a superior exibição de Airton no estádio do Algarve ou de Carlos Martins no Velodrome. Suplentes habituais que apresentam predicados de titulares.

 

O futebol vive de ciclos cada vez mais reduzidos.

O dominio absoluto é algo ao alcance de muito poucos. Muitas vezes aqui dissemos que o Tetra azul e branco estava desfazado da realidade, que existia mais devido à falta de participação dos rivais do que aos méritos da armada de Jesualdo. Basta ver que equipas que facilmente deslumbram como o Madrid dos Galácticos, o Barcelona de Rikjaard, o Chelsea de Mourinho, o Arsenal de Wenger ou o AC Milan de Ancelloti, dificilmente conseguiram conquistar mais de dois titulos consecutivos. Depois, a natural evolução do jogo, trata de baralhar e dar de novo. Talvez por isso se perceba que esse ciclos bi-anuais se adequem melhor ao futuro do futebol português. No próximo ano será provável que o Benfica se depare com um FC Porto renascido e um Sporting mais estável. Haverá mais atenção à Europa, pela necessidade de entrada de milhões nas arcas encarnadas, e certamente o defeso verá sair uma ou outra jóia. Talvez por isso este sucesso soe, antes de ter acontecido, já a efémero. No entanto a atitude é algo que pode durar bem mais do que um ano. Caberá a Jorge Jesus moldar a sua equipa na próxima época da mesma forma em que preparou esta.

Hoje o SL Benfica é, inquestionavelmente, a melhor equipa de futebol em Portugal. E uma das equipas em melhor forma em toda a Europa. Com dois troféus ainda em disputa, tudo pode realmente suceder. Mas antes de lançar os foguetes dos triunfos de este ano, o Benfica tem de pensar já no amanhã. A fome de titulos já não será a mesma na próxima época e as expectativas serão naturalmente distintas. Chegar ao topo é muitas vezes fácil. Permancer de forma categórica é algo ao alcance de muito poucos. Talvez por isso em quase 30 anos que nenhum conjunto encarnado tenha emulado o feito de Eriksson naquele Verão quente. Esse desafio será bem mais dificil do que a gesta de uma noite de glória.



Miguel Lourenço Pereira às 10:43 | link do post | comentar

2 comentários:
De hmocc a 22 de Março de 2010 às 17:54
Só uma pequena nota para dizer que o Liverpool na época passada acabou a Premiership em 2. lugar depois de ter "puxado" pelo Man Utd durante larga parte da temporada. Aliás foi talvez a melhor época de Benitez no Liverpool, até porque os "Reds" eastavam - e ainda estão - em condições financeiras e de gestão do clube não muito recomendáveis.

Atenção à dupla Gerrard e Torres. Estes dois jogadores são "o corpo e a alma" do Liverpool.


De Miguel Lourenço Pereira a 22 de Março de 2010 às 19:49
Hmocc,

Sempre preciso.

Efectivamente o ano passado o Liverpool foi segundo e esteve durante largos meses na luta com Chelsea e Man Utd. E claro, os problemas financeiros justificam muita da quebra desportiva dos ultimos anos.

Quanto á dupla, totalmente de acordo. E se Torres está a recuperar de uma lesão e vai-se integrando a pouco e pouco, já o Gerard está num ano muito apagado. Será uma eliminatoria mais equilibrada do que aparenta até porque o Liverpool é capaz do pior e do melhor enquanto que o Benfica é mais estável.

um abraço


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
¡Suerte....!
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO