Domingo, 21 de Março de 2010

Também há 40 anos o Chile sofreu um assustador terramoto. O país tinha sido eleito quatro anos antes como a sede do Mundial de 1962, mas o tremor de terra destruiu todas as infra-estruturas. Num acto de heroísmo o país uniu-se para ter tudo a tempo do início da prova. Logrou-o, mas o Mundial de 1962 ficará sempre para a história pela falta de emoção em campo e pela violência, dentro e fora dos relvados.

 
9,5 na escala de Richter. Números assustadores que levaram a FIFA a ponderar mudar o local da organização de um torneio que voltava, 12 anos depois, à América do Sul. No entanto as autoridades chilenas, lideras pelo incansável Carlos Dittborn, persuadiram Stanley Rous, o novo presidente da FIFA, a garantir que o torneio se realizaria em terras andinas. Durante dois anos o país uniu-se e reconstruiu os cinco estádios destroçados pelo terramoto. E no dia de abertura a gala correu como previsto. O espectáculo, nem por isso. O Mundial de 1962 entrou para os registos históricos como uma das maiores desilusões desportivas de sempre. Estava a nata do futebol Mundial. Mas em figura de corpo-presente. Pelé, lesionado, cedo desapareceu do mapa. O notável Yashin nunca se mostrou à sua altura. A armada inglesa logrou pela primeira vez chegar até às Meias-Finais, mas sempre longe da sua melhor forma. E no meio da contenda, os chilenos conseguiram um histórico terceiro lugar. Graças ao jogo de equipa, erros do arbitro e muita violência à mistura. Inseridos no Grupo 2, junto com Alemanha, Itália e Suiça, os chilenos sabiam que era complicado passar à seguinte fase. No primeiro jogo bateram os suíços por uns claros 3-1 mas o empate entre alemães e italianos obrigava os chilenos a vencer um dos duelos que lhe faltava para seguir em frente. O técnico chileno, Fernando Riera, decidiu motivar os seus jogadores de uma forma particular. Diante dos suíços tinha feito os jogadores comer queijo suíço no balneário. A 2 de Junho os jogadores subiram ao estádio de Santiago para defrontar uma rejuvenescida Itália depois de ter comido um prato de spaghetti.
 
O jogo entrou para os anais da história como “A Batalha de Santiago”.
Foi provavelmente um dos confrontos mais violentos da história do desporto. Ken Ashton, o árbitro que anos depois inventaria o conceito de cartões amarelos e vermelhos, mandou dois italianos para os balneários não resistindo à pressão do público e do onze chileno. As cenas de violência em campo foram a partir de aí a imagem de marca da selecção da casa, adepta de um jogo extra-defensivo aproveitando os erros dos rivais. Essa foi a tónica desportiva da prova onde nem o Brasil conseguiu deslumbrar. Os chilenos eliminaram a Itália, perdendo o último jogo com a RFA, e nos Quartos de Final defrontaram os favoritos soviéticos. Tal como nos jogos prévios, Riera fez os jogadores beber vodka no balneário e a equipa mostrou-se sempre superior no terreno de jogo. Dois erros de Lev Yashin condenaram os russos e garantiram ao Chile um histórico lugar nas meias-finais. Frente ao Brasil. O jogo, marcado para a pequena localidade costeira de Viña del Mar, foi então transferido para Santiago, como sucederia quatro anos depois com o Inglaterra-Portugal. Os brasileiros queixaram-se mas a decisão estava tomada. O encontro foi disputado, uma vez mais, debaixo de imensa violência física e verbal. Os jogadores brasileiros iam caindo, vítima das brutais entradas dos rivais. O árbitro expulsou Garrincha, por ripostar, e o chileno Landa por palavras. No entanto o mágico extremo já tinha marcado dois golos que, aliados aos dois tentos de Vavá, qualificaram o Brasil para a sua segunda final consecutiva. O Chile acabaria por bater a Jugoslávia no jogo do Terceiro e Quarto Lugar. Um prémio que valeu um Mundial.
 
Numa prova cinzenta as sucessivas eliminações dos favoritos deixaram uma final surpreendente. A Checoslováquia, que tinha terminado a fase de grupos atrás do Brasil, voltava a encontrar-se com os canarinhos na final. Pelo caminho tinha deixado atrás a modesta Hungria e a Jugoslávia. Liderados por Josef Masopust e com brilhantes actuações do seu número 1, Villian Schrof, os checos ainda conseguiram abrir o marcador na final de Santiago. Mas mesmo sem Garrincha e Pelé o Brasil mostrou-se superior. Os golos de Amarildo, Zito e Vavá – todos com a colaboração do até então imbatível guardião checo – decidiram a prova que nunca deixará grandes saudades.


Miguel Lourenço Pereira às 10:31 | link do post | comentar

4 comentários:
De Renato K. a 3 de Junho de 2010 às 12:30
Somente uma correção (tardia, me desculpe): Garrincha jogou, sim, a final. Uma manobra de bastidores conseguiu garantir o gênio das pernas tortas na decisão.


De Miguel Lourenço Pereira a 3 de Junho de 2010 às 20:03
Olá Renato,

Depois do seu comentário confirmei a informação e realmente o genial Garrincha ajudou a assinar por baixo no histórico bicampeonato.

um abraço e obrigado pela dica


De Marcelo a 31 de Dezembro de 2013 às 00:51
Os ingleses pararam nas quartas, e não nas meias finais.
Abraço


De Miguel Lourenço Pereira a 31 de Dezembro de 2013 às 12:41
Marcelo,

É verdade, perdeu com o Brasil - num jogo memorável de Garrincha - nos Quartos.

Obrigado!


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO