Domingo, 7 de Março de 2010

Nunca a expressão “campeão moral” teve tanto sentido como naquele Verão suíço. A estabilidade tinha voltado ao Velho Continente e com ela a Taça Jules Rimet. O mundo do futebol esperava tranquilamente a consagração do onze magiar mas a lógica não conhece o relvado e no final a anunciada vitória da Hungria foi apenas uma doce ilusão.

 
O sorteio do torneio tinha ditado que a Hungria ficaria lado a lado com a RF da Alemanha no Grupo B. Os alemães chegavam à Suiça desmoralizados por uma série de más exibições nos amigáveis antes do torneio. Mas com um estratega único no banco. A Hungria era, inquestionavelmente, a melhor equipa do Mundo. Capaz de vergar os ingleses em Wembley pela primeira vez – e devolver o gesto meses depois em Budapeste – os húngaros pareciam estar destinados à glória. Uma equipa formada com o coração do Honved onde pontificavam Ferenc Puskas, Czibor, Hidegkuti e Kocksis e que, pura e simplesmente, parecia invencível. Quando ambas as equipas subiram ao relvado para segundo jogo do grupo B havia poucas dúvidas sobre quem venceria. Eram 4 anos e 29 jogos sem conhecer a derrota para os húngaros. E assim foi. A dianteira magiar destroçou a defesa da RF Alemanha e o resultado final foi claro: 8-3. Foi num 20 de Junho. Mal sabiam os húngaros que não tinha sido um resultado real.
 
A Suiça organizou uma das provas mais inesquecíveis da história dos Mundiais.
Pela primeira vez não houve condicionantes e a nata do futebol juntou-se nos Alpes. Estavam todos os campeões em título, incluindo o Uruguai, o renascido Brasil e também as melhores selecções da Europa. RF Alemanha, Suiça, Áustria, Escócia, Checoslováquia, França, Itália e Inglaterra. Todas atrás da favorita de leste. Pela primeira vez a FIFA conseguiu juntar 16 selecções em quatro grupos de quatro equipas mas com a particularidade de que os dois cabeças-de-serie não jogavam entre si a não ser que houvesse um empate final. A prova ficou marcada por jogos inesquecíveis. E pelo duelo entre alemães e húngaros. Enquanto que a formação orientada por Gustav Sebes foi mostrando o perfume do seu futebol romântico, os alemães começaram a utilizar a esperteza que os converteria nos mais cínicos dos rivais. Depois de ambas as selecções terem vencido o jogo inaugural, Sepp Herberger, seleccionador alemão, decidiu que a RFA tinha de perder o jogo com a Hungria. A decisão era simples. Perder com os húngaros significava disputar o segundo posto do grupo com a Turquia que os alemães já tinham vencido no jogo inaugural. Como consequência da II Guerra Mundial a FIFA tinha suspendido a Alemanha, o que tornava os turcos cabeças de série do grupo. Esta opção permitia também evitar disputar os Quartos de Final contra o Brasil e as Meias-Finais contra o vencedor do Inglaterra-Uruguai. Os húngaros não ligaram ao calendário e inocentemente esmagaram uma Alemanha onde actuaram sete suplentes. A vitória encheu a equipa húngara de moral e deixou uma impressão errada sobre o real poder dos alemães. Os germânicos jogaram e bateram os turcos, qualificando-se como segundos do seu grupo. Esperavam-nos nos Quartos de Final os jugoslavos.
 
A histórica vitória do Uruguai sobre a Inglaterra – que confirmou definitivamente o fim da supremacia britânica no seu próprio jogo – e a Batalha de Berna, onde húngaros e brasileiros chegaram ao confronto físico no túnel de acesso aos balneários depois de um histórico 4-2 no terreno de jogo, marcaram a primeira ronda a eliminar. Longe da ribalta, os alemães venciam por 2-0 a Jugoslávia para depois bater a vizinha Áustria por 6-1 nas meias-finais. Enquanto isso a ilusão húngara continuava. Sem Puskas, lesionado de propósito pelo defesa alemão Liebrich por indicação de Herberger no jogo da fase de grupos, a Hungria superou o renascido Brasil e depois bateu uma das melhores selecções uruguaias. Ambos os jogos terminaram com um histórico 4-2 e reforçaram a condição de favorita dos magiares. E quem se lembrava do enganador jogo da primeira fase não tinha dúvidas em considerar os húngaros campeões. Mas o jogo muitas vezes se perde em ilusões sem fundo.
Herberger montou uma estratégia que se revelou letal para os talentosos magiares, privilegiando uma marcação à zona. E se a Hungria ainda se adiantou por 2-0 no marcador – e marcou um terceiro, mal anulado pelo árbitro britânico William Ling nos minutos finais – a verdade é que a final foi dominada pelo onze liderado por Fritz Walter. Antes do intervalo os alemães empataram. Puskas, lesionado e implacavelmente marcado, não mostrava o seu jogo habitual e o cansaço dos duelos com os rivais sul-americanos começava a passar factura. A seis minutos do fim um golpe de cabeça de Helmut Rahn fazia história. Rasgavam-se os editoriais já escritos com dias de antecedência. Uma das mais belas selecções a pisar um relvado de um Mundial voltava para casa cabisbaixa. A lógica não conhece a cor do relvado, mas vive permanente nas botas dos jogadores germânicos.

 

 



Miguel Lourenço Pereira às 03:09 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO