Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

O futebol não é um circo. Mas ás vezes consegue transformar-se numa boa anedocta. Ontem o estádio do Dragão transformou a sua habitual taciturnidade e riu-se. Como há muito não se via. Culpa dos anfitriões, dos visitados e de um senhor que deveria ser juiz e acaba por ser mestre de cerimónias. A vitória é importante, o espectáculo pouco edificante. No final ficamos com a sensação de assistir a uma edição daqueles livros de auto-ajuda de como não disputar um encontro oficial da Champions League.

Todos os guarda-redes cometem erros. Todos os defesas enganam-se em atrasos precipitados. Todos os árbitros têm falhas. E todos os avançados têm momentos de lucidez e ratice. Juntar tudo isso num só jogo é uma salada explosiva que não fará certamente bem às barrigas mais sensiveis. Ontem o Arsenal provou porque continua a ser uma equipa melhor no papel do que na prática. Fez talvez o seu pior jogo europeu em largas temporadas e comportou-se como uma equipa de juvenis. Sem ideias. Sem cabeça. E totalmente sem concentração. Erros atrás de erros, falta de atitude, e uma ingenuidade que face a outras equipas poderia ter tido outra transcendência. Wenger tem legitimidade para levantar-se do banco e perguntar ao árbitro porque perdeu o controlo da situação. Mas deverá primeiro pensar no onze que alinhou. Na falta de caracter competitivo dos seus jogadores. E na falta de destreza mental de uma equipa que é, no papel, candidata todos os anos a ganhar algo. Mas que desde que perdeu a nata da sua equipa deixou de ser mais do que um bom exemplo de formação de jovens futebolistas. E pouco mais. O Arsenal ontem foi medroso no inicio. Foi inconsequente quando esteve atrás no marcador e só apontou um golo porque a defesa azul e branca continua a ser muito ingenua para grandes provas. Porque o Leixões não marca golos de cantos ensaiados não justifique que a equipa não se saiba posicionar. E Campbell agradeceu. Era o 1-1. Mas a anedocta tinha começado antes.

 

Silvestre Varela. Foi o nome próprio de um FC Porto que continua a mostrar mais brechas que imaginação. Foi, pela primeira vez em muito tempo, uma equipa com sorte. E procurou-a. Foi também uma equipa esperta. Mas não uma equipa inteligente.

O primeiro erro de Jesualdo Ferreira foi alinhar Hulk. Já não é só pelo facto, de como defendemos há muito, o brasileiro ser um jogador sem nível para jogar uma Champions League. Cada lance de Hulk é um puzzle. O que irá naquela cabeça? Dribles contra os defesas, reclamações a cada queda e falta de destreza mental para procurar o jogo colectivo. Hulk emperrou a máquina ofensiva portista. Varela deu-lhe asas. O extremo mostrou estar em óptima forma e arrancou bem no jogo. À terceira tentou centrar mas a bola saiu-lhe desviada. Fabianski fez o que se espera dele, sendo um guarda-redes sem nível consumado que Wenger só tem porque prefere gastar o orçamento a contratar jovens de 16 anos. Já se sabia que, sem Almunia, o FC Porto partia em vantagem. E confirmou-se. Os azuis e brancos mereciam estar a ganhar. E logo provaram não ser inteligentes a gerir a vantagem. O Arsenal alinhou com um ataque mole. Fabregas demasiado só, Rosicky demasiado parado, Nasri demasiado incosequente e Bendtner sem encontrar o seu sitio. Só nas bolas paradas causaram perigo. E foi assim que Campbell, que não jogava numa Champions desde a final de 2006 em Paris, empatou. O posicionamento portista nesse canto foi uma licção de como não defender. Nada de novo portanto.

 

A segunda parte mexeu-se entre a esperteza portista e o desnorte do Arsenal. Se o árbitro Martin Hansson tinha há muito perdido o respeito dos jogadores, no minuto 51 pareceu totalmente fora de jogo. Não apitou um penalty claro a favor do Arsenal (ambas as equipas teriam razões de queixas nesse e noutro capitulo) e no seguimento do lance deixou que os jogadores do FC Porto beneficiassem da superioridade númerica e sacassem um livre indirecto dentro da área que o desastrado Fabianski concedeu sem pensar. O golo é legal, mas habitualmente os árbitros gostam de controlar estes lances. Como mais tarde o fez em dois contra-ataques azuis e brancos. Desta feita adormeceu em campo. E percebeu-o senão Wenger teria sido expulso. A licção do professor era merecida. Os dragões foram mais rápidos, mais espertos e mais letais. Campbell preferiu reclamar a defender. Fabianski deu logo a bola a Micael e virou-lhe as costas. Wenger reclamou sem razão. Não havia uma ilegalidade. Havia uma série de infantilidades. Os da casa agradeceram o vinho para a refeição e foram abrir a garrafa.

O FC Porto a partir daí foi mais Porto e o Arsenal menos Arsenal. A saída de Hulk e Raul Meireles ajudou. São o lastre da equipa. Tomas Costa e Mariano Gonzalez trouxeram mais dinâmica e espirito colectivo e em vários contra-golpes, com sucessivos erros de marcação do Arsenal que deixou imensos espaços abertos para os portistas explorarem à sua vontade, o campeão nacional poderia ter ampliado a vantagem. Do outro lado percebia-se as dificuldades defensivas de Fucile e Alvaro Pereira que beneficiavam que apesar de Walcott estar em campo, o Arsenal preferisse afunilar o jogo. Durante vinte minutos os gunners persistiram no erro. O FC Porto na ratice de controlar o jogo no coração do seu meio-campo. O apito final, num lance de claro contra-ataque do Arsenal já no meio-campo do Porto, foi mais uma prova do desastrado ajuizamento arbitral de Hanson. Foi um bom exemplo para os criticos da arbitragem nacional perceberem que a qualidade não conhece nações. A falta dela também não.

O FC Porto foi superior em campo e no jogo mental. Soube controlar o jogo mas nunca o dominou por completo. Preferiu o contra-golpe e a ratice. Saiu-lhe bem a jogada. Numa equipa como o Arsenal esse modelo de jogo funciona. Wenger continua a preferir o futebol champagne sem punch ofensivo e destreza defensiva. E isso justifica as sucessivas eliminações. No entanto a vantagem é reduzida e a eliminatória está longe de estar resolvida. Os azuis e brancos terão de ser mais maturos em Londres. O Arsenal terá de ser, pelo menos, uma equipa. Para eles a anedocta não teve tanta piada.



Miguel Lourenço Pereira às 10:15 | link do post | comentar

3 comentários:
De doze a 19 de Fevereiro de 2010 às 14:49
parei de ler quando aparece a frase em que diz que o Hulk não tem nivel para a CL.

até sempre


De Miguel Lourenço Pereira a 19 de Fevereiro de 2010 às 16:25
Melhor era se fosse até sempre, Hulk!


De Pedro a 19 de Fevereiro de 2010 às 21:30
Incrivel, há sempre gente fundamentalista. Eu sou portista e digo sem problemas que apesar de parecidos mentalmente e de fascinio, eu preferia um dia maria no porto do que um hulk.
Há jogadores que são como os primeiro condutores: ora têm pouco sumo - em que o treinador/instrutor tem que acrescentar o sumo de outras forma - ora tem o sumo certo, ora têm sumo a mais - em que já dificil quebrar vicios.
Neste caso o hulk enquadrava s no último caso, no entanto, para infelicidade nossa, o jesualdo espremeu o sumo todo no ano passado. Se este ano ele não volta a acrescentar sumo ao recipiente o hulk vai passar por ser um talento esgotado e sem "educação de inteligencia e tecnica de jogo".
E a diferença do Messias para o velhote é essa, enquanto um é carrancudo e não muda, o outro esperto, manipula o prodigio ao ponto de rentabilizar o seu nome para proveito proprio. Jesus + Maria...é épico.

O hulk não está perdido, mas é preciso ter (muita) paciência.

p.s - há um erro em anedota no primeiro paragrafo que tenha reparado.


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO