Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

Se alguém ainda tinha dúvidas a noite fria de ontem de Milão resolveu-as por completo. A temporada futebolistica que abre a nova década tem apenas um nome próprio e um apelido. Wayne Rooney voltou a mostrar que é o jogador mais em forma do futebol europeu acabando com uma larga malapata que, se fosse só por Alex Ferguson, assim teria continuado.

É impressionante observar a evolução da carreira de Alex Ferguson.

Depois do triunfo do Manchester United em 1999 com um futebol ofensivo e atractivo, o técnico escocês foi mutando o seu modelo de jogo, passando do clássico 4-4-2 a um mais conservador 4-2-3-1 até jogar ontem em S. Siro num claro 4-5-1. Já tinha sido assim na época passada contra o Inter do seu amigo José Mourinho. Na altura a sorte esteve do lado dos Red Devils. O futebol do lado neruazurri. Ontem poderia ter voltado a repetir-se o mesmo cenário. Um AC Milan diabólico na primeira parte com um notável Ronaldinho e o afortunado joelho de Paul Scholes a adiar tudo para Old Trafford. Mas isso foi antes de surgir Rooney. E de ter deitado por terra o conservadorismo inglês e a ousadia rossenera.

Rooney foi o grande prejudicado com a explosão de Cristiano Ronaldo. Com o extremo português a jogar com falso interior por Ferguson, o avançado inglês foi progressivamente empurrado para os flancos. Rooney não é um killer mas move-se bem na área. Longe dela perde eficácia. A final de Roma, frente ao Barcelona, foi o melhor exemplo de como desaproveitar o seu génio. Sem o seu amigo Cristiano, hoje Rooney é feliz. Porque joga solto, joga com a responsabilidade sobre os ombros (e adora-o) e porque voltou à área. Ontem o seu futebol foi suficiente para anular um jogo cinzento do United e garantir um quase certo apuramento para os Quartos de Final.

 

O grande mérito de Ferguson foi ter mantido Rooney na frente e ter abdicado de Nani.

O português esteve brilhante frente ao Arsenal mas depois da última expulsão provou que continua a ferver em pouca água e que o ritmo competitivo mental está longe de o tornar num jogador de elite. Usar as mesmas chuteiras de Cristiano Ronaldo não o transforma em CR7 e já o devia saber. Em San Siro foi inexistente e com Park a fechar no outro flanco um meio-campo de combate (Scholes, Carrick e Fletcher) o avançado solitário esteve mais só do que nunca. A entrada de Luis Valencia revolucionou o velocimetro do ataque inglês e deu liberdade a Rooney. E o dianteiro não desaproveitou. Dois golpes letais rasgaram as redes de Dida. Um bom par mais de oportunidades que poderiam ter entrado. E a habitual raça no apoio defensivo a uma equipa encostada às cordas em vários momentos do jogo. Rooney está no melhor momento da sua carreira e é hoje o jogador mais determinante do futebol europeu. Lider da corrida à Bota de Ouro, marca na Champions, assiste os colegas e não deixa de correr. Com ele em campo Ferguson sabe que pode jogar num 4-6-0 se precisar. E mesmo assim arriscar-se a que marca um bom par de golos. Capello esfrega as mãos porque a maturidade do avançado parece estar, finalmente, consumada. Rooney é já um lider natural e não o jovem rebelde associado a gigantes hamburguers e bordeis de segunda que marcaram os primeiros anos em Old Trafford.

Do AC Milan de Leonardo basta lembrar que não deixou o vice-campeão europeu jogar. Um feito, tendo em conta as debilidades do onze milanista que se veio abaixo com o golo afortunado de Scholes. Ronaldinho voltou às suas boas noites mas esteve só. Pato e Huntelaar foram pouco incisivos e não ajudaram a ampliar um resultado que poderia ter deixado tudo em aberto. O golo de Seedorf - uma surpresa de Leonardo - deixa tudo em aberto mas o Milan terá de vencer por dois golos de diferença num Old Trafford onde o United continua a ser rei e senhor. A sorte esteve com Ferguson. O futebol com Rooney. O Manchester United continua de pé. Que ninguém os subestime.



Miguel Lourenço Pereira às 08:28 | link do post | comentar

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO