Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

Em Portugal o marketing ainda é um conceito bastante abstracto. A nivel desportivo mais ainda. Por muito que os clubes se preparem para entrar no universo do naming e que tenham passado os últimos anos a renomear bancadas, filas e lugares com nomes de empresas, nunca nenhum deles captou realmente o sinal dos tempos. E quando há um bom trabalho desenvolvido ele, simplesmente, cai no mais puro desconhecimento colectivo. Assim estamos.

O cartaz criado pelo FC Porto para o encontro de hoje frente ao Arsenal, a contar para a Champions League, é um dos mais engenhosos trabalhos de marketing visual alguma vez feitos em Portugal. Num país onde os clubes ainda funcionam no espirito localista dos anos 70 e 80, é raro encontrar projectos com visão. Dar nome de bancadas, centros de estágio ou estádios a empresas não é marketing. É simplesmente perder a identidade desportiva. O futebol é um fenomeno social da máxima importância. Ao contrário de outros desportos onde os clubes se fazem chamar pelos nomes das empresas que os apoiam, no futebol é o nome do clube que tem força. E é sobre ele que se deve trabalhar. Aproxima-lo à comunidade, mais do que ao simples e reduzido grupo de sócios, por muito que alguém reclame no rectângulo ter o clube com mais sócios do Mundo. Entre pagantes e não pagantes, vivos e mortos, está claro.

Ora no resto da Europa há já quem trabalhe bem essa faceta do marketing desportivo. E não é preciso serem grandes instituições com u orçamento significativo. Um bom trabalho é habitualmente um trabalho barato mas certeiro. No ano em que chegou, pela primeira vez, à final da Taça do Rei, o Getafe criou uma das mais engenhosas campanhas de marketing desportivo. Pequeno clube dos suburbios de Madrid, sem historial algum, o clube conseguiu conquistar a opinião pública espanhola. Como? Com anuncios televisivos emitidos nos canais nacionais (nos seis canais espanhois e nos vários canais de cada autonomia) criaram uma autêntica "maré azul". De tal forma que no dia da final, até o próprio monarca, parecia ter dificuldade em assumir a sua imparcialidade. Perderam, mas hoje poucos se lembram com quem.

Outros projectos desportivos têm lidado bem com o marketing desportivo para captar, por exemplo, novos adeptos. O anuncio televisivo é eficaz. Chega a toda a população e não a um circulo já de si contaminado pela mensagem. Há quem prefira as novas tecnologias e desenvolva sites funcionais e interactivos. Os sites dos clubes portugueses continuam muitos furos abaixos dos rivais europeus. E dentro de alguns casos, nem chegam mesmo a poder considerar-se um verdadeiro site para o adepto mas sim uma mera página institucional. Em Portugal as vistas continuam curtas e ninguém se dá realmente ao trabalho de ir mais além. O merchandising desportivo continua a basear-se no cachecol e equipamento, tal como era há 20 anos atrás. Com meio mundo há procura de novos meios para conquistar públicos, o adepto português que visite a loja oficial do seu clube - se é que a tem - encontrará pouco. Muito pouco. Não há edições em DVD de grandes jogos ou campanhas. Nem livros patrocinados pelo próprio clube. Merchandising para ambos os sexos e com elementos que pouco têm a ver com o jogo. Mas muito com o clube. Não, em Portugal isso pura e simplesmente não existe. A idade da pedra do marketing desportivo continua a marcar a ordem do dia, por muito que se alarde superioridades numericas que o Mundo sabe serem mentira.

 

No meio deste oásis de que todos os clubes padecem - uns, mais do que outros - é raro encontrar um exemplo do que deveria acontecer. Com a habitual atenuante de que deveria ter sido divulgado de outra forma. O único representante português na prova máxima do futebol europeu disputa contra o Arsenal a passagem à próxima fase. O único clube a vencer a prova nos últimos 45 anos. E o impacto mediático do evento é nulo. Absolutamente nulo. Tanto a nivel institucional como a nivel mediático. E o próprio clube, fechado no seu pequeno mundo, parece não estar talhado para dar esse passo. Apesar disso, de toda essa limitação psicológica, a equipa de comunicação do FC Porto engenhou criar um poster espantoso relativamente à eliminatória com os "gunners" que até os próprios adeptos do Arsenal, bem mais atentos que os lusos, elogiam com a sapiência de quem está habituado a estas iniciativas. No entanto quantos adeptos portugueses o viram? Quantos adeptos portistas o viram? Chegou como a informação, de que forma foi desenvolvida? Houve uma campanha televisiva generalista? O clube patrocina algum orgão de comunicação oficial divulgado a todos e não apenas ao seu microcosmos? Como é que em Inglaterra se deram conta e em Portugal a informação, pura e simplesmente, passa ao lado? Isso, continua a ser Portugal.

O FC Porto luta taco a taco com o Arsenal. Contra os gunners os azuis e brancos querem marchar rumo aos Quartos de Final, onde cairam na época transacta. Num ano desportivo pobre a nivel interno a Europa continua a ser onde os portistas melhor exibem a sua mensagem mediática. É curioso que um clube desprezado entre portas seja altamente respeitado no estrangeiro. E que a sua própria estratégia de comunicação seja mais depressa aplaudida nos foruns dos adeptos do futuro rival do que na própria comunicação social interna. Mais do que o habitual fair-play inglês, o que aqui está em causa é o triste pântano mediático português. O campeão nacional até se pode apurar, destroçando os canhões. Mas acabará sempre por se tornar noticia de rodapé.



Miguel Lourenço Pereira às 00:00 | link do post | comentar

1 comentário:
De Pedro a 19 de Fevereiro de 2010 às 21:21
Nunca tinha visto esse cartaz em lugar algum. Mas confesso que está saudoso...de uma prespectiva de marketing é muito dificil, hoje em dia, acreditar que o processo de criação deve ser mais um processo de recriação. Toda a gente quer individualizar e criar algo diferente para erguer o seu nome. É o resultado de uma era mais egocêntrica do que comunitária.
O que falta hoje ao futebol, é o ideal do futebol.


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO