Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2010

O futebol é um jogo de cavalheiros. Ou deveria sê-lo, pelo menos. Um jogo limpo, aberto, sem golpes-baixos. No meio da confusão o árbitro apita. Aponta para um pequeno circulo. Chamam-lhe penalty, na lingua original do jogo. O guarda-redes está só frente à bola. Frente ao avançado. É um mano a mano desigual, já o sabemos. E quando ele avança e subitamente para, o jogo recebe uma facada mais no seu orgulho. No futebol não há nada mais imoral que uma paradinha.

Kaká tem razão. Nesse mundo novo de tecnologias muitos já se renderem ao minimalismo do serviço Twitter. Um deles foi o médio brasileiro. Ainda a anos-luz do que já foi e talvez nunca mais volte a ser, Kaká aproveitou a popular ferramenta para criticar uma jovem shooting-star do Brasileirão. Acusou-o de falta de elegância ao apontar um penalty de paradinha ao seu ex-colega Rogério Ceni. E tem razão. Apesar de se perceber que o faz por apoio ao seu velho amigo e colega do São Paulo, Kaká toca num dos pontos mais sensiveis do jogo brasileiro. A honestidade frente a frente com o chicoespertismo. E não há quem ganhe ao Brasil em chicos-espertos. A paradinha é um movimento popular. No Brasil é marca da casa. Um penalty já de si é um duelo desigual. O guarda-redes está só, preso à linha com um fio invisivel que o cose ao relvado. Só se pode mover para os lados. E a baliza é grande. Demasiado grande. O avançado tem a pressão nos ombros. É verdade. Mas tem o tempo. Tem o olhar de falcão que lhe permite decidir. E o timing é seu. Quando entra em corrida o guarda-redes tem de tomar uma decisão. Para cima, para baixo. Direita, esquerda. Parado ou para a frente. São esses breves segundos que o vento não conta que o inclinam a jogar a sua última ficha. Quando ele já está no ar, mãos de gigante a apontar ao céu, o avançado pára. Olha para o rosto do guarda-redes, impotente, enganado. Sorri, volta a acelarar. Dá um toque suave. É golo. É inevitável. É injusto.

 

Neymar, essa brilhante promessa do Santos como tantas outras que por lá andam e que ainda nem o nome conhecemos, é filho dessa cultura de rua. Desse Brasil do antes esperto que justo. Foi nas ruas brasileiras que nasceu o fenómeno da paradinha. O resto do mundo era incapaz de imaginar que se podia marcar assim uma grande penalidade. Em Inglaterra, o país dos gentlemans por excelência, era impensável enganar assim um guardão. O remate tinha de ser frontal, forte e directo. Como uma estocada. Um golo envenenado num embrulho de honra. Very british.

Ninguém sabe quem inventou a paradinha. Nem se saberá provavelmente. É daqueles movimentos que dispensam inventor. Mas que estão aí, no vocabulário do mundo. Há quem diga que foi Pelé. Soa sempre melhor quando é um grande nome por trás de um golpe tão sujo. E numa era sem televisão o Mundo só o viu a ele, naquele México 70 do seu encanto. Apesar disso o mágico brasileiro sempre rejeitou a invenção. O maestro, dizia, era Didi. Mas realmente interessa? Não. Nessa época já o Brasil abraçara o gesto. Tinha o seu estilo escrito por todos os lados. No país onde só vai para a baliza quem não se salva nem a lateral, que importa se o guarda-redes é duplamente enganado? O que conta é o espectáculo. Oba Brasil.

Meio segundo pode decidir um jogo. Um remate enganador pode ser acreditado ao génio de um jogador. Lembramo-nos de Panenka, Totti, Postiga e Zidane que souberam dar um suave beijo à bola. E ela agradeceu o toque suave. Mas Neymar não respeitou a bola. Nem o relvado. Nem o guarda-redes. Nem a si mesmo. Rematou desprezando os principios básicos do jogo. Rematou sem pensar, apenas encantado com as capas de jornais que o seu gesto matreiro daria. Talvez por isso só num país onde todos estão habituados a jogar no limite do risco a paradinha poderia ser tão popular. Na Europa ainda existe esse sentimento de honra. Ou será medo de falhar? Perdoa-se a um avançado que falhe uma paradinha? O espectáculo vale tudo. Os guarda-redes protestam. Mas são cada vez menos. Os brasileiros que emigraram para a Europa trouxeram com eles o gesto técnico. Mas também aprenderam uma licções de moral. No Brasil o futebol é amoral. Como a rua. É livre, sem condicionantes ou espartilhos de consciência. Nos relvados empapados do Velho Continente ainda há um código ético. Invisivel. Ineligivel. Mas que está aí. Djalminha, que como Kaká viveu os seus melhores dias na Europa, e que era um dos grandes especialistas na marcação de penaltys chamou "cobardes" aos compatriotas que mantêm a prática da paradinha. E se quando Pelé - ou quem quer que fosse o artista - inventou a paradinha, esta consistia apenas em mudar a mudança da caixa de velocidades do avançado, hoje a paradinha significa que o avançado realmente pára. E logo arranca. Perguntem a Cristiano Ronaldo. E já agora, a Petr Cech.

A FIFA quer banir de forma definitiva o gesto. Puni-lo com um amarelo e ordenar a repetição do penalty. Haverá sempre vozes em contra, contra a pureza do jogo de rua. Mas até a rua tem valores. Aliás, hoje em dia, a rua guarda poucos dos valores que os estádios vendidos ao negócio expulsaram. Defender o eterno guerreiro solitário pode parecer impopular. O guarda-redes já o é, na sua essência. Mas a se a sua solidão é inevitável, a imoral paradinha é algo perfeitamente dispensável. Especialmente quando vemos o avançado arrancar, colocar a bola e cair sobre os colegas. No chão, o guardião sabe que não tinha hipóteses. Mas pode levantar-se com a honra dos vencidos. Isso é o beautiful game!

 



Miguel Lourenço Pereira às 09:46 | link do post | comentar

6 comentários:
De Germano a 18 de Fevereiro de 2010 às 16:19
Totalmente sem sentido a comparação. Essa matéria dá precedentes para explicar porquê o Sebastianismo influencia na crença de que o Cristiano pode ser comparado a Eusébio. Parece que o que é bom para Portugal só acontece uma vez.
O penalti é uma punição ao goleiro. É preciso aprender as regras do futebol antes de comentar. A relação entre o batedor e o goleiro não deve ser justa. O penalti acontece porque o time que defendia cometeu a maior das infrações.
O que Neymar fez foi arte, de quem sabe fazer, de gente que nasce no Brasil. Aquilo é um jogo e está na regra. Logo mais, virá da Europa, terra de poucos jogadores talentosos, porém bons taticamente, a proibição do drible, já que não é comum essa prática pelo velho continente, e vão chamá-la de desonesta. Só me falta vir o discurso do neocolonialismo.


De Miguel Lourenço Pereira a 19 de Fevereiro de 2010 às 08:44
Caro Germano,

Comentário totalmente despropositado e fora de contexto. Nem sebastianismo, nem neocolonialismo, nem talento.

Há uma coisa, no futebol e na vida, que o jogador brasileiro pura e simplesmente não conhece: o fair-play. E o penalty, apesar de ser a máxima penalidade, pode ser também a ocasião mais nobre de um jogo. É um duelo desigual na sua base e deve sê-lo. Mas juntar os truques sujos da rua, isso é tipico de uma mentalidade onde tudo vale. E onde não há valores mais nobres.

O gesto técnico pode ser belo. Isso não é o que está em causa. Mas é baixo, traiçoeiro. E se no Brasil o apreciam - e é o único sitio - isso tem a ver com a mentalidade brasileira. Têm todo o direito a isso, é verdade. Mas também têm de aprender a viver com opiniões contrárias. E não vir para aqui com falsos-moralismos. Só ensina quem pode mais. Para isso não vale a pena!


De Germano a 19 de Fevereiro de 2010 às 14:12
O que você está usando são valores culturais. Está partindo do pressuposto de que aí é melhor que em outro lugar. que há o correto e que há o errado. Em questão de valores culturais, isso é totalmente inapropriado, assim como dizer que um determinado país é o berço da malandragem. Por isso cabe a minha comparação.
Quanto ao jogo, imagine a seguinte cena: O atacante dribla dois zagueiros, o goleiro e, quando chuta para o gol, um terceiro defensor mete a mão na bola e impede o gol. Você acredita que o penalti dessa infração deva ser em pé de igualdade? Penalidade por penalidade, se formos comparar com a penalidade máxima dos crimes capitais nos EUA ( a pena de morte, que não apoio) seria o mesmo que dar uma arma para a pessoa que estivesse por ser fuzilada. Tudo bem, é uma comparação Reductio ad absurdum, mas é preciso entender que é uma punição. Na punição, neste caso, não deve haver favorecimento aos punidos. Não tem nada de tirar proveito sobre alguém indefeso, porque o time que comete o penalti é o culpado.
No Brasil, o Henry seria punido posteriormente. Onde entra a malandragem nisso?
O Roberto Carlos pegou dois jogos por um carrinho forte sobre um companheiro. Ele mesmo dizia que na Europa não era nem considerado falta. Falta, aliás, que teve que ser inventada depois da copa da Inglaterra, na qual a seleção de Portugal precisou espancar os jogadores do Brasil para vencer. Não foi? Pararam o Pelé com contusão. O jogo era mais bonito e leal na terra onde se inventaram a paradinha.
Não me lembro se foi a falta ou a questão dos cartões que surgiu nessa copa, mas o importante é o valor sobre a utilização da falta para vencer o jogo. isso, você inventaram.


De Miguel Lourenço Pereira a 19 de Fevereiro de 2010 às 15:02
Germano,

O que defendo no texto, e mais tarde no meu comentário, é que acredito numa série de valores relativamente ao futebol e à vida. E um deles é o fair-play. Não se trata de favorecer o penalizado. O penalty é já, por si, uma vantagem do avançado face ao guardião. E merecida, isso não está em disputa. E a verdade é que no Brasil o guardião é sempre a figura mais penalizada face ao avançado. É cultural.

Agora acho que uma paradinha não é um mero gesto técnico, como um toque de calcanhar, uma trivela, um drible, durante o decorrer do jogo. É um engano numa situação já de si desequilibrante. Pura e simplesmente não me parece justo. É a minha opinião, é o que sempre pratiquei enquanto joguei e faz parte da minha cultura.

Foi o próprio Djalminha, que é insuspeito de ser um brasileiro a 100% que chamou "cobarde" a jogadores como o Neymar. Não é uma opiniao exclusiva minha e não o diga por ser um lance do futebol brasileiro. Há uns meses dois portugueses fizeram um lance impresentável, num penalty pela selecção portuguesa. Aí critiquei-os e eram do meu país. Não é uma questão de nacionalidades, pura e simplesmente o Brasil inventou o gesto e ainda o utiliza (como se viu no ultimo Fluminense-Vasco) ao contrário do resto do Mundo que nunca o adoptou. E não creio que seja por falta de talento (Panenka, Zidane ou Totti são europeus e souberam marcar penaltys tão complicados como Pelé, Zico ou Socrates).

Quanto ao Henry, ele deveria ter sido punido no próprio jogo, estamos de acordo. E quanto ao Portugal-Brasil, muito se escreveu sobre esse jogo. A defesa portuguesa jogou duro, demasiado duro, mas o Pelé já vinha lesionado e futebolisticamente nesse encontro, como em todo o Mundial, Portugal foi superior. Nao foi uma batalha como contra a Hungria em 1954. Não digo que o jogo no Brasil não seja bonito. Mas há valores que aí não apreciam e que para mim são fundamentais.

um abraço



De Germano a 19 de Fevereiro de 2010 às 16:36
Peço desculpas pelo tom agressivo no meu primeiro post. O restante da conversa foi muito interessante, mesmo que não tenhamos entrado em acordo, e, ao que parece, nem iremos, já que entrou em um ponto de opinião.
Obrigado
Até mais.
Germano.


De Miguel Lourenço Pereira a 19 de Fevereiro de 2010 às 16:44
Germano,

Igualmente te peço desculpas se te sentiste ofendido em qualquer resposta. Quanto ao texto mantenho a ideia que defendo, como dizes é uma questão de opinião pessoal. Respeito a tua, mas tenho a minha.

És sempre bem vindo no entanto para qualquer discussão.

um abraço
Miguel


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxGerador Automatico de ideias para topicos...
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO