Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2010

O Barcelona venceu. De forma avassaladora. E acabou eliminado. Sofreu o mesmo tratamento que votou ao Chelsea na época passada e acabou com uma série de invencibilidade sobre-humana. 500 dias depois de chegar a Can Barça, esta pode ter sido a vitória mais importante de Guardiola.

Já se sabem os chavões das vitorias morais de cor e salteado? Não é por aí que vamos.

O Barcelona venceu e mesmo assim perdeu. Venceu em campo. Venceu em atitude. Venceu em futebol. Perdeu no conjunto das duas eliminatórias de uma prova que, no ano passado, abriu a sua sede goleadora. Um cenário anormal? Pelo contrário, um cenário necessário. De tal forma que esta vitória pode ser bem mais importante do que muitos dos titulos ganhos

As lágrimas de Josep Guardiola no final do último Mundial de Clubes tinham um significado claro: "já está". Depois de vencer o Tri em Maio, o técnico sabia que a imprensa - mais até de que os próprios adeptos - iria estar pendente mais dos trofeus ganhos do que do rendimento da sua equipa. E assim foi. Apesar de haver mil e uma teorias sobre o rendimento dos dois "Barças", a verdade é que até Dezembro só se falava em história. Em lenda. Em novidade. A primeira vez que uma equipa vence 6 trofeus num ano. Que um técnico não perde nenhuma competição disputada. Enfim, que uma equipa se assume perfeita. Depois da tremida vitória nas Arábias o ciclo fechou-se. Guardiola chorou porque todo o peso lhe tinha finalmente saído dos ombros. O objectivo fora logrado. História tinha sido feita. Agora a equipa podia voltar a desfrutar do jogo. Até que surge o Sevilla.

 

Há poucas equipas no futebol europeu do nivel do conjunto andaluz.

Um bom técnico, uma direcção desportiva de primeirissimo nível e um plantel, que segundo o próprio Guardiola, "é o melhor de Espanha". E não estará muito longe da verdade. Os sevillistas foram ao Camp Nou vencer por 1-2 num jogo em que Guardiola deu oportunidade a jogadores menos rodados. Acusaram-no de tudo. Assobiaram alguns dos jogadores. De repente parecia que nada do que havia para trás tinha alguma vez existido. A paciência no futebol pura e simplesmente, é uma utopia.

O Barcelona colocava-se assim na iminência da eliminação. A primeira do mandato Pep.

A imprensa da capital esfregava as mãos e antecipava o cataclismo de uma derrota blaugrana. O futebol em campo da equipa de Guardiola tinha baixado uns furos, face à época passada. E no entanto, a equipa seguia lider e tinha apenas 2 derrotas em toda a época. E nenhuma na liga. Os profetas da tragédia fizeram a sua labor e o Barcelona chegou a Sevilla como se tratasse de um jogo de vida ou morte. Um jogo que questionava o próprio projecto. Da unanimidade, o Barcelona tinha passado à descrença pura e dura.

 

Foi eliminado. Era o cenário mais esperado. Mas não como sucedeu. A vitória no terreno provou que, futebolisticamente, o conjunto blaugrana continua a viver um patamar acima de todos os outros.

Pep Guardiola deu uma licção de futebol. Uma vez mais. Aceitou a eliminação com a sua habitual atitude de gentleman que desarma o mais saloio dos criticos. Implacável no jogo de palavras, desarmou tudo e todos. Antes já o tinha feito, em campo. Num Sanchez Pijzuan inundado o Barcelona assinou um dos seus melhores jogos do ano. Talvez até o melhor tal foi o massacre a que o Sevilla foi sujeito. Num estádio onde os andaluzes vergaram o Real Madrid e em que acreditavam ser invenciveis face aos grandes, o Sevilla não existiu. A velocidade de Navas - um miudo supersónico - e o olfacto de Negredo davam, ocasasionalmente um descanso a Palop. Mas pouco. O guardião foi, uma vez mais, o herói.

A equipa catalã venceu por 1-0. Golo de Xavi. O inesperado. O mesmo que foi ontem consagrado, finalmente, o melhor do Mundo. Podia ter sido uma goleada histórica. Messi, Zlatan, Henry, Pedro, Iniesta, Busquets, Bojan. Todos tentaram. Todos podiam tê-lo logrado. A bola aninhou-se sempre nas mãos do gigante Andrés Palop. E aí ficou, segura.

Agora o Barcelona pode finalmente despertar do sonho letargico e ébrio da glória.

Acabou-se o fenómeno do sempre vencer, do nunca cair eliminado. Caiu mas, mais do que cair de pé, o Barcelona ergue-se do peso que o curvava. Tem agora os seus dois objectivos bem definidos. Tem menos cinco jogos nas pernas para preocupar-se. Um mês mais tranquilo. E, acima de tudo, a certeza de que não é invencível. Uma certeza que lhes poderá dar, certamente, o ânimo de voltar a provar o sucesso. O Barcelona do próximo fim-de-semana será certamente o mais motivado da temporada. Guardiola volta a sentar-se tranquilo. A equipa pode voltar a sorrir sem a pressão de serem deuses. Porque o futebol continua a ser o mais humano dos jogos.



Miguel Lourenço Pereira às 08:27 | link do post | comentar

2 comentários:
De Filipe Costa a 14 de Janeiro de 2010 às 17:02
Nunca tinha vindo a este blog, mas chamou-me a atenção no jogodirecto. Adorei o post. Fantástico mesmo. obrigado porque escreveste exactamente o que eu penso! Este Barça não acaba aqui, bem pelo contrário


De Miguel Lourenço Pereira a 15 de Janeiro de 2010 às 09:57
Viva Filipe,

Bem vindo sejas ao Em Jogo.

Efectivamente, acredito que este Barcelona ainda tem muito para dar. Mais ainda depois de ficar com via livre para os objectivos reais da época. Agora estão em igualdade de condições com o Real Madrid e com Touré e Keita a voltarem provavelmente mais cedo da CAN do que se esperava, a finais do mes as duas equipas estarão na máxima força. Com a vantagem de que o Barça tem um rival muito mais acessivel na CL.

Cumprimentos


Comentar post

.O Autor

Miguel Lourenço Pereira

Fundamental.
EnfoKada
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


FUTEBOL MAGAZINE. revista de futebol online


Futebol Magazine


Traductor


Ultimas Actualizações

Toni Kroos, el Maestro In...

Portugal, começar de novo...

O circo português

Porta de entrada a outro ...

Os génios malditos alemãe...

Be right back

2014, um Mundial de parad...

Brasil vs Alemanha, o fim...

Di Stefano, o jogador mai...

Portugal, as causas da hu...

Últimos Comentários
ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...
En el libro último de Carlos Daniel ni siquiera se...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
.Xavi e o melhor jogador meio campista atual e da ...
Ya existe Avenida Eusebio, Estadio da Luz; NO EXIS...
Posts mais comentados
69 comentários
64 comentários
47 comentários
Arquivo
.Do Autor
Cinema
.Blogs Portugueses
4-4-2
A Outra Visão
Açores e o Futebol
Duplo Pivot
Foot in My Heart
Futebol Finance
Futebol Portugal
Lateral Esquerdo
Leoninamente
Minuto Zero
Negócios do Futebol
Pitons em Riste
Porta 19
Portistas de Bancada
Reflexão Portista
TreinadorFutebol
.Blogs Internacionais
Os mais destacados blogs internacionais de futebol
.Imprensa Desportiva
Edições Online Imprensa
Aviso

Podem participar nesta tertúlia futebolistíca enviando os vossos comentários e sugestões à direcção de correio electrónico: Miguel.Lourenco.Pereira@gmail.com


Bem Vindos a Em Jogo...


Nota



O Em Jogo informa os leitores que as fotos publicadas não são da autoria do weblog sendo que os seus respectivos direitos pertencem aos seus legítimos autores.



Siga o Em Jogo através do:

Follow Em_Jogo on Twitter


Em Jogo

Crea tu insignia

Bem vindo!

Categorias

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO